Xi Jinping bloqueou movimento estudantil pela democracia durante protestos de 1989, denuncia relatório

Quando o Massacre da Praça Tiananmen ocorreu em 4 de junho de 1989, Xi era o secretário do comitê local do PCC para a cidade de Ningde, província de Fujian

Por Mary Hong

Xi Jinping, o atual líder do Partido Comunista Chinês (PCC), tem uma história de seguir de perto as instruções do governo central durante sua ascensão ao poder.

Quando o Massacre da Praça Tiananmen ocorreu em 4 de junho de 1989, Xi era o secretário do comitê local do PCC para a cidade de Ningde, província de Fujian.

Xi assumiu o cargo em Fujian em 1988. No ano seguinte, o movimento estudantil pela democracia estourou na China. Eles pediram reformas democráticas no governo chinês e organizaram protestos massivos perto da Praça Tiananmen, em Pequim. Em 4 de junho, Pequim enviou tropas para reprimir os protestos, que resultaram na morte de milhares de pessoas, segundo estimativas de grupos de direitos humanos.

Recentemente, um site oficial do PCC publicou uma entrevista conduzida pela agência de rádio e televisão de Fujian em julho de 2017. O entrevistado, Chen Youcheng, revelou como Xi respondeu ao movimento estudantil.

Reações de Xi diante do movimento estudantil

Chen Youcheng era o então diretor de segurança pública da cidade de Ningde. Ele disse que o movimento estudantil também afetou a área local. Um grupo de estudantes da província vizinha de Zhejian ia entrar em Fujian por Ningde. Os veículos foram pintados com slogans.

Xi Jinping, o então secretário do comitê do Partido Ningde, deu as seguintes instruções: “Primeiro, devemos reconhecer e seguir as instruções do governo central e do Partido. Em segundo lugar, devemos impedir resolutamente os alunos de entrar em Fujian, e os slogans não devem entrar em Ningde ou Fujian”.

Chen disse que os postos de controle foram montados de acordo com as instruções de Xi na fronteira provincial de Fenshuiguan. Por um lado, persuadiram os alunos a regressar às suas escolas e, por outro, lavaram todas as placas dos veículos.

Durante o momento politicamente delicado, Chen disse que Xi emitiu várias instruções para garantir a estabilidade e manutenção da segurança pública em toda a região.

Em 30 de julho de 1989, Xi também se reuniu com a polícia local e tirou fotos de seu discurso para “manter um alto grau de consistência com o Partido e obedecer resolutamente ao controle do Partido”.

No ano seguinte, Xi foi promovido a secretário municipal do Partido de Fuzhou. Em 1993, ele se tornou membro do comitê provincial do Partido de Fujian. Em 1996, Xi foi promovido a Vice-Secretário do Comitê Provincial do Partido de Fujian, e em 1999 a Vice-Governador Provincial e Governador Interino, e finalmente em 2000 a Governador da Província de Fujian.

Consequências

Autoridades que discordaram da repressão de Pequim ao movimento estudantil foram demitidas ou marginalizadas. O exemplo típico poderia ser Zhao Ziyang, o então secretário geral do PCC. Sua oposição à repressão ao movimento estudantil pelo então líder Deng Xiaoping levou à sua demissão e prisão domiciliar por 15 anos até janeiro de 2005, quando ele faleceu.

Bao Tong, o secretário político de Zhao, foi demitido e preso antes do massacre de junho, e ficou preso por sete anos. Bao foi o oficial mais graduado condenado durante o movimento estudantil pela democracia em 1989.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

China em Foco – EUA apura aplicativos da China

 
Matérias Relacionadas