A virtude de um imperador gerou prosperidade para uma nação

De acordo com registros históricos, o Imperador Taizu da Dinastia Song governou com grande virtude e deixou uma sólida fundação de prosperidade.

I. Autorreflexão e correção de seus próprios erros

De acordo com a História de Song, o Imperador Taizu da Dinastia Song visitou o Jardim Yujin em fevereiro de 961 a.C. O imperador disse ao seu servo: “Extravagâncias durante um banquete não são boas etiquetas. Arrependo-me de ter ficado embriagado em tais eventos.”

Em setembro de 975 a.C., o Imperador Taizu saiu à caça nos subúrbios. Seu cavalo tropeçou e jogou-o ao chão. Num ataque de raiva, Taizu puxou sua faca e abateu o cavalo.

Ele arrependeu-se imediatamente e disse: “Eu sou o senhor da nação e foi minha a decisão de vir caçar. Como posso culpar o cavalo pelo que aconteceu?” Depois disso, ele abdicou da caça para sempre.

Um subordinado notou certo dia que o imperador parecia perturbado depois de uma sessão da corte, e comentou isso com o ele. O imperador respondeu: “Pensas que é fácil ser imperador? Esta manhã tomei uma decisão terrível. É por isso que agora estou aborrecido.”

Sendo um homem virtuoso, Taizu refletia sobre as suas decisões e admitia seus erros.

Leia também:
Construir virtude é a chave para o sucesso
Histórias da antiga China: Implementando a lei com bondade
Ações bondosas podem gerar recompensas imediatas

II. Proibindo a pesca e a caça durante a primavera e o verão

De acordo com a História de Song, o Imperador Taizu baniu a pesca e a caça de aves durante os meses de primavera e verão, para permitir que os animais se reproduzissem e crescessem. Ele era contra qualquer pesca ou caça que pudesse danificar a natureza.

III. Pedindo conselho dos oficiais

Em fevereiro de 962 a.C., o Imperador Taizu pediu que todos os oficiais discutissem abertamente e sem reservas os prós e contras das políticas do seu governo. Assim como todos os imperadores de grande virtude, ele agradecia os conselhos e permitia que seus funcionários mantivessem discussões abertas e sem rodeios.

IV: Preces por chuva foram atendidas

Em abril de 962 a.C., a seca afetava muitos estados. Por causa deste desastre, Taizu ordenou a redução de suas refeições e pediu aos seus servos para deixarem de tocar música para ele. O imperador visitou o Templo Taiqin e Xianggo várias vezes para rezar por chuva. Ele também enviou oficiais para ajudar quando ocorriam desastres nestes estados e reduziu as penas de prisões para os condenados. Depois de suas ordens compassivas, começou a chover na área da capital.

Ocorreu outra seca em 963 a.C. Taizu então visitou cada templo da capital para rezar por chuva. Começou a chover nessa mesma noite. Durante a seca em abril de 970 a.C., as suas preces nos templos funcionaram novamente.

V. Distribuindo roupas aos empobrecidos

Em maio de 972 a.C., Taizu distribui roupas aos pobres da capital.

VI. Respeito pelos Budas

Taizu baniu a destruição das estátuas de Buda de bronze em julho 972 a.C.

VII. Isenção de imposto sobre o chá

Taizu ordenou que o chá de Hunan ficasse isento de impostos em abril de 963 a.C. Em junho, ele cancelou um projeto de construção e distribuiu roupas e sapatos aos trabalhadores.

VIII. Comentários da história oficial sobre Taizu

Na História de Song está resumida a virtude de Taizu, de acordo com os seguintes registros históricos.

Taizu acreditava no mandato dos céus. Certa vez, os oficiais demonstraram estarem preocupados com a sua segurança quando Taizu decidiu sair do palácio em trajes comuns. Taizu disse: “A subida de um imperador ao poder é determinada pelos céus. O Imperador Shizong da Dinastia Zhou matou todos os seus generais que tinham rosto quadrado e orelhas grandes (imagem típica de um imperador). Eu estava sempre ao pé dele, mas ele não me matou.”

Taizu também disse: “Deixem-nos fazer o que querem [me matar ou me destronar]. Se for o destino de alguém fazê-lo, não há como evitá-lo.”

Qian Chu, o Rei de Wu-Ye (localizado onde hoje é a província de Jiangsu e Zhejiang), foi visitar o Imperador Taizu. Todos os oficiais abaixo do nível de ministro sugeriram prender Qian e confiscar a sua terra. Taizu ignorou-os e permitiu que Qian retornasse à sua casa.

Entretanto, Taizu selou todas as sugestões dos seus oficiais num envelope, as deu a Qian e disse-lhe que abrisse o envelope quando estivesse a meio caminho de casa. Qian Chu abriu o envelope, como instruído, e deparou-se com todas sugestões para detê-lo. Ele ficou tocado pelo caráter de Taizu, mas as sugestões no envelope o assustaram.

Depois disso, o território a sul do Rio Yangtze ficou pacífico. Qian, posteriormente, suplicou para que seu território fosse entregue ao regime de Song.

Liu Chang, o Rei do Sul de Han (onde são hoje as províncias de Guangdong, Guanxi e Hainan), matou muitos dos seus oficiais lhes servindo vinho envenenado. Depois de se render ao regime de Song, ele acompanhou Taizu numa visita a Wuchi. Taizu serviu-lhe um copo com vinho nas suas viagens.

Liu recusou em lágrimas: “Eu sei que os meus crimes estão para além do perdão. Se o imperador pudesse poupar a minha vida, eu estaria disposto a abdicar de todos os meus cargos. Eu não me atrevo a beber o vinho.” Taizu disse com um sorriso: “Estou tratando-lhe honestamente. Porque eu o enganaria?”, depois, pegou o copo de vinho e bebeu.

As histórias acima pertencem à História de Song e retratam um herói confiante com um grande coração.

 
Matérias Relacionadas