Vargas Llosa diz que possível triunfo da esquerda no Peru ‘Seria uma verdadeira catástrofe’

Por Pachi Valencia

O escritor peruano Mario Vargas Llosa advertiu que uma possível vitória do esquerdista Pedro Castillo seria uma “verdadeira catástrofe” para o Peru, e advertiu os peruanos a não sacrificarem sua liberdade por uma “falsa imagem de” renovação profunda “.

O Prêmio Nobel de Literatura explicou em detalhes as razões pelas quais ele decidiu apoiar Keiko Fujimori para a presidência do Peru, chamando-o de “mal menor” antes de Castillo, em uma coluna publicada pelo El País no domingo passado.

Vargas Llosa disse que leu as propostas de governo do Peru Libre (PL), o partido de esquerda radical com o qual Castillo está concorrendo, e ficou “alarmado” com suas ideias políticas.

“Tive a impressão – horrível, na verdade – de que o Peru voltaria e se identificaria com a Venezuela, ou Cuba, ou Nicarágua, e que essa escolha dos peruanos seria uma verdadeira catástrofe”, disse o escritor durante uma entrevista com RPP em 24 de abril.

“Para minha surpresa, inclinei-me para Keiko Fujimori porque representa a possibilidade de continuar com o sistema democrático que instalamos no Peru e que o país não vá à catástrofe da qual a Venezuela é o melhor exemplo”, acrescentou.

Durante décadas, o escritor foi um rival crítico do ex-presidente Alberto Fujimori, que o derrotou nas eleições peruanas de 1990, e manteve uma postura aberta de rejeição à proposta política de sua filha Keiko, que concorre pela terceira vez à presidência peruana.

“Caso Castillo ganhe o segundo turno, será uma verdadeira catástrofe para o Peru, com base em seus programas de governo e em suas ideias a esse respeito”, afirmou.

Vargas Llosa reconheceu que embora os peruanos estejam muito cansados ​​da corrupção e do descontentamento com as autoridades, seria “trágico” para os peruanos votarem pelo comunismo no país.

“Seria verdadeiramente trágico se esta explosão de indignação popular nos fizesse voltar à condição de Venezuela, Cuba ou Nicarágua – países que realmente alcançaram uma situação verdadeiramente crítica para aplicar ideias que infelizmente são de Castillo”, disse ele.

Da mesma forma, Vargas Llosa destacou que seu pronunciamento é “a favor da democracia e contra um sistema claramente totalitário”.

“Não se pode pedir a Castillo que volte às posições democráticas depois de se manifestar de maneira tão categórica a favor de um modelo de sociedade que nada tem a ver com democracia”, disse ele.

“O programa de governo dele é muito claro (…) Ele fez alguns ajustes, mas tudo está dentro do que é típico de um governo totalitário, de um governo não democrático”, acrescentou.

Nesse sentido, com um “modelo venezuelano ou cubano”, disse Vargas Llosa, não se poderia descartar a possibilidade de um golpe que “voltaria a mergulhar o país numa ditadura militar”.

Vargas Llosa reconheceu que as propostas radicais e opostas que Fujimori e Castillo representam colocam muitos peruanos “em uma situação extremamente difícil”, mas reiterou que o voto na filha do ex-presidente “garante melhor a sobrevivência” da democracia, algo que permanece ” completamente excluído ”com o candidato da extrema esquerda.

“Não vamos sacrificar a liberdade por uma falsa imagem do que pode ser uma renovação profunda da realidade peruana”, acrescentou.

Ele também alertou para a “delicada situação” em que um Peru “comunista, autoritário e totalitário” permaneceria na geopolítica da região, já que está limitado ao norte e ao sul pelo Chile e Equador “, duas nações que praticam políticas neoliberais. . ”

Da mesma forma, o escritor esclareceu que a liberdade de imprensa é um fator muito importante a se levar em conta para o segundo turno eleitoral.

“Com Castillo e [o fundador do partido PL] Cerrón, a liberdade de imprensa não está garantida. Ouvi o Sr. Cerrón explicar aos líderes de sua organização que Evo Morales ganhou as eleições, mas não chegou ao poder, que Rafael Correo venceu as eleições, mas não chegou ao poder. O que isso significa? ”Ele questionou.

Em seu plano de governo , o partido de esquerda menciona que “o socialismo não defende a liberdade de imprensa, mas sim uma imprensa comprometida com a educação e a coesão de seu povo”.

Essa agenda marxista-leninista declarada abertamente pela esquerda gerou críticas generalizadas contra Castillo.

De acordo com uma última pesquisa divulgada na última quinta-feira, a intenção de voto dos peruanos antes do segundo turno das eleições presidenciais de 6 de junho retrata a indecisão de 49% do eleitorado do país.

A pesquisa, realizada pela empresa Datum, indicou que, se as eleições fossem realizadas amanhã, 41% dos cidadãos disseram que votariam em Castillo e 26% em Fujimori.

Da mesma forma, o estudo revela que a principal razão pela qual alguns peruanos não votariam no candidato da esquerda radical (35 por cento) é porque ele é um “comunista” e por sua simpatia por Movadef, o braço político do grupo armado Sendero Luminoso.

Com informações da EFE.

Siga Pachi no Twitter: @pachivalencia

 
Matérias Relacionadas