Vírus zika: EUA pede a mulheres grávidas que evitem viajar para 14 países

Os Estados Unidos advertiram na sexta-feira (15) que mulheres grávidas evitem viajar para 14 países e territórios no Caribe e na América Latina devido ao vírus zika, transmitido por mosquitos e que pode causar sérias consequências sobre o feto.

“O vírus está se espalhando rapidamente através das Américas”, disse Lyle Petersen, diretor da divisão de doenças infecciosas transmitidas por vetores do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), em uma entrevista por telefone a jornalistas. “Consideramos importante alertar as pessoas o mais rápido possível”, acrescentou.

O alerta se aplica ao Brasil, Colômbia, El Salvador, Guiana Francesa, Guatemala, Haiti, Honduras, Martinica, México, Panamá, Paraguai, Suriname, Venezuela e o Estado Livre Associado de Porto Rico.

“As mulheres grávidas em qualquer fase devem considerar o adiamento de viagens para áreas onde a transmissão do vírus é permanente”, explicou o CDC.

O vírus pode causar febre, erupção cutânea, dor e conjuntivite, sintomas que duram geralmente uma semana. Mas em mulheres grávidas, pode atingir o feto e causar malformação congênita ou a morte.

Leia também:
Bebê nasce com 283 gramas e sobrevive
Cuba e Venezuela fecham acordo militar com Rússia

No Brasil, foram registrados mais de 3.500 casos de microcefalia entre outubro de 2015 e janeiro deste ano, em linha com a propagação do vírus zika.

A análise de quatro destes casos indica que os bebês foram infectados com zika enquanto estavam no útero, e que o vírus atingiu seus cérebros. Dois deles terminaram em abortos espontâneos e os outros dois bebês morreram logo após o nascimento.

“As quatro mães relataram ter febre e erupção cutânea durante a gravidez, manifestações correspondentes com o vírus zika”, informou o CDC.

“Análises feitas na sequência genética mostraram que o vírus, em todos os quatro casos, era igual à cepa do vírus zika que circula no Brasil”, acrescentou.

Até que haja um maior conhecimento sobre o nível de propagação do vírus, o CDC recomenda precauções especiais para mulheres grávidas ou que estão perto de ganhar um bebê.

 
Matérias Relacionadas