Publicado em - Atualizado em 19/05/2017 às 21:25

Wikileaks expõe ajuda do Google a grupos jihadistas no conflito sírio

O então diretor do Google Ideas, Jared Cohen, coordenou ações para apoiar os grupos opositores a Bashar al-Assad

Membros do ISIS (Cortesia / Al Masdar News)

Membros do ISIS (Cortesia / Al Masdar News)

O Google ajudou a Al-Qaeda e outros grupos salafistas como a Irmandade Muçulmana a ganhar novos membros no início do conflito sírio, segundo documentos secretos e e-mails vazados pelo Wikileaks.

Segundo os documentos, o então diretor do Google Ideas, Jared Cohen coordenou ações para apoiar os grupos rebeldes, opositores ao atual governo de Bashar al-Assad, com a então Ministra das Relações Exteriores dos EUA, Hillary Clinton, e o Vice-Secretário de Estado dos EUA, William Burns. O Google empregou sua tecnologia para ajudar o conflito na Síria a ganhar força.

Em julho de 2012, o Google forneceu um sistema para rastear deserções na Síria e repassar as informações à mídia Al-Jazeera, a qual ajudaria espalhar as informações na região. Essa ação coordenada entre os oficiais dos EUA e Google, teve o objetivo de encorajar mais pessoas a pegar em armas e se juntar às fileiras dos rebeldes.

No email vazado, consta que o Diretor de Planejamento de Políticas para o ex-presidente Barack Obama, Jake Sullivan, disse a Hillary Clinton – ele serviu como conselheiro na última eleição presidencial dos EUA -, que “esta é uma idéia muito boa”.

A administração dos EUA em 2012 já estava ciente do fato de que a oposição no conflito sírio consistia principalmente da Al-Qaeda e outros grupos jihadistas. Em um relatório antes secreto, agora público, da administração dos EUA sobre o conflito sírio é afirmado que “os salafistas, a Irmandade Muçulmana e Al-Qaeda são as principais forças que dirigem a insurgência na Síria”.

Originalmente publicada em: Al Masdar News Ir para a home do Epoch TimesVer original
Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016