Xi e Putin firmam ‘coordenação estratégica’ China-Rússia

“A China está disposta a trabalhar com a Rússia para continuar apoiando uns aos outros em seus respectivos interesses centrais"

Por Andrew Thornebrooke

O líder do Partido Comunista Chinês (PCCh), Xi Jinping reafirmou o compromisso da China com a Rússia durante um telefonema no dia 15 de junho com o presidente russo, Vladimir Putin, segundo a mídia estatal chinesa.

“A China está disposta a trabalhar com a Rússia para continuar apoiando uns aos outros em seus respectivos interesses centrais em relação à soberania e segurança”, disse Xi, “bem como em suas principais preocupações, aumentando sua coordenação estratégica e fortalecendo a comunicação e a coordenação em áreas internacionais tão importantes e em organizações regionais como as Nações Unidas, o mecanismo BRICS e a Organização de Cooperação de Xangai”.

Ele também disse que o PCCh está pronto para trabalhar em conjunto com a Rússia para promover o envolvimento com nações em desenvolvimento, a fim de moldar a ordem internacional para o melhor benefício dos dois países.

“O lado chinês está pronto para trabalhar com o lado russo para impulsionar o desenvolvimento estável e de longo prazo da cooperação bilateral prática”, disse Xi.

Em uma declaração sobre o telefonema, um porta-voz do Kremlin disse que Xi reconheceu a “legitimidade das ações da Rússia na proteção de seus interesses nacionais fundamentais diante dos desafios de segurança criados por forças externas”. A declaração foi provavelmente uma referência à propaganda russa de que a guerra em curso na Ucrânia era um esforço para impedir a expansão da OTAN.

A Ucrânia não estava sendo considerada para a adesão à OTAN no momento da invasão da Rússia ao país, em fevereiro, e seria negada tal adesão com base no fato de que os candidatos à OTAN devem manter a integridade territorial sobre todas as suas terras reivindicadas, o que a Ucrânia não faz.

A crescente aliança entre o PCCh e o Kremlin tem sido uma preocupação alarmante para as autoridades ocidentais desde que Xi e Putin anunciaram uma parceria “sem limites”, em 4 de fevereiro.

Desde então, Xi não aderiu às sanções internacionais à Rússia pela invasão da Ucrânia, e o PCCh tem consistentemente assumido a posição de que as ações financeiras internacionais contra a Rússia são inválidas, proporcionando à Rússia um porto seguro econômico vital nos mercados chineses.

O PCCh também foi criticado por seu aparente apoio à Rússia durante a guerra em curso na Ucrânia. Os Estados Unidos acusaram o PCCh de considerar fornecer apoio militar à Rússia para a guerra e, da mesma forma, um relatório da Ucrânia sugeriu que hackers afiliados ao PCCh lançaram um ataque cibernético maciço à Ucrânia um dia antes de Putin lançar a invasão.

Atualmente, o PCCh continua a censurar fortemente as conversas sobre a guerra nas redes sociais da China continental e se recusa a se referir a ela como uma guerra, repetindo a posição russa de que é uma “operação militar especial”.

O Kremlin anunciou apoio às reivindicações do PCCh sobre Taiwan e declarou que se opõe às tentativas internacionais de influenciar os eventos em andamento em Taiwan, Xinjiang e Hong Kong.

Os líderes de inteligência dos EUA disseram que a parceria PCCh-Kremlin provavelmente ficará ainda mais forte na próxima década e que essa nova situação estratégica terá efeitos profundos na geoestratégia, já que os Estados Unidos nunca enfrentaram dois adversários nucleares simultaneamente.

“Estamos agora em um ponto em que precisaremos compartilhar muito mais do nosso planejamento e operações nucleares e como agir, não apenas dissuasão convencional, mas os papéis que as armas nucleares dos EUA desempenhariam em uma crise”, disse David Santoro, presidente do Pacific Forum, um think tank de política externa, em abril.

“Infelizmente, você sabe, às vezes falamos sobre estabilidade estratégica como o princípio organizador entre as relações EUA-Rússia e EUA-China. Não acho que sejamos capazes de alcançar a estabilidade agora. Estamos em um lugar muito, muito ruim com os dois.”

O telefonema entre Xi e Putin aconteceu menos de uma semana depois que o ministro da Defesa chinês, Wei Fenghe, ameaçou iniciar uma guerra sobre a questão da independência de Taiwan e poucos dias depois que Xi anunciou um conjunto abrangente de 59 novos regulamentos destinados a preparar as forças armadas do PCCh para ações militares “não bélicas”.

Não houve esclarecimento imediato sobre o que se qualificava como uma ação militar “não bélica” no pensamento do PCCh. No entanto, a guerra, em curso, da Rússia na Ucrânia apresenta uma interpretação possível, uma vez que nem a Rússia nem a China reconhecem o conflito como uma guerra.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas