Varíola do macaco pode ser a base para que a OMS assuma novos poderes

Enquanto isso, a ONU considera expandir os poderes da OMS

Por Joshua Philipp 

Análise de notícias

A Organização Mundial da Saúde (OMS) está respondendo a uma série de surtos de varíola do macaco, e convocará uma reunião de emergência sobre o vírus e sua disseminação global.

Em termos de poder governamental, o momento desse surto não poderia ser melhor para a OMS – que em breve poderá receber poderes para gerenciar leis sobre surtos de saúde global e que está estranhamente bem posicionada para um surto de varíola após uma recente “simulação de germes” e incidentes recentes ligados a personalidades como o bilionário da Microsoft, Bill Gates.

O New York Post declarou: “A Organização Mundial da Saúde está convocando uma reunião de emergência sobre a alarmante disseminação da varíola em todo o mundo – incluindo um possível caso em Nova Iorque”. O Telegraph informa que a autoridade da saúde das Nações Unidas reunirá “um grupo de especialistas líderes” na reunião, que se acredita estar focada em como o vírus está, repentinamente, se espalhando tão amplamente. Também supostamente investigará a prevalência do vírus entre homens homossexuais e a “situação da vacinação”.

O número de infecções não é alto. Em 23 de maio, a Universidade de Oxford e a Harvard Medical School registraram 245 casos confirmados ou suspeitos em todo o mundo. Sajid Javid, secretário de saúde do Reino Unido, escreveu no Twitter: “A maioria dos casos é leve…”

Uma mulher é vista andando de bicicleta na Praça Navona completamente vazia em Roma, em 13 de março de 2020. As ruas da cidade estavam estranhamente silenciosas no segundo dia de fechamento nacional de escolas, lojas e outros locais públicos (Marco Di Lauro/Getty Images)
Uma mulher é vista andando de bicicleta na Praça Navona completamente vazia em Roma, em 13 de março de 2020. As ruas da cidade estavam estranhamente silenciosas no segundo dia de fechamento nacional de escolas, lojas e outros locais públicos (Marco Di Lauro/Getty Images)

O momento de tudo isso é importante. Ele dá à OMS a chance de mostrar seu valor, já que está em processo de tentar obter novos e poderes expansivos – sob a bandeira de governar emergências de saúde global.

As Nações Unidas estão considerando várias emendas à OMS em sua 75ª Assembleia Mundial da Saúde em Genebra, que podem dar ao seu diretor-geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus, a autoridade unilateral para declarar uma emergência de saúde pública com poderes de longo alcance sobre as leis de soberania das nações.

Isso não apenas daria a Tedros a capacidade de declarar uma emergência de saúde pública em qualquer nação que ele quisesse – usando qualquer evidência que ele quisesse – mas também permitiria que ele ditasse políticas que o país alvo deveria adotar para responder à emergência declarada da ONU. Se um país recusar, uma emenda proposta pode dar à OMS a capacidade de sancionar esse país.

Se você está se perguntando se dar tais poderes a uma agência da ONU que não conseguiu demonstrar sua independência do Partido Comunista Chinês (PCCh) poderia ir contra a lei dos EUA, parece que o presidente Joe Biden tem a resposta. O governo Biden não apenas está permitindo essa mudança de poder para a OMS, mas também está ajudando a promovê-la.

Os Estados Unidos propuseram emendas à OMS em janeiro, que serão consideradas na reunião da ONU em Genebra, como informou o Epoch Times. Estes incluíam uma emenda que permitiria à OMS fazer declarações públicas sobre uma crise de saúde sem a necessidade de consultar o país-alvo e sem a necessidade de obter verificação de autoridades locais. As propostas do governo Biden também dariam US $2,47 bilhões em financiamento aos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) para coisas como “melhorias nos programas domésticos de vigilância sentinela”, “investimentos em abordagens globais de vigilância genômica” e outros sistemas.

Como relata o Epoch Times, “plataformas de vigilância respiratória incluem câmeras de vídeo e gravadores que alertam as autoridades quando membros do público são vistos tossindo ou agindo de uma maneira que pode indicar a presença de uma doença infecciosa ou ajudar a espalhar uma já presente em uma população. Esse equipamento é amplamente utilizado na China”.

Se a varíola do macaco representa ou não uma grande ameaça à saúde pública, ela certamente representa uma séria ameaça à liberdade pública. O vírus poderia agir como um cavalo de Tróia, carregando dentro de si todas as justificativas para conceder à OMS o sonho de um ditador de poder global e dar ao CDC um sistema de vigilância além de qualquer coisa que Orwell pudesse ter concebido.

Em circunstâncias normais, a varíola do macaco não seria um grande risco viral. O CDC afirma que pode ser transmitida de humano para humano principalmente por gotículas respiratórias que normalmente não viajam mais do que alguns metros e, portanto, observa que “é necessário um contato pessoal prolongado”.

Até Biden está voltando atrás em suas declarações de que as pessoas devem se preocupar com a varíola do macaco e está esclarecendo que não é uma ameaça tão séria como a COVID-19.

Independentemente de sua incapacidade de se espalhar amplamente em circunstâncias normais, uma discussão global sobre vacinas contra varíola começou em 2021, depois que Gates alertou sobre um ataque bioterrorista de varíola como uma possível próxima pandemia. Ele pediu aos líderes mundiais que realizem “simulação de germes” e dêem à OMS novos poderes – semelhantes aos que eles podem receber em breve – sob uma nova “Força-Tarefa Pandêmica” da OMS.

Gates também pediu sistemas de vigilância pandêmica, que parecem assustadoramente semelhantes ao que o governo Biden apresentou em suas propostas de emendas para os novos poderes da OMS.

“Vai levar provavelmente cerca de US $1 bilhão por ano para uma força-tarefa pandêmica no nível da OMS, que está fazendo a vigilância e realmente fazendo o que chamo de ‘simulação de germes’ onde você pratica”. Gates disse em 2021, informou a Sky News. “Você diz, OK, e se um bioterrorista trouxe varíola para 10 aeroportos? Você sabe, como o mundo responderia a isso?”

Embora a menção da varíola por Gates fosse menor, ela supostamente foi usada para justificar novas discussões sobre uma vacina contra a varíola que também poderia tratar a varíola do macaco. Apenas alguns dias depois, em 8 de novembro de 2021, a Precision Vaccinations relatou: “Alerta de Gates motiva discussões sobre a vacina contra a varíola”.

As “discussões” em questão eram sobre uma vacina Jynneos contra varíola e varíola do macaco–aprovada em 2019. A Precision Vaccinations observou que é “a única vacina contra varíola não replicante aprovada pela FDA e a única vacina contra varíola do macaco aprovada pela FDA para uso não militar”.

O movimento dentro do CDC começou alguns dias antes, em 3 de novembro de 2021. Ele diz que “o Comitê Consultivo de Práticas de Imunização do CDC revisou as duas apresentações focadas na vacina Jynneos contra a varíola”.

E então, apenas alguns dias depois, ocorreu algo ainda mais estranho – realizando a ideia de uma “simulação de germes” semelhante ao que Gates propôs.

Bill Gates no Palácio do Eliseu para encontrar o presidente francês para falar sobre a Fundação Bill & Melinda Gates (BMGF), em Paris, em 16 de abril de 2018 (Frederic Legrand—COMEO/Shutterstock)
Bill Gates no Palácio do Eliseu para encontrar o presidente francês para falar sobre a Fundação Bill & Melinda Gates (BMGF), em Paris, em 16 de abril de 2018 (Frederic Legrand—COMEO/Shutterstock)

A Iniciativa de Ameaça Nuclear (NTI) fez parceria com a Conferência de Segurança de Munique para imaginar um cenário de pandemia com varíola. Seguindo o aviso hipotético de Gates, a simulação imaginou uma cepa de varíola do macaco, liberada por meio de um ataque bioterrorista, que havia sido alterada para ser resistente a vacinas.

Em 23 de novembro de 2021, a NTI publicou seus resultados da simulação, que mostrou a propagação do vírus ao longo de 18 meses.

“Ao final do exercício, a pandemia fictícia resultou em mais de 3 bilhões de casos e 270 milhões de mortes em todo o mundo”, afirma.

Em um incrível ato de previsão, o exercício do ano passado imaginou que a varíola do macaco apareceria quase exatamente quando apareceu: em meados de maio deste ano.

A NTI também publicou um relatório detalhado sobre seus resultados. Segundo uma linha do tempo na página 12 do relatório, imaginava-se que em maio de 2022, o surto inicial de varíola do macaco infectaria 1.421 pessoas e mataria quatro pessoas. Em janeiro de 2023, ela se espalharia para 83 países, infectaria 70 milhões e mataria 1,3 milhão. Nesse ponto, seria descoberto que a varíola dos macacos foi projetada para ser resistente a vacinas, e os desafios nas redes de fornecimento teriam uma resposta mais difícil.

Após um ano, em 10 de maio de 2023, foi previsto infectar 480 milhões de pessoas e matar 27 milhões, e seria revelado que um ataque bioterrorista a um biolaboratório civil havia sido a origem. Então, em 1º de dezembro de 2023, estima-se que o vírus infectará 3,2 bilhões de pessoas e matará 271 milhões.

Claro, a ressalva importante com suas estimativas é que a cepa de varíola que eles imaginaram foi projetada para ser resistente a vacinas. Preciso ou não, o exercício dá às autoridades um cenário preditivo para justificar as políticas de “resposta à pandemia”. E já vimos isso acontecer antes.

Frascos de vacina contra varíola em um balcão em uma instalação de vacinação em Altamonte Springs, Flórida, em 16 de dezembro de 2002 (Chris Livingston/Getty Images)
Frascos de vacina contra varíola em um balcão em uma instalação de vacinação em Altamonte Springs, Flórida, em 16 de dezembro de 2002 (Chris Livingston/Getty Images)

Uma simulação muito semelhante foi realizada pouco antes do surto da COVID-19, com muitas das mesmas figuras envolvidas agora fazendo barulho sobre a varíola do macaco e uma nova “pandemia”.

A New York Magazine informou em fevereiro de 2020 que “dois meses antes do coronavírus que causa a COVID-19 surgir no centro da China, um grupo de especialistas em saúde pública se reuniu na cidade de Nova Iorque para uma simulação”. Ele também observou: “As características do vírus que atualmente causa estragos globais são notavelmente semelhantes às propostas na simulação, apelidada de ‘Evento 201’”.

Os parceiros do exercício incluíram o Fórum Econômico Mundial e a Fundação Bill & Melinda Gates.

Semelhante a “simulação de germes” antes do surto de varíola, a simulação do coronavírus antes do surto de coronavírus fez previsões de um cenário de fatalidade em massa. Estimou-se que 65 milhões de pessoas morreriam.

O Center for Health Security emitiu uma declaração sobre seu exercício de coronavírus em 24 de janeiro de 2020. Ele afirmou que não estava prevendo que a COVID-19 mataria 65 milhões de pessoas, pois o vírus simulado era diferente do vírus do PCC.

No entanto, o importante não era as especificidades da simulação, mas, em vez disso, como o jogo e seus participantes passaram a informar a política do governo.

E agora, com a varíola, chegamos a um impasse semelhante. Uma simulação imaginou o efeito potencial do vírus e produziu números inflacionados de mortes e infecções por uma versão imaginária da varíola do macaco como modelo, que era resistente a vacinas. Mais importante, isso também coincide com a comunidade internacional ponderando se a OMS deve receber poderes para governar emergências globais de saúde.

Entre as tendências da COVID-19 está que os governos agora podem estar mais inclinados a usar um vírus sazonal, já declarado como endêmico, para justificar uma emergência global indefinida. Além disso, pequenos surtos também podem ser usados ​​para justificar políticas profundamente autoritárias que não se limitam aos cuidados de saúde.

O pior exemplo disso é o PCCh, que usa infecções de um dígito para bloquear megacidades inteiras. E lembre-se que sob o governo Trump, a OMS mostrou ser incapaz de demonstrar sua independência do PCCh.

A resposta a emergências de saúde também não se limita apenas à medicina. O modelo da COVID-19 incluiu mudanças em massa nos sistemas eleitorais que minaram a integridade básica do governo eleito e censura generalizada sob a narrativa de combate à “desinformação”. Lembre que no início da pandemia, a OMS e várias agências da ONU declararam uma “infodemia” que exigia controles e censura de informações públicas.

No cenário do susto da varíola, o mundo está se preparando para entregar as chaves do reino à OMS. E com a estranha faixa de “simulação” e números exagerados pelos chamados especialistas puxando as cordas, as bases para essa aquisição pública já foram lançadas.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas