Violações da China ao espaço aéreo de Taiwan estão testando a resposta dos EUA em meio à pandemia

A violação do esquadrão aéreo integrado segue outra provocação que começou às 11 horas da manhã de 31 de março

Por Chriss Street

As recentes violações do espaço aéreo de Taiwan por caças, bombardeiros e aeronaves de reconhecimento chinesas estão testando a capacidade dos EUA de responder com recursos por estarem afetados pela pandemia do vírus do PCC.

O Ministério da Defesa Nacional de Taiwan (MND) informou em 10 de abril que “vários” caças J-11 chineses, bombardeiros H-6, comando KJ-500 e aeronaves de alerta precoce violaram o espaço aéreo ocidental de Taiwan no Mar da China Meridional, antes de virar o sul para violar o espaço aéreo das Filipinas e Taiwan sobre o canal Bashi.

A violação do esquadrão aéreo integrado segue outra provocação que começou às 11 horas da manhã de 31 de março, quando dois caças J-11 da Força Aérea do Exército de Libertação Popular da China (PLAAF) cruzaram a chamada linha mediana do Estreito de Taiwan.

Tais provocações por parte de ambas as nações foram comuns na década de 1990, antes que um acordo tácito fosse estabelecido para reduzir as tensões, impedindo que seus navios a atravessassem. Mas o impasse de dez minutos com os caças F-16 de Taiwan foi a primeira brecha na linha mediana em mais de uma década, de acordo com Bonnie Glaser, diretora do China Power Project no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em Washington.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan foi ao Twitter para enfatizar a seriedade militar da força aérea chinesa que cruzava a linha mediana: “Foi uma ação intencional, imprudente e provocativa. Informamos os parceiros regionais e condenamos a #China por esse comportamento”.

O regime chinês considera auto-governada Taiwan como seu próprio território e não renunciou ao uso da força para controlar a ilha, apesar de possuir uma constituição própria, governo, moeda e forças armadas democraticamente eleitos.

Um artigo publicado pelo Epoch Times em 30 de março intitulado “China aumenta as provocações do mar do Sul da China enquanto os  EUA batalham contra o vírus do PCC” destacou que a retirada em 24 de março da força-tarefa do porta-aviões USS Theodore Roosevelt para patrulhar o Mar da China Meridional ameaçou perturbar o equilíbrio de poder na região. O porta-aviões foi imobilizado depois que três marinheiros deram positivo para o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), vulgarmente conhecido como o novo coronavírus. Mais de 500 tripulantes estão infectados desde 11 de abril.

O único outro porta-aviões americano no Pacífico ocidental que poderia intervir como restrição contra provocações ou hostilidades chinesas é o USS Ronald Reagan, ancorado em Yokosuka, no Japão. Mas o Reagan e sua base também estão em uma quarentena de duas semanas devido a um número desconhecido de marinheiros que estão infectados com o vírus do PCC.

Com praticamente nenhuma eficácia de combate para seus principais ativos de dominação do cenário, a Marinha dos EUA em 27 de março enviou o destróier de mísseis guiados da classe Arleigh Burke, USS McCampbell, em um “trânsito de rotina no Estreito de Taiwan” em águas internacionais, segundo o tenente Anthony Junco, porta-voz para a 7ª frota dos EUA. Junco acrescentou que o exercício demonstra o ” compromisso com um Indo-Pacífico livre e aberto”.

O Departamento de Defesa dos EUA aumentou drasticamente os voos militares em torno de Taiwan desde que os porta-aviões dos EUA foram retirados da região. Exemplos de voos divulgados incluem uma aeronave de reconhecimento EP-3E ARIES II em 25 de março; um bombardeiro B-52 Stratofortress e um navio-tanque KC-135 em 26 de março, e outro voo bombardeiro B-52 em 27 de março.

O Taiwan News informou em 11 de abril que duas aeronaves de reconhecimento RC-135U da American Combat deixaram seus transponders civis enquanto voavam pelo menos seis missões sobre o Mar da China Meridional na última semana. O Combat Sent é implantado para localizar e identificar sinais de radares terrestres, navais e aéreos militares estrangeiros.

Um especialista em defesa de Taiwan sugeriu que os aviões de guerra dos EUA podem ter ativado intencionalmente os transponders para que pudessem ser apanhados por rastreadores de movimento aéreo. Essa medida reafirmaria claramente que os Estados Unidos estão monitorando de perto a situação na região e estão preparados para responder, apesar da pandemia do vírus do PCC.

 
Matérias Relacionadas