Vice-reitor de universidade diz ‘nunca mais’ ao Instituto Confúcio

Por Victoria Kelly-Clark

ADELAIDE, Austrália – Ao assumir o cargo de vice-reitor na Universidade de Adelaide, o Prof. Peter Høj, ex-vice-reitor da Universidade de Queensland (UQ), disse que a decisão de permitir que a China forneça financiamento de cursos por meio do Instituto Confúcio da UQ foi uma “coisa estúpida de se fazer” e nunca deveria ter acontecido.

“Quando você dirige uma universidade, muitas coisas acontecem em uma instituição com 6.000 pessoas, a maioria das quais são pensadores independentes. Assim que ficamos sabendo disso, dissemos: nunca mais”, disse Høj ao The Australian.

Ele acrescentou: “Foi uma coisa estúpida de se fazer”.

Ele também negou que o Instituto Confúcio tenha estado envolvido na formulação dos cursos da UQ.

Os comentários de Høj vêm depois de mais de um ano enfrentando extensas críticas por seus laços e da UQ com o regime chinês, que surgiram quando a universidade tentou expulsar um estudante, Drew Pavlou, por liderar uma manifestação pacífica em apoio à liberdade em Hong Kong.

Pavlou foi atacado na manifestação por partidários pró-Partido Comunista Chinês (PCC) depois que o Consulado Geral Xu Jie em Brisbane, que também trabalhava como professor adjunto na UQ, classificou o comício como uma atividade separatista anti-China.

O incidente gerou a atual investigação sobre os riscos de segurança nacional que afetam o setor universitário australiano. O parlamentar federal Bob Katter, que foi fundamental no lançamento do inquérito, disse ao Epoch Times em agosto do ano passado que uma investigação era necessária porque ditaduras comunistas estrangeiras estavam influenciando as universidades australianas e sua liderança.

Também houve apelos para que a UQ perdesse seu financiamento federal.

O senador de Queensland, Malcolm Roberts, disse  que a UQ precisava “lembrar de onde vem a maior parte do seu financiamento” e que precisava “garantir ao contribuinte australiano que é uma universidade australiana” e não “um agente estrangeiro do partido comunista”.

Høj afirmou que, embora as universidades australianas anteriormente se envolvessem com a China para garantir sua sobrevivência financeira, elas terão de abordar seus negócios com a China de forma diferente agora, porque o mundo mudou muito rapidamente.

“Geopoliticamente, o mundo mudou. Nosso relacionamento com a China é visto por uma lente diferente que revela que queremos nos engajar, mas não podemos comprometer nossos valores”, disse ele.

A proximidade de Høj com a China continua sendo um ponto de preocupação para alguns acadêmicos, mesmo depois de seus comentários reflexivos.

Geoff Wade, um acadêmico da Australian National University e um apoiador da China, escreveu no Twitter que Høj tem fortes laços com Pequim e observou que recebeu “um prêmio de prestígio” em reconhecimento por sua contribuição para a Rede global do Instituto Confúcio.

PCC compromete a liberdade acadêmica

Em uma submissão recente (pdf) a um inquérito parlamentar sobre os riscos de segurança nacional que afetam o ensino superior e o setor de pesquisa, a Human Rights Watch (HRW) observou que faculdades e universidades em todo o mundo com laços com o regime chinês ou com grandes populações de estudantes da China, sofrem ameaças à liberdade acadêmica de forma sistemática.

“A Human Rights Watch encontrou várias ameaças à liberdade acadêmica resultantes da pressão do governo chinês. As autoridades chinesas monitoram e conduzem há muito tempo estudantes e acadêmicos da China e aqueles que estudam a China em campus ao redor do mundo”, disse o documento.

Além disso, a apresentação dizia que muitos acadêmicos expressaram desconforto ao HRW sobre a presença dos Institutos Confúcio em seus campus.

“Eles disseram que a presença de tais instituições comprometeu fundamentalmente o compromisso de sua instituição com a liberdade acadêmica, especialmente quando os Institutos Confúcio foram convidados aos seus campus sem ampla consulta ao corpo docente.

“Em 2019, a Victoria University em Melbourne cancelou a exibição de um documentário crítico dos Institutos Confúcio depois que o Instituto Confúcio da universidade reclamou”, dizia a apresentação.

HRW também observou que poucas instituições acadêmicas se moveram para proteger a liberdade acadêmica em seus campus em torno das questões de longa data de proibição de vistos para acadêmicos que trabalham na China, vigilância chinesa, espionagem e censura acadêmica.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas