Vulcão em erupção de Bali: chances do pior cenário aumentam

Enquanto dezenas de milhares de pessoas tentam fugir de um vulcão em erupção na ilha turística de Bali, uma vulcanologista radicada nos Estados Unidos alertou que o monte já reúne todos os sinais indicativos de que o pior pode estar por vir.

Com o vulcão Monte Agung expelindo fuligens de cinzas vulcânicas até 8,8 quilômetros para o alto, as autoridades indonésias ordenaram a evacuação de 100 mil moradores que vivem nas proximidades do vulcão, devido aos temores de uma grande erupção. “Isto é uma erupção, isto é 100% uma erupção”, declarou Janine Krippner à news.com.au.

Pela primeira vez em 50 anos, o Monte Agung entrou em erupção no início da semana passada e, segundo relatos, a lava emergiu durante o fim de semana, o que Krippner disse ser um sinal de alerta sobre o que poderá vir a acontecer.

“Lava está saindo do vulcão, definitivamente existe o suficiente para causar problemas. Isso pode se tornar muito pior, você não pode superar isso”, disse Krippner.

Krippner vem acompanhando os ruídos do vulcão desde setembro, quando o número de tremores registrados no Mt. Agung alcançou cerca de mil por dia. O desafio agora é que a tampa do vulcão foi levantada e não há nada que pare a rocha derretida.

“O perigo é que este é agora um sistema aberto. Antes, era um sistema fechado, o que significa que não havia acesso aberto e fácil entre o magma e a superfície”, disse Krippner.

“Agora que isso foi realizado completamente, isso pode mudar rapidamente. Não tem mais de pressionar para atravessar a rocha, agora está saindo.”

Ela acrescentou que uma combinação de fatores aumentaram continuamente as pressões que estão gerando as erupções. “É como agitar uma garrafa de Coca e depois tirar a tampa”, explicou.

De acordo com o website do canal Discover, os fluxos de lama vulcânica ─ conhecidos como lahars ─ foram vistos saindo do vulcão.

Krippner disse que os fluxos piroclásticos ─ correntes rápidas de gás quente e de material vulcânico ─ são aqueles para os quais é necessário “abrir os olhos”.

“Se eles vierem, eles podem avançar 10 km dentro de três minutos”, disse Krippner. “Você não pode ultrapassá-los.”

Fluxos piroclásticos mataram muitas das quase 1.600 pessoas mortas durante a erupção do Monte Agung em 1963. “A preocupação é que, ao conhecer a história do Agung e saber o que um vulcão fez no passado, você sabe o que ele pode fazer no futuro”, disse ela.

Se uma grande erupção vulcânica ocorrer em Bali, também poderia ter a capacidade de arrefecer a temperatura do mundo, se a tragédia do passado for se repetir.

Vox informou que a erupção de 1963 ─ que emitiu cerca de 6 milhões de toneladas métricas de enxofre ─ derrubou as temperaturas globais entre 0,1 e 0,2 ºC por um ano.

NTD Television

Leia também:
Medo renasce na Indonésia após dois grandes terremotos
Terremoto de magnitude 8,7 na Indonésia gera alerta de tsunami
Seis erupções vulcânicas no mesmo dia em cinco países

 
Matérias Relacionadas