Vítimas civis no Afeganistão atingem recorde em meio à retirada das tropas dos EUA, afirma ONU

Por Tom Ozimek

As baixas de civis no Afeganistão atingiram um recorde em maio e junho de 2021, quando as tropas dos EUA começaram sua retirada, de acordo com um relatório das Nações Unidas divulgado na segunda-feira.

O número total de civis mortos e feridos no primeiro semestre de 2021 aumentou 47 por cento para 5.183 em comparação com o mesmo período em 2020 e se aproximou do recorde de 2017 de 5.272, disse a Missão de Assistência da ONU no Afeganistão (UNAMA) em seu relatório ( pdf )

Ao mesmo tempo, entre 1º de maio e 30 de junho, o relatório registrou 2.392 vítimas civis, o maior número registrado nesses dois meses desde que a agência começou a monitorar em 2009. Durante o período em questão, o relatório registrou 783 civis mortos e 1.609 feridos .

A agência afirmou no relatório que “está preocupada com o aumento no número de vítimas civis que ocorreu desde que as forças militares internacionais anunciaram em abril, e começaram logo depois, sua retirada do Afeganistão, após o que o Talibã capturou um número importante de centros administrativos distritais ”.

O presidente Joe Biden ordenou a retirada total das forças americanas do Afeganistão em abril, alertando sobre o ressurgimento do Talibã.

No final de junho, o general Scott Miller, comandante militar que liderou a retirada das forças americanas do Afeganistão, disse que a situação de segurança no país se deteriorou à medida que o Talibã falava de paz e, ao mesmo tempo, realizava operações ofensivas em todo o país.

Recentemente, o diretor da CIA William Burns disse que o Talibã provavelmente está em sua melhor posição militar em décadas.

“O Talibã está fazendo avanços militares importantes; eles provavelmente estão na posição militar mais forte que ocuparam desde 2001 ”, disse Burns à NPR em uma entrevista em 22 de julho.

O pessoal de segurança afegão monta guarda perto de um veículo carbonizado do qual foguetes foram disparados perto do palácio presidencial afegão em Cabul em 20 de julho de 2021 (AFP via Getty Images)

Mas embora o diretor da CIA reconheça a seriedade e urgência da ameaça do Talibã, ele advertiu que o colapso do governo afegão, que, ele insistiu, “retém importantes capacidades militares” não deve ser visto como inevitável.

“A grande questão”, disse ele, “é se essas capacidades podem ser exercidas com o tipo de força de vontade política e unidade de liderança absolutamente essenciais para resistir ao Talibã.”

“As linhas de tendência são certamente preocupantes”, continuou ele. “Não acho que isso deva nos levar a conclusões antecipadas ou a uma sensação de iminência ou inevitabilidade, mas são realmente preocupantes.”

Comentando sobre o relatório de vítimas civis, Deborah Lyons, representante especial do secretário-geral da ONU para o Afeganistão, exortou o Talibã e o governo afegão a encontrar uma solução pacífica para seu longo conflito.

“Imploro aos líderes do Talibã e do Afeganistão que prestem atenção à trajetória sombria e assustadora do conflito e seu impacto devastador sobre os civis”, disse Lyons em um comunicado . “O relatório fornece um aviso claro de que um número sem precedentes de civis afegãos morrerão e serão feridos este ano se a escalada de violência não for interrompida.”

A liderança do Talibã sobre o Afeganistão foi derrubada em 2001 após uma ação militar dos EUA na sequência dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001. O grupo foi acusado de abrigar o mentor do terrorismo, Osama bin Laden, que foi morto durante um ataque realizado 10 anos depois, no vizinho Paquistão.

Siga Tom no Twitter: @OZImekTOM

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas