Verdade-Compaixão-Tolerância é o que eu tenho procurado

Daquele momento em diante, minha vida mudou para sempre, foi como alcançar o ponto mais alto da exploração espiritual

Por Minghui.org

O meu primeiro encontro com o Falun Dafa foi aos 31 anos de idade em 2012. Em um sonho lúcido vi o Mestre Li Hongzhi (o fundador do Falun Dafa), e essa experiência deixou uma forte impressão em minha mente.

No sonho, vi um grupo de discípulos em torno de um mestre asiático, ouvindo seus ensinamentos. Eu olhei para eles porque eu não sabia se poderia ser um deles. No entanto, o mestre se virou e olhou para mim com compaixão, e percebi que eu também podia ouvir seus ensinamentos.

Foi após alguns anos, quando li o Zhuan Falun, o principal livro do Falun Dafa, que entendi o que vi em meu sonho.

O Mestre Li disse:

“Hoje, tornamos público este método de gong tão bom. Eu o ofereço a você com minhas próprias mãos e o levo até a porta de sua casa. Porém depende de você poder cultivar ou não, poder obtê-lo ou não. Se você é capaz, então continue e cultive. Se não é capaz, se não pode cultivar, então, de agora em diante, não pense mais em cultivar. Com exceção desses demônios que o enganam, não há mais ninguém que possa lhe ensinar. Não lhe será possível cultivar no futuro. Se eu não puder salvá-lo, ninguém mais poderá fazê-lo.”(Zhuan Falun)

Mudando da grande cidade para as montanhas antes de aprender o Dafa

Quando eu tinha 19 anos, decidi mudar de minha cidade natal em Córdoba para a capital, Buenos Aires. Eu queria contar histórias. Então eu escolhi estudar produção de filmes, e minha vida ficou cheia de todos os tipos de estímulos, incluindo álcool e atividades noturnas.

Em minha carreira como cineasta, dirigi um curta-metragem de 35 mm e fui convidado para um importante festival de cinema em Hollywood em 2003. Esse festival de cinema era conhecido como o prelúdio do Oscar. Havia fortes sinais de que eu ganharia o festival. Mas algo aconteceu no último minuto, e o vencedor foi outra pessoa.

Baseado nos ensinamentos do Falun Dafa, eu agora entendo que tudo na vida é por uma razão, e as coisas que parecem ruins podem acabar sendo boas. Ninguém pode pegar o que lhe pertence, então eu posso esquecer as injustiças, ressentimentos e constrangimentos que eu encontrei.

No entanto, na época, fiquei muito desapontado e com inveja, então deixei tudo e me mudei para a antiga casa ribeirinha de meus pais nas montanhas de Córdoba. Lembrei-me de ter tido um tempo agradável lá durante a minha infância. No entanto, a situação com a casa não era tão boa quanto eu esperava: o ambiente era muito ruim, e não havia portas, eletricidade ou até mesmo banheiros.

Eu comecei a viver como um hippie. Eu não tomava banho ou me importava com minha aparência. Uma vez, fiquei dois meses sem tomar banho e só nadei no rio. Eu comecei a sentir uma loucura crescendo em meu coração. Eu realmente pensei que estava vivendo o roteiro de uma outra pessoa…

Vivendo sozinho nas montanhas, gradualmente percebi que havia começado um caminho de exploração espiritual. Eu me livrei do meu desejo por uma vida superficial na cidade e tentei me encontrar na solidão.

No entanto, encontrar o caminho certo não foi fácil. Eu estava constantemente procurando e experimentando diferentes religiões e crenças. Então, conheci a minha atual esposa. Na verdade, sua amiga me deu uma cópia do Zhuan Falun. Quando li o Zhuan Falun, imediatamente entendi tudo o que vi no meu sonho e decidi terminar minhas explorações.

Imediatamente parei as minhas outras formas de prática, incluindo o budismo, o xamanismo e o pensamento de me tornar um monge católico. Daquele momento em diante, minha vida mudou para sempre. Foi como alcançar o ponto mais alto da exploração espiritual.

Esse caminho acabara de começar. Olhando para trás, eu entendo que é preciso um longo processo para assimilar completamente o Dafa, mas esse caminho trará grande felicidade e alegria.

Ricardo Juri lê o Zhuan Falun

No script do Mestre

Eu sinto que minha vida sempre foi relacionada a filmes e histórias. Sinto que tudo o que experimentei na minha vida abriu o caminho para eu aceitar o Dafa mais facilmente. A razão pela qual eu compartilho isso é que tenho esse sentimento em minha vida, em um sonho claro, na minha vida em Buenos Aires, na viagem a Hollywood, etc… Eu sempre fiz parte do roteiro do Mestre.

Quando descobri os ensinamentos da Verdade-Compaixão-Tolerância, senti que a vida não estava mais vazia, que eu não estava mais sozinho. Eu senti uma espécie de calor. A minha visão da vida parecia mais pura e clara.

Melhorando após a conferência do Fa e melhorando meu caráter

O arranjo para cada praticante é diferente, e há razões profundas por trás disso. Cada detalhe, momento, mudança e cada passo do cultivo é incrível, e tudo acontece em um momento e lugar exatos.

Desde que participei do Fahui, em Buenos Aires, em 2016, fiz grandes progressos em minha prática. Eu passei a entender a importância do estudo em grupo e de seguir a coordenação.

Em minha viagem a esta conferência, um colega praticante apontou que o Falun Dafa nos ensina a importância de retornar à tradição e ao verdadeiro eu. Quando praticamos no mundo secular, precisamos nos adaptar a ele. Isso faz parte do altruísmo e do desapego do eu.

Ricardo Juri (primeiro à direita) em um evento do Falun Dafa de 2017

Quando voltei do Fahui em Buenos Aires, fiquei inspirado por outros praticantes e decidi aumentar meu tempo de estudo do Fa, fortalecer meus pensamentos retos e passar mais tempo conversando com outros sobre o Dafa. Eu também iniciei um local de exercício na cidade ao lado da minha casa, onde mais pessoas vieram para aprender a prática e meditar.

Eu também comecei a entender a importância da minha aparência. Anteriormente, eu estava relutante em cortar o cabelo e fui para a conferência local do Fa com cabelo comprido e bagunçado. Em Buenos Aires, ninguém me disse nada, pois talvez quisessem entender o novo praticante. Mas depois percebi que eles não publicaram nenhuma foto que incluísse a mim, incluindo uma foto de grupo de todos os praticantes.

Ricardo Juri antes de praticar o Falun Dafa

Após a conferência de compartilhamento de experiências, o meu estado de cultivo melhorou e decidi mudar minha imagem. Raspei minha barba, cortei meu cabelo e comecei a usar roupas normais.

Pessoas que me conhecem hoje não podem acreditar em minhas mudanças.

“Oh! Você é como uma nova pessoa”, disse a prima da minha esposa.

“Ei, o Ricardo tomou um banho!” disse um dos filhos do meu amigo.

Todos acham que eu pareço melhor, e alguns dizem que eu estou mais jovem. Eles também estão mais dispostos a me ouvir. Alguém me disse: “A maneira como você fala mudou. Soa melhor”.

As pessoas mudaram sua impressão porque o Dafa me purificou, meus pensamentos e minha personalidade. É surpreendente como as mudanças internas são refletidas externamente. Quando me sinto mais alegre e converso com as pessoas, o meu verdadeiro eu emerge.

Aprendendo a importância da coordenação

Com a ajuda do Dafa, passei a entender o mundo como uma ótima escola que pode treinar pessoas. Para fazer isso, todos os praticantes devem coordenar uns com os outros. O Mestre nos deixou um exemplo, uma estrutura que nos permite apoiar uns aos outros. Não resta muito tempo e precisamos ser mais diligentes agora.

No entanto, para entender essa urgência, devo eliminar muitos apegos. É difícil eliminar apegos, mas nos liberta de maneira indescritível e imediatamente torna nosso pensamento mais claro.

O Shen Yun recentemente se apresentou no meu país. Eu fui para a capital, Buenos Aires, para ajudar. Lá, passei muito tempo com outros colegas e aprendi muito com a experiência e o compartilhamento. Eu fiz grandes esforços. Quando cooperamos nesse projeto solene, pude sentir o tremendo poder e energia dos praticantes do Dafa como um todo. Eu até notei que minhas palavras estavam mais acessíveis às pessoas.

A performance do Shen Yun foi bem-sucedida este ano. Mas sem uma boa coordenação, isso não teria sido possível. Com os esforços conjuntos de todos os colegas praticantes, o processo foi como uma lição intensiva.

Mas também pude sentir a inveja de um colega praticante pelo principal coordenador local do Shen Yun. Esse praticante até mesmo atraiu muitos colegas praticantes para se afastarem do verdadeiro cultivo. Ele tentou unir aqueles com outras opiniões contra o coordenador principal – não de maneira direta, mas astuciosamente, mesmo que não o fizesse conscientemente.

Algumas coisas me entristeceram, mas senti que o encontro com essa pessoa foi um momento crucial e um teste em minha vida. Por ler o Zhuan Falun com frequência, podia ser forte, era capaz de distinguir entre o certo e o errado e não o segui em seus caminhos. Percebi que, para passar no teste mais difícil, devemos ser preenchidos com o Fa o máximo possível. Aprender o Fa e a coordenação do aprendizado são as chaves para ser mais diligente em nossa prática.

Conectando-se ao mundo exterior

Por onze anos, tentei sem sucesso conectar minha casa nas montanhas à Internet. Antes de praticar o Dafa, sempre quis assistir a filmes e por aí vai. Mas morando nas montanhas, sem telefone, me disseram constantemente que era impossível se conectar à Internet.

Há alguns meses, um praticante local me convidou para participar de um projeto de mídia que exigia uma conexão com a Internet. Eu hesitei em concordar no começo porque não conseguia me conectar. Então, entendi que o Mestre agora me ajudaria a me conectar com os outros pela internet, a fim de trabalhar no projeto do Dafa, não porque eu quero assistir a filmes. Eu aceitei o trabalho.

Inacreditavelmente, surgiu uma solução e, dentro de alguns meses, eu estava online e fiz um vídeo e filme para o projeto de mídia para falantes de espanhol em todo o mundo. A produção foi muito bem-sucedida. É preciso um esforço imenso para aumentar a conscientização sobre a terrível perseguição aos praticantes do Falun Dafa na China desde 1999. Isso mostra que quanto mais nos equiparamos à Verdade-Compaixão-Tolerância, mais ajuda e oportunidade obteremos, contanto que tenhamos o desejo de salvar as pessoas.

Hoje, minha esposa e eu vivemos felizes juntos no coração da Argentina, na pitoresca cidade de Valle Hermoso, na província de Córdoba. Através da conexão com a internet, posso estabelecer laços mais estreitos com outros praticantes. Para estudar o Fa com colegas praticantes em Córdoba, a 80 quilômetros de distância, eu viajo muito. Isso não é fácil, mas o esforço sempre afeta positivamente meu cultivo. Eu fico muito feliz em compartilhar minhas experiências, ouvir as experiências de meus colegas praticantes e como eles superam suas dificuldades guiados pelo Dafa.

Eu constantemente me esforço para encontrar um equilíbrio entre a sociedade, a vida familiar e o cultivo. Eu experimentei muitas mudanças positivas no processo. Hoje, aproveito todas as oportunidades para informar as pessoas sobre o Dafa e a perseguição. Embora eu tenha sido muito relutante em usar as mídias sociais, decidi abandonar essa relutância por causa da perseguição ao Falun Dafa, porque isso deveria ser usado em nosso benefício para esclarecer os fatos on-line. A minha esposa testemunhou todas as mudanças no meu corpo e mente. Ela apoia minha prática e às vezes até estuda e faz os exercícios comigo. Eu acredito que ela também irá cultivar seriamente no futuro.

Não foi até que o Falun Dafa entrou em minha vida que encontrei estabilidade e ferramentas específicas para me aperfeiçoar. Eu sempre tento encontrar o momento certo, as palavras certas para dizer às pessoas. Quanto mais eu pratico, menos eu luto, e as oportunidades mais prováveis de me comunicar naturalmente surgirão.

Guiando pessoal com padrões morais

Cercado de fontes naturais e rios límpidos, abri um pequeno hotel na casa da colina. Juntamente com a minha esposa, acolhemos calorosamente os hóspedes em volta da fogueira e temos passeios agradáveis pelas montanhas de Córdoba. Desde que comecei a praticar o Falun Dafa, notei uma mudança profunda em meu relacionamento com nossos hóspedes.

Por exemplo, nos últimos cinco anos, estabelecemos uma relação próxima com a “La Casita de la Nona”, que abriga crianças de famílias carentes. Nos últimos cinco anos, as crianças de Buenos Aires tem vindo à nossa pousada em outubro para aproveitar o verão.

Ensinando as crianças a praticar o Falun Dafa

Dois anos atrás, decidi ensinar o Falun Dafa para as crianças. Elas estão muito entusiasmadas! Nona (“avó” em italiano), a guardiã da Casa da Avó disse que isso as tranquiliza e incentivou-me a continuar ensinando o Falun Dafa as crianças.

Ao lado da fogueira, contei a história de um tolo e uma pessoa inteligente. Todas as crianças pensavam que a pessoa esperta era a vencedora, mas eu disse que o oposto era verdadeiro. Expliquei-lhes que o idiota estava ganhando virtude e que a pessoa inteligente estava perdendo isso. Descobri que este era o caminho para ensinar-lhes a importância do carma e davirtude para que pudessem seguir os princípios em suas vidas diárias.

Por que viemos a este mundo?

Hoje, não pretendo fazer filmes por fama ou reconhecimento. Agora eu ajudo os outros a encontrar o caminho e salvar as pessoas. Estamos aqui para o Dafa. Todos os caminhos dos praticantes, não importa quão grande ou pequeno, são sempre cuidados e guiados pelo Mestre. Nós só precisamos confiar no Mestre e fazer o máximo que pudermos. Mesmo que a felicidade seja redefinida, começamos a aproveitar a vida de diferentes ângulos. Uma vez que nos assimilamos ao Dafa, tudo na vida é para a Verdade-Compaixão-Tolerância, e podemos encontrar o real propósito de hoje nos tornarmos um ser humano.

Que afortunado eu sou por ter obtido o Fa durante o período de retificação do Fa! Obrigado de todo coração meu Shifu!

 
Matérias Relacionadas