Venda de ouro ilegal venezuelano pode ser “fundamental” para sobrevivência de Maduro

Por Luke Taylor, Especial para o The Epoch Times

BOGOTÁ, Colômbia – Enquanto a receita do petróleo para a Venezuela continua estagnada, o regime de Maduro confia mais do que nunca no ouro ilegal explorado em florestas sem lei no sul do país, de acordo com um relatório recente e especialistas no assunto.

O cobiçado mineral está sendo exportado através de uma elaborada rede global da nação atingida pela crise para a Europa, Oriente Médio e Estados Unidos, onde sua origem não é identificável, revelou um projeto de investigação criado por cinco meios de comunicação em cinco países.

O relatório “A Venezuela, o Paraíso dos Contrabandistas” detalha como o ouro é transportado de minas na Venezuela comandadas por gangues armadas no “arco de mineração” rico em minerais do país, sob o comando da Guarda Nacional Venezuelana, contrabandeado através da porosa fronteira venezuelana-colombiana por migrantes desesperados que fugiam do país, depois enviados para os Estados Unidos e a Suíça sob documentos falsos. Em seguida, é vendido para algumas das maiores refinarias dos países e pode acabar nos produtos das maiores empresas do mundo, como a Apple ou a IBM.

Os Estados Unidos estão trabalhando em sanções para combater o comércio, já que os bilhões gerados pelo império do ouro ilegal agora se tornaram tão valiosos para corromper as elites venezuelanas que o líder do regime Nicolás Maduro pode não ser capaz de sobreviver sem ele, disse Douglas Farah, presidente da IBI Consultants e também pesquisador do tema, ao Epoch Times .

Escondendo a origem

Maduro legalizou a exploração, anteriormente proibida, da região do Orinoco, em 2016, para compensar a diminuição das receitas do petróleo. O movimento conseguiu gerar novos fundos para o regime, uma vez que as autoridades tributam os que participam dos negócios ilícitos, mas também existe violência, enquanto diferentes grupos armados guerreiam pelo controle de minas e rotas de tráfico cada vez mais valiosas.

O ouro é ostensivamente vendido por pequenos grupos para o Estado, mas na realidade, a maioria é contrabandeada a pé, ou em barcos, carros e pequenos aviões para obter melhor valor no exterior.

Depois de passar por postos de controle militar e de guerrilha, o ouro atinge a fronteira colombiana, onde é escondido por migrantes desesperados ou permitido a passagem por funcionários que foram comprados. Ele é então comprado por uma das centenas de vendedores de ouro no agitado centro fronteiriço de Cúcuta, na Colômbia, enviado para as principais cidades do país, onde documentos falsos são criados, rotulando o ouro colombiano e vendendo-o em Miami – e de lá para algumas das maiores refinarias dos Estados Unidos.

Uma segunda rota chave envolve as ilhas do Caribe holandês de Aruba e Curaçao, próximos da Venezuela.

As entrevistas do relatório com autoridades alfandegárias e do governo, traficantes de ouro e ex-autoridades do governo venezuelano destacaram o papel central das ilhas, cujos controles frouxos permitem que a origem do ouro seja eliminada antes de serem enviadas aos mercados globais.

Chegando diretamente via pequenos aviões da Venezuela, as barras de ouro passam pelas ilhas “em trânsito” e são enviadas por aeronaves particulares, ou em alguns casos comerciais, para a Europa, o Oriente Médio e os Estados Unidos.

Fontes do governo admitem que pelo menos 90% do ouro que passaram pelas ilhas nos últimos anos é venezuelano, de acordo com o relatório, que diz que 160 toneladas (176 toneladas) de ouro venezuelano passaram pelas ilhas desde 2014.

“As quantidades de ouro que foram transportadas pelo Caribe holandês são impressionantes e definitivamente mais altas do que esperávamos”, disse Bram Ebus, um dos jornalistas que liderou a investigação.

Salva-vidas de Maduro?

O comércio cresceu tanto que agora é crítico para a sobrevivência de Nicolás Maduro, diz Farah.

Sob Maduro, a economia do país despencou, e muitos bens básicos tornaram-se amplamente indisponíveis ou inacessíveis devido à hiperinflação desenfreada. Pelo menos quatro milhões de pessoas fugiram, segundo a Agência dos Refugiados das Nações Unidas.

“Nosso trabalho mostra que o ouro é agora mais importante do que o comércio de drogas para a sobrevivência do regime de Maduro”, disse Farah. “A lavagem de produtos ilícitos e a capacidade de transportar ouro extraído ilegalmente para o mercado mundial são fundamentais para a sobrevivência de Maduro. Sem os recursos para pagar a liderança militar e manter uma classe empresarial privilegiada, o regime cairia.”

Um vasto contingente de centenas de milhares de garimpeiros ilegais para extrair os produtos e um mercado amplo e lucrativo, no qual o produto não é rastreável, tornou o produto mais valioso para Maduro do que a cocaína.

Os Estados Unidos estão trabalhando em sanções para combater o comércio ilegal, mas o bloqueio de rotas oficiais pode levar a prática à clandestinidade, beneficiando as gangues armadas que lucram com isso, como os guerrilheiros do ELN da Colômbia, que estão se expandindo rapidamente no país.

“Com um produto que é extraído ilegalmente, mas não ilegal para vender no mercado mundial, é muito difícil encontrar maneiras de cortar o fluxo”, disse Farah. “Não é como lidar com uma substância como a cocaína que é definida universalmente como ilegal”.

 
Matérias Relacionadas