Vírus do PCC – uma pandemia de mentiras e enganações

Por James Gorrie

A União Europeia, os Estados Unidos e a China são os maiores parceiros comerciais do mundo. E, no entanto, evidentemente, a China não conta com a confiança de nenhum de seus parceiros comerciais no Grupo dos 7 países (G7) para ser incluída em discussões críticas dedicadas à coordenação de esforços para combater a pandemia.

O mundo não pode confiar na China

As nações do G7 são um grupo diverso, que inclui Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Grã-Bretanha, Estados Unidos e União Europeia. Alienar todos eles de uma só vez no meio de uma pandemia global exige algum foco e determinação sérios.

E, no entanto, a China possui essa conquista duvidosa. Sua exclusão deste prestigiado grupo de nações é séria e reveladora. Ninguém no mundo confia neles. E também não se trata de orientação política – o Reino Unido está até coordenando com Cuba um navio de cruzeiro atingido pelo vírus do PCC, conhecido como o novo coronavírus.

O Epoch Times refere-se ao novo coronavírus como o vírus do PCC, porque o encobrimento e a má administração do Partido Comunista Chinês (PCC) permitiram que o vírus se espalhasse por toda a China e criasse uma pandemia global. O vírus começou na China no ano passado antes de se espalhar pelo mundo.

Mas como é possível que a China fique de fora das nações mais avançadas do mundo trabalhando juntas? Não parece lógico que, dada a experiência influente da China com o surto, ela seja um parceiro essencial no combate a ele? Por que a China não estaria na vanguarda desse grupo?

E, no entanto, a China não estava apenas ausente da reunião, até onde se sabe, nem foi mencionada. Uma exclusão tão abrangente fala por si só sobre as nações do G7 ou sobre a China. Infelizmente, o regime chinês não é de confiança de ninguém no mundo, muito menos do seu próprio povo. Seu comportamento não ajudou muito sua causa no mundo, nem no mundo, na pandemia atual.

China coloca o mundo inteiro em risco

Como fonte e propulsora da pior pandemia global em um século, a China tinha um imperativo moral de agir de forma responsável e adequada. Tais ações incluiriam a liderança chinesa informando seus cidadãos e outros 6 bilhões, imediatamente e consistentemente sobre o que sabia e aprendeu sobre o vírus desde o início.

Se isso tivesse acontecido, ela poderia ter salvado as vítimas em todo o mundo de muito sofrimento e miséria. Mas ocorreu exatamente o contrário. Ela reteve informações e enganou o mundo. O regime chinês possuía muitos desses dados nos primeiros dias do ano novo, muito antes da epidemia se tornar uma pandemia.

As informações que a China sabia e aprendeu antes de mais ninguém sobre os sintomas, transmissão e vida útil do vírus, técnicas de contenção e tratamento, bem como outros dados empíricos, foram suprimidas ou destruídas por um período de várias semanas, até dois meses ou mais, com o único objetivo de preservar a ilusão de competência do PCC. Enquanto isso, milhares de pessoas na China morreram.

Obviamente, se essas informações tivessem sido disponibilizadas, teria sido muito útil para o resto do mundo na preparação para o que estava por vir.

Em vez disso, o mundo todo recebeu da China negações e garantias falsas. Enquanto isso, quando as autoridades chinesas não estavam arrastando pessoas de suas casas por suspeita de terem sido expostas ao vírus, estavam prendendo milhares de outras pessoas em suas próprias casas, fechando as portas à força.

Mas a culpa do PCC vai muito além disso. A liderança do PCC não apenas permitiu que o vírus se espalhasse domesticamente. Suas ações – ou inações – permitiram voluntariamente que o vírus de Wuhan se espalhasse para o mundo inteiro. Não há outra maneira de expressar esse fato, exceto dizê-lo assim.

Os fatos são claros. Enquanto o vírus estava se espalhando por toda a província de Wuhan e Hubei, os trabalhadores infectados estavam saindo da cidade para suas aldeias de origem a centenas de quilômetros de distância em outras partes do país para o feriado do Ano Novo Lunar.

Mas outros cidadãos chineses infectados, incluindo turistas, trabalhadores e empresários, ainda estavam voando livremente da China para cidades e países ao redor do mundo. O regime chinês sabia exatamente o que estava acontecendo nas fases iniciais do vírus e sabia dos riscos aos quais eles estavam sujeitando o resto do mundo, e, no entanto, permitiram que isso acontecesse.

Como resultado, trabalhadores, engenheiros, estudantes e empresários infectados voaram da China para os países com os mais profundos laços econômicos, como o Irã e a Itália. E esses países, infelizmente, foram os mais atingidos pelo vírus do PCC fora da China.

Mas pessoas também viajaram para a Alemanha, França, Reino Unido e Estados Unidos, sem nenhuma palavra ou aviso. A liderança do PCC, no entanto, viu livre para prender seus próprios médicos e profissionais de saúde que ousaram falar a verdade sobre o que estava infectando e matando seus concidadãos aos milhares todos os dias.

Esses são os meios pelos quais um grande país e uma grande potência criam e ampliam a desconfiança aos olhos do mundo e entre seus parceiros comerciais mais próximos. E, sem dúvida, é o mesmo meio pelo qual um governo se diminui aos olhos de seu próprio povo.

O PCC é o vírus mais mortal

O problema, é claro, não é o próprio povo chinês, mas os que governam o país com um nível sem precedentes de controle e brutalidade. Ainda hoje, não é evidente que a China esteja vencendo sua batalha contra o vírus do PCC.

Além do mais, o comportamento do PCC faz com que haja ceticismo em relação às alegações de que a China já passou pelo pior. Se tais afirmações fossem verdadeiras, ele certamente não expulsaria jornalistas ocidentais do país. Isso leva a crer que é mais provável que o Partido tenha mudado a maneira como denuncia, ou altera os números.

Esse é o procedimento operacional padrão para o PCC. A realidade é que o PCC não dá a mínima para o resto do mundo – décadas de comércio, investimento e modernização não significam um dia de confiança.

Se o mundo não sabia disso antes, agora sabe .

James Gorrie é escritor e palestrante no sul da Califórnia. Ele é o autor de “A crise da China”.

As opiniões expressas neste artigo são de opinião do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas