Virologista belga descobre como “multiplicar infinitamente” testes da Covid-19

Por EFE

Bruxelas, 18 mar – O virologista Benoit Muylkens, da Universidade de Namur, na Bélgica, descobriu uma maneira de “multiplicar infinitamente” os testes para detectar a Covid-19 que podem ajudar a acelerar esse processo, informou nesta quarta-feira o jornal belga “Le Soir”.

Para conseguir isso, Muylkens usa uma técnica de extração de ácido ribonucleico (RNA) derivada da química básica e publicada pela primeira vez em 1987.

“É um protocolo muito simples que exige muito tempo e mão de obra; no entanto, pode ser duplicado até o infinito, em qualquer lugar do mundo, desde que haja pesquisadores, especialistas e produtos básicos suficientes”, explicou o pesquisador ao “Le Soir”.

Assim, para revelar a presença do coronavírus em um organismo, os cientistas precisariam apenas de um exaustor específico, uma centrífuga de quatro graus e o reagente tiocianato de guanidina-fenol-clorofórmio, fabricado na Bélgica e disponível em grandes quantidades.

“Com esses elementos, podemos identificar o elemento-chave do vírus, podemos procurar RNA viral, transformá-lo em DNA e amplificá-lo”, explicou Muylkens.

Na última segunda-feira, o virologista já obteve algumas amostras para testar a técnica graças à colaboração do Hospital Mont-Godinne (Namur) e, ontem, a Agência Federal de Medicamentos e Produtos de Saúde da Bélgica (FAMHP, sigla em inglês) validou oficialmente o uso deste protocolo para detectar a doença no país.

Nesse mesmo dia, a Universidade de Namur realizou 200 testes, e espera-se que até o final da semana cerca de 480 testes sejam realizados diariamente.

Muylkens disse que compartilhará sua técnica e a disponibilizará “para laboratórios em todo o mundo”.

“O conceito é bastante simples, mas requer coordenação entre laboratórios, força de vontade, solidariedade entre pesquisadores, mãos e coragem para alcançar o objetivo em conjunto”, afirmou o virologista.

 
Matérias Relacionadas