Venezuela: um país que já está maduro

É um ato criminoso rejeitar a intervenção humanitária com base no princípio da responsabilidade de proteger. Na Venezuela, inúmeros lados interferiram: Cuba, Rússia, Irã, os chefes colombianos do ELN e os terroristas do Hezbollah inseridos pela conexão de Tareck El Aissami. Os únicos que têm cada vez menos voz na Venezuela são os próprios venezuelanos

Por Cartas ao Editor

Nicolás Maduro chegou a um ponto sem retorno, assim como a crise na Venezuela.

A história começou há muitos anos, talvez quando o jovem sindicalista recebeu formação política em Cuba, ou durante as sombrias intrigas que cercaram a morte de Hugo Chávez, que catapultou Maduro para a cadeira presidencial pelo mesmo método usado pelos monarcas medievais e por Fidel e Raúl Castro: o rei que sai nomeia seu sucessor.

O enorme capital político que Chávez obteve ratificou o poder de Maduro nas primeiras eleições depois de Chávez; mas a derrota nas eleições legislativas o fez vacilar: ele se deu conta de que nunca mais ganharia uma eleição democrática. Assim, ele substituiu os juízes da Suprema Corte que não o apoiavam, e em seguida começou a minar a Assembleia Nacional, declarando-a em desacato ao tribunal e criando uma falsa Assembleia Nacional Constituinte (ANC) para suplantar seus legítimos deveres enquanto perseguia cruelmente os políticos rivais, armava grupos de milicianos para aumentar suas forças repressivas e criminalizava os protestos pacíficos de estudantes e cidadãos. Os mortos estavam sempre entre aqueles que eram do povo.

Mais tarde, Maduro usou seu absolutismo monárquico contra os seis ramos do Estado venezuelano (executivo, judiciário, eleitoral, militar e midiático, além da ANC, o novo ramo legislativo que ele criou) para preparar-se para as eleições de 20 de maio de 2018, para as quais os principais rivais estavam mortos, presos, privados de seus direitos ou expulsos de cargos públicos. Foi como correr os 100 metros nos Jogos Olímpicos depois de eliminar o resto dos competidores, matando uns, desqualificando outros, acusando outros de doping, etc., subornando os juízes e a imprensa, e então escolhendo uma pessoa com deficiência física como adversário para que a competição fosse válida. Como ele poderia perder?

Os opositores e muitos países o advertiram de que não reconheceriam os resultados, mas Maduro zombou deles, até que viu que eles estavam falando sério. Cerca de 50 nações já não o reconhecem como presidente.

Enquanto isso, ele ignorou as sérias dificuldades econômicas causadas ao povo devido à sua incompetência e à destruição do sistema produtivo através das políticas de nacionalização herdadas de Chávez, a corrupção e o roubo de fundos públicos, a queda dos preços do petróleo e importantes despesas da classe político-militar organizada por Havana.

Para terminar de vender sua alma ao diabo, ele proibiu a entrada da ajuda humanitária sob pretextos grosseiros, intensificou a repressão ao cometer crimes contra a humanidade e multiplicou o terrorismo de Estado privando os legisladores de sua imunidade e torturando os militares que deixaram de apoiá-lo. Com essas ações, ele destruiu toda a esperança de uma possível solução pacífica para o conflito.

É ridículo falar de diálogo nessas condições. É um ato criminoso rejeitar a intervenção humanitária com base no princípio da responsabilidade de proteger. Na Venezuela, inúmeros lados interferiram: Cuba, Rússia, Irã, os chefes colombianos do ELN e os terroristas do Hezbollah inseridos pela conexão de Tareck El Aissami. Os únicos que têm cada vez menos voz na Venezuela são os próprios venezuelanos: calcula-se que entre 3 e 4 milhões tenham emigrado.

O governo tem do seu lado a corrupção; o contrabando de ouro, moeda e drogas; e a promoção da violência e repressão. Isso contrasta com uma população cada vez mais pobre, com escassez não apenas de alimentos, remédios e bens de consumo (afetados pela inflação irrefreável), mas também com o colapso da infraestrutura e dos serviços de fornecimento de água, eletricidade e saúde pública.

Maduro acha que ele ainda governa, mas ele não pode. Mais de 80% da população acredita que ele deve ir embora, a maioria dos partidários de Chávez o acusam de trair Chávez, parentes de vítimas pedem justiça, cinquenta nações o ignoram e até mesmo seus aliados lhe negam crédito. Sua paranoia é justificada; muitos dos oficiais superiores do exército o deixaram e seus colaboradores mais próximos conspiram pelas suas costas. Cada dia que passa a vida dele corre perigo e a janela para escapar começa a fechar. A inteligência cubana já entendeu que eles não podem salvar Maduro, mas sonham em salvar a Revolução Bolivariana. Certamente eles já têm planos de colocar no poder alguém em quem confiam… só que não se chama Maduro.

Roberto Camba Baldomar

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Epoch Times

 
Matérias Relacionadas