Veneno de abelha mata células de câncer de mama em laboratório, afirma ‘emocionante’ estudo

"Compreender a base molecular e a singularidade do veneno de abelha contra as células cancerosas é a chave para desenvolver e otimizar novas terapias eficazes"

Por Louise Bevan

Uma equipe de cientistas australianos conduziu um trabalho de laboratório usando veneno de abelha com resultados encorajadores; eles descobriram que o veneno tem a capacidade de interromper o crescimento de células agressivas do câncer de mama.

A Dra. Ciara Duffy, líder do estudo e pesquisadora PhD no Instituto Harry Perkins de Pesquisa Médica na Austrália Ocidental, disse à BBC que os 312 extratos de veneno coletados eram “extremamente potentes”. Uma amostra destruiu suas células cancerosas-alvo em apenas 60 minutos.

O estudo, publicado em 1º de setembro na revista “NPJ Precision Oncology”, focou em duas cepas agressivas e difíceis de tratar de câncer de mama: triplo negativo e enriquecido com HER2. Esses cânceres são geralmente tratados com cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

“Comecei coletando o veneno da abelha melífera de Perth”, explicou Duffy ao Medical Xpress. “As abelhas de Perth são algumas das mais saudáveis ​​do mundo”.

“As abelhas foram colocadas para dormir com dióxido de carbono e mantidas no gelo”, continuou ele, “antes que a farpa do veneno fosse removida do abdômen da abelha e o veneno removido por uma dissecção cuidadosa”.

Imagem ilustrativa (PollyDot / Pixabay)
Imagem ilustrativa (PollyDot / Pixabay)

Enquanto o veneno de abelhas europeias na Austrália, Irlanda e Inglaterra causou rompimento quase idêntico das células cancerosas, o veneno da abelha foi “incapaz de induzir a morte celular”, mesmo quando usado em altas concentrações.

O composto ativo melitina do veneno de abelha – a principal substância causadora de dor – também conseguiu interromper o crescimento das células cancerosas quando usado isoladamente – sem danificar as células circundantes. A equipe de Duffy descobriu que a melitina produzida sinteticamente foi capaz de replicar a maioria dos poderosos efeitos anticâncer do veneno de abelha.

A equipe de pesquisa expressou seu entusiasmo coletivo, mas esclareceu que mais evidências são necessárias para descobrir se o composto pode ser produzido como uma droga para pacientes humanos.

Em 2 de setembro, o cientista-chefe da Austrália Ocidental, o professor Peter Klinken, chamou as descobertas da equipe de pesquisa de “incrivelmente empolgantes”.

“Significativamente, este estudo demonstra como a melitina interfere nas vias de comunicação dentro das células do câncer de mama para reduzir a replicação celular”, explicou ele à mídia britânica. “Ele fornece outro exemplo maravilhoso de onde compostos da natureza podem ser usados ​​para tratar doenças humanas”.

O professor adjunto Alex Swarbrick, do Garvan Institute for Medical Research em Sydney, concordou com o entusiasmo de Klinken e compartilhou algumas reservas sobre as perspectivas de desenvolver um medicamento para humanos.

“Muitos compostos podem matar uma célula cancerosa em placa de petri ou em um rato”, disse ele. “Mas há um longo caminho a percorrer desde essas descobertas até algo que pode mudar a prática clínica.”

(Fabio_Grandis / Pixabay)
(Fabio_Grandis / Pixabay)

O veneno da abelha melífera tem sido usado na medicina há milhares de anos e até mesmo em estudos anteriores sobre câncer. A melitina já é conhecida por ter a capacidade de reduzir tumores no melanoma, glioblastoma e leucemia, bem como cânceres de ovário, colo uterino e pâncreas. Os cânceres de mama agressivos permanecem um território relativamente desconhecido.

Além do câncer de pele, o câncer de mama é o câncer mais diagnosticado entre as mulheres nos Estados Unidos, de acordo com Breastcancer.org. Cerca de 1 em cada 8 mulheres, ou 12% da população feminina, desenvolverá câncer de mama durante sua vida.

Duffy continua otimista sobre a possibilidade de usar o veneno de abelha na batalha contra o câncer de mama e concorda que mais pesquisas são essenciais. “Compreender a base molecular e a singularidade do veneno de abelha contra as células cancerosas é a chave para desenvolver e otimizar novas terapias eficazes”, escreveu ele nos resultados do estudo.

A beleza do veneno de abelha, Duffy explicou, é que ele “está amplamente disponível” como um produto natural e “é lucrativo de ser produzido em muitas comunidades ao redor do mundo”.

Adoraríamos ouvir suas histórias! Você pode compartilhá-los conosco em emg.inspired@epochtimes.nyc

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas