Vaticano avalia acordo com China diante de preocupação com apoio ao sistema comunista

Acordo entre a Santa Sé e China permite ao regime chinês nomear os bispos da China e dá ao papa apenas poder de veto

Por Ella Kieetlinska

O Vaticano está em processo de renovação do acordo assinado há dois anos com o Partido Comunista Chinês (PCC), no qual reconhece os bispos indicados pelo PCC como legítimos, porém o acordo encorajou o regime a perseguir mais católicos que antes.

O acordo entre a Santa Sé e China, que expira em outubro, permite ao regime chinês nomear os bispos da China e dá ao papa apenas poder de veto.

“Nos dois anos desde que o acordo do Vaticano com a China comunista foi implementado, católicos e cristãos sofreram mais perseguição do que nunca”, disse James Bascom, diretor assistente do escritório de Washington da Sociedade de Defesa Católica Americana de Tradição, Família e Propriedade, em entrevista ao Epoch Times.

O Vaticano esperava que a reaproximação com regimes comunistas como a União Soviética e Cuba, ocorrida em meados do século 20, teria levado a “maior liberdade religiosa para os católicos nesses países”, disse Bascom no programa Crossroads do Epoch Times.

No entanto, tal avanço nas relações nos últimos 60 anos levou a “um maior controle, uma maior perseguição aos católicos e aos cristãos nesses países”, explicou.

O Partido Comunista Chinês não apenas demole santuários católicos, mas força “as imagens de Mao Tse Tung a estarem dentro das igrejas católicas”, acrescentou.

O regime chinês instalou câmeras de vigilância em igrejas católicas para monitorar quem comparece, disse ele. Além disso, os chineses com menos de 18 anos estão proibidos de entrar nas igrejas, de ser batizados ou de receber sacramentos, acrescentou.

O fundador da organização Bascom, o Professor Plinio Corrêa de Oliveira, escreveu em 1963 um livro intitulado “A Igreja e o Estado Comunista. A coexistência impossível”.

“Um regime comunista concede apenas uma liberdade religiosa limitada a um grupo religioso”, escreveu Oliveira para dar uma aparência de liberdade que faz os anticomunistas baixarem a guarda e permitir que o regime se infiltre, penetre e assuma o controle da religião até finalmente destruí-la, de acordo com Bascom.

Isso foi visto na China. Durante a Guerra Fria também aconteceu na Hungria e em Cuba. Também foi tentado na Polônia e no Vietnã, acrescentou.

O cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, criticou o acordo com a China desde o início, chamando-o de “traição”.

Em setembro, Zen, de 88 anos, viajou ao Vaticano na esperança de se encontrar com o pontífice para atualizá-lo sobre a situação em Hong Kong e na Igreja Católica na China, informou o Daily Compass.

“A ideia de chegar a acordos com Pequim é louca. É como tentar fazer um acordo com o diabo”, disse Zen ao Daily Compass sobre o acordo entre o Vaticano e a China.

O Zen não conseguiu garantir uma audiência com o Papa Francisco e teve que retornar após quatro dias, informou o Daily Compass.

Cristãos devotos participam de uma missa na Catedral Sul de Pequim em 22 de setembro de 2018. O Vaticano anunciou em 22 de setembro um acordo que o Papa Francisco reconheceu sete bispos nomeados pelo regime comunista da China (NICOLAS ASFOURI / AFP via Getty Images)
Cristãos devotos participam de uma missa na Catedral Sul de Pequim em 22 de setembro de 2018. O Vaticano anunciou em 22 de setembro um acordo que o Papa Francisco reconheceu sete bispos nomeados pelo regime comunista da China (NICOLAS ASFOURI / AFP via Getty Images)

A política do Papa Francisco é “muito semelhante ao que a maioria de seus antecessores fizeram, remontando ao Papa João XXIII”, que iniciou o Concílio Vaticano II em 1962, disse Bascom.

Os papas do passado, do século 19 ao Concílio Vaticano II, consideravam o comunismo ateu, materialista e darwiniano, e acreditavam que seu objetivo final era a derrubada da civilização e de todas as religiões, disse ele. Era considerada “uma religião totalitária e política”.

O comunismo buscou “controle total da sociedade” e a “demolição e reconstrução do homem em uma imagem completamente nova, como o homem soviético. Por isso, foi visto pela Igreja Católica como uma ameaça à civilização e condenou-a veementemente”.

Durante o Concílio Vaticano II, isso se tornou “uma questão candente”, acrescentou. Os participantes queriam que o Papa Paulo VI, que liderou o Concílio após a morte do Papa João XXIII, condenasse o comunismo porque ele busca destruir a família tradicional, o casamento tradicional, as tradições da sociedade e abolir a propriedade privada.

Bascom explicou que, de acordo com o Manifesto Comunista de Karl Marx, “o comunismo pode ser reduzido a uma única frase, a abolição da propriedade privada”, mas os Dez Mandamentos sustentam a propriedade privada.

“Os católicos sempre estiveram na linha de frente da resistência ao comunismo, onde quer que se espalhe, seja na Polônia, ou na Hungria, ou na China, Vietnã, Cuba”, disse Bascom, “e é por isso que os próprios comunistas sempre buscaram neutralizar essa ameaça fazendo acordos com líderes católicos, alguns dos quais, infelizmente, têm sido mais suaves e maleáveis.”

O Concílio Vaticano II foi criado para se dirigir ao mundo moderno. Ele se concluiu em 1965 e reformou a Igreja Católica, mas não condenou o comunismo.

Com informações de Joshua Philipp.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas