Variante delta da COVID-19 se espalha pela China, Pequim interrompe transporte intermunicipal

Por Nicole Hao

O regime comunista chinês relatou em 9 de agosto cerca de 94 infecções locais entre 125 novos casos de COVID-19 em 24 horas.

O surto atual na China é causado pela variante delta altamente contagiosa. As autoridades disseram que a infecção desta variante se espalhou primeiro entre os trabalhadores do aeroporto da cidade de Nanjing , no leste da China, e desde então se espalhou por todo o país, com registros desde a província tropical de Hainan, no sul, até a Mongólia Interior, no extremo norte.

Pequim , a capital do país, que não relatou nenhum novo contágio local por dois dias, anunciou em 8 de agosto que os viajantes de regiões infectadas com o vírus do PCC relatado nas últimas duas semanas não teriam permissão para entrar na cidade. O vírus do PCC causa a doença COVID-19.

A capital cortou todos os serviços de trem de passageiros para essas regiões e parou todos os ônibus de passageiros de outras cidades, exceto os da cidade vizinha de Tianjin e da província de Hebei.

A cidade de Ruili, na província de Yunnan, sudoeste da China, anunciou em 9 de agosto que todos os residentes do centro da cidade ficariam em quarentena em casa até 17 de agosto. As autoridades também proibiram a transferência de passageiros e caminhões devem mudar de motorista nos postos de controle para entrar ou sair. Com essas regras, os moradores não podem sair e pessoas de fora não podem entrar.

Uma criança recebe um teste de ácido nucléico para COVID-19 em Yangzhou, província de Jiangsu, leste da China, em 5 de agosto de 2021 (STR / AFP via Getty Images)

No domingo, a cidade de Nanjing, capital da província de Jiangsu e suposto marco zero do novo surto, anunciou aos residentes uma sexta rodada de testes massivos de COVID-19, enquanto a cidade vizinha de Yangzhou anunciou sua quinta rodada de testes em massa na segunda-feira .

Fora de controle

O regime comunista  anunciou na segunda-feira que 1,78 bilhão de doses de vacinas COVID-19 foram administradas, mas que isso não impedirá que as pessoas sejam infectadas com o vírus do PCC. Também anunciou novas infecções locais nas províncias de Henan, Jiangsu, Hunan e Hubei.

Em Zhengzhou, capital da província de Henan, no centro da China, afetada pelas enchentes, o governo da cidade anunciou no domingo que 116 residentes tinham testado positivo para COVID-19 desde que o surto atual foi detectado, em 30 de julho, e 40 deles foram diagnosticados no domingo. Como o regime não conta pacientes sem sintomas como infectados com COVID-19, outros 12 casos foram relatados separadamente como “portadores assintomáticos”.

O surto de Zhengzhou foi detectado pela primeira vez no Hospital No. 6 e o ​​governo da cidade alegou que estava “fora de controle” por causa da variante delta altamente contagiosa.

“Desinfetamos completamente o Hospital No. 6 mais de dez vezes [desde 31 de julho]”  , disseram as autoridades na segunda-feira.

“Um médico do Hospital No. 6 foi colocado em quarentena e testado oito vezes de 31 de julho a 6 de agosto. Os resultados das primeiras sete vezes foram negativos e da última vez foram positivos. Ele foi diagnosticado como um paciente COVID-19 [depois de apresentar os sintomas] em 7 de agosto ”  , explicaram as autoridades em relação ao teste em 7 de agosto.

Um menor é submetido a um teste de ácido nucléico para o coronavírus Covid-19 em uma academia da empresa em Wuhan, na província de Hubei, na China central (STR / AFP via Getty Images)

Na noite de 9 de agosto, o regime atualizou a lista de áreas afetadas pelo COVID-19 para incluir 15 regiões de “alto risco” e 201 regiões de “risco médio”.

Todos os residentes de regiões de alto risco não têm permissão para deixar suas casas e o regime os mantém em um bloqueio total. Moradores de regiões de médio risco não têm permissão para deixar seus conjuntos residenciais e são considerados em isolamento parcial.

As regiões classificadas como de “risco médio” cobrem a maior parte da China, desde o extremo norte da Mongólia Interior até a capital Pequim, passando por Jiangsu oriental, Shandong e Xangai, centro de Henan e Hubei e o sudoeste. Das províncias de Sichuan e Yunnan, centro-sul Hunan e o sudeste de Fujian.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 
Matérias Relacionadas