Usuários do TikTok fornecem dados para agências de inteligência do PCCh, alertam especialistas cibernéticos

'TikTok é um malware do governo chinês disfarçado de aplicativo de mídia social', afirma especialista

Por Lorenzo Puertas 

Se você usa o TikTok, pode estar fornecendo informações aos serviços de inteligência do PCCh. Esse é um aviso do especialista em segurança cibernética Casey Fleming, CEO da empresa de consultoria estratégica BlackOps Partners.

Em um recente entrevista ao programa “Wide Angle” da Epoch TV, Fleming explicou os perigos representados por aplicativos de celular controlados por estrangeiros como o TikTok, que é de propriedade da gigante da internet ByteDance, com sede em Pequim.

“Devemos assumir”, declarou ele, “que cada um desses aplicativos vindos da China, Rússia e outros adversários declarados dos Estados Unidos – temos que assumir que esses aplicativos são armados contra nós”.

TikTok, o aplicativo de vídeo de formato curto extremamente popular que permite aos usuários criar, compartilhar e visualizar vídeos de 15 segundos, muitas vezes com canto, dança ou comédia, foi lançado na China como “Douyin” em setembro de 2016 e, em um ano, havia 100 milhões de usuários chineses.

O aplicativo foi relançado internacionalmente como TikTok em setembro de 2017. Atraindo dezenas de celebridades de primeira linha e parcerias com a NBA, NFL e Comedy Central, o TikTok rapidamente se tornou um dos aplicativos mais populares do mundo.

Em 2020, o TikTok registrou quase um bilhão de usuários ativos em todo o mundo – menos de quatro anos após seu lançamento.

Mas o TikTok pode ter um lado sombrio. O TikTok é uma empresa chinesa e todas as informações privadas que o aplicativo está coletando podem ser fornecidas diretamente ao regime chinês, alertaram especialistas, citando uma série de leis chinesas que obrigam as empresas a cooperar com as autoridades do regime quando solicitadas.

“Todos os seus dados nesse telefone”, relatou Fleming, “tudo o que você faz e tudo o que você armazena em seu telefone está sendo enviado para fora do país, possivelmente para ser usado contra você”.

“O Partido Comunista Chinês está coletando grandes quantidades de dados”, afirmou Fleming. “Pode não ser usado contra você hoje. Mas essas informações podem ser usadas contra você, sua empresa ou seu país no futuro”.

Pessoas passam pela sede da ByteDance, empresa controladora do aplicativo de compartilhamento de vídeo TikTok, em Pequim, no dia 16 de setembro de 2020 (Greg Baker/AFP via Getty Images)
Pessoas passam pela sede da ByteDance, empresa controladora do aplicativo de compartilhamento de vídeo TikTok, em Pequim, no dia 16 de setembro de 2020 (Greg Baker/AFP via Getty Images)

Regulamentação dos EUA 

A consciência dessa ameaça não é nova. Em agosto de 2020, o presidente Trump assinou uma ordem executiva para proibir todas as atividades do TikTok nos Estados Unidos em 45 dias se não fosse vendida por sua controladora chinesa ByteDance. Trump assinou uma ordem semelhante contra o aplicativo de mensagens WeChat, de propriedade chinesa.

Desde então, as ordens de Trump foram paralisadas por vários processos e ordens judiciais. E em junho de 2021, o governo Biden cancelou os pedidos, em vez disso, instruiu o Departamento de Comércio a avaliar a plataforma para determinar se ela representava um risco à segurança nacional.

Agora, o governo dos EUA parece estar tomando novas medidas para lidar com os riscos de segurança representados pelo TikTok e outros aplicativos estrangeiros, incluindo uma mudança de regra proposta para expandir a supervisão federal de aplicativos controlados por estrangeiros. Sob as novas regras propostas, o secretário de Comércio teria poderes para restringir o acesso dos americanos a aplicativos estrangeiros considerados ameaças à segurança.

Mas pode ser muito pouco, muito tarde, de acordo com alguns especialistas, incluindo Mark Grabowski, professor associado especializado em direito cibernético na Universidade Adelphi e autor do livro recém-publicado “Cyber ​​Law and Ethics”.

“É impressionante que tenha demorado tanto para o governo Biden concluir que o TikTok é uma ameaça à segurança nacional”, afirmou ele ao Epoch Times. “O presidente Trump tentou resolver esse problema, mas infelizmente Biden estava determinado a reverter imediatamente tudo o que Trump fez – fizesse sentido ou não”.

Para Grabowski, TikTok e outros aplicativos controlados por chineses representam um perigo imediato para a segurança nacional.

“O TikTok terá a mais bem-sucedida coleta de dados de americanos já feita por um adversário estrangeiro”, afirmou ele. “O TikTok é um malware do governo chinês disfarçado de aplicativo de mídia social”.

O logotipo do TikTok em um smartphone em Tóquio, no Japão, no dia 28 de setembro de 2020 (Kiichiro Sato/AP Photo)
O logotipo do TikTok em um smartphone em Tóquio, no Japão, no dia 28 de setembro de 2020 (Kiichiro Sato/AP Photo)

Preocupação crescente

Vários políticos americanos expressaram a mesma preocupação.

“O TikTok é de propriedade e operado por uma empresa chinesa e controlado pelo governo comunista chinês”, escreveu o senador Rick Scott (republicano da Flórida) em um tweet de setembro de 2021. “Os americanos não podem confiar e não devem usar produtos ou serviços controlados pela China comunista”.

O senador Josh Hawley (republicano do Missouri) foi ainda mais direto: “O TikTok é um aparelho de vigilância para Pequim”, afirmou ao Atlantic em 2020. “É um cavalo de Tróia nos telefones das pessoas”.

O perigo, explica Grabowski, vem da enorme quantidade de dados pessoais que o TikTok está coletando de cada usuário.

“Ele pode acessar sua câmera, microfone, fotos e vídeos salvos, contatos, localização GPS e provavelmente também seu histórico de navegação na web”, declarou ele. “O aplicativo coleta muito mais dados do que o necessário. Por exemplo, o TikTok faz rastreamento por GPS – mesmo que os vídeos do TikTok nunca mostrem nenhuma informação de localização”.

“Esses dados não são coletados apenas em seu telefone – são transmitidos aos proprietários do TikTok na China”, acrescentou Grabowski. “Todos os dados coletados pelo aplicativo são criptografados de uma forma que impossibilita saber exatamente o que está sendo enviado de volta à China”.

Em agosto de 2020, o Wall Street Journal informou que o TikTok rastreou dados de usuários do Android violando as políticas do Google. Em junho de 2021, o TikTok expandiu sua política de privacidade para que os usuários concordassem em compartilhar dados biométricos, incluindo reconhecimento facial e de voz. Em julho de 2021, uma investigação revelou que os funcionários da ByteDance possuem acesso direto aos dados dos usuários do TikTok dos EUA.

“Sabemos que a empresa controladora chinesa do TikTok possui acesso aos dados de todos os usuários americanos”, afirmou Grabowski, “e eles podem pesquisar esses dados por IDs específicos, locais e várias outras consultas”.

O TikTok afirmou repetidamente que não compartilha dados de usuários americanos com o regime chinês e que seus dados são mantidos em servidores nos Estados Unidos com servidores de backup em Singapura, não na China.

Mas Grabowski não está acreditando nisso. “Esses dados podem e serão compartilhados com o PCCh”, afirmou ele.

“Se o governo chinês disser a uma empresa chinesa para entregar seus dados, eles farão isso. A Lei Nacional de Inteligência da China exige que organizações e cidadãos chineses cooperem com o trabalho de inteligência do Estado.”

Controlando dados

Mas por que o PCCh deseja dados de telefones celulares americanos? O CEO da BlackOps, Fleming, afirma que é tudo uma questão de controle.

“A China é um estado totalitário, completamente controlado pelo PCCh”, relatou Fleming. “Se você é um cidadão chinês, seu governo comanda toda a sua vida. Mesmo quando você viaja para o exterior, você deve fazer o check-in e avisá-los quando estiver indo, para onde está indo e o que fará. E eles vão avisá-lo quando quiserem que você faça o check-in novamente e o que eles querem que você faça. Todo viajante chinês é considerado um ativo pelo PCCh”.

Com aplicativos chineses instalados em mais de um bilhão de telefones em todo o mundo, o PCCh pode ter efetivamente transformado usuários estrangeiros do TikTok em ativos de inteligência chineses inconscientes.

“Os dados são a chave para esse controle”, relatou Fleming.

Grabowski concordou, afirmando: “O governo chinês poderia utilizar o TikTok para espalhar propaganda para os americanos ou chantagear usuários que se arrependem do que postaram”. Os dados também podem ajudar o regime chinês a encontrar dissidentes, ativistas políticos e outros inimigos do PCCh, acrescentou.

“O governo chinês já usa essa informação para censurar vídeos de que não gostam”, declarou Grabowski. “Por exemplo, o TikTok censura regularmente vídeos que mencionam o massacre da Praça Tiananmen, a independência do Tibete ou o movimento Falun Gong”.

“As pessoas são extremamente ingênuas se acham que o TikTok está sendo legal”, afirmou Grabowski, “eles possuem um longo histórico de invasões de privacidade documentadas”.

Por exemplo, o TikTok pagou uma multa de US $5,7 milhões à Comissão de Comércio Federal dos EUA, em fevereiro de 2019, por coletar ilegalmente dados sobre crianças. Também resolveu uma ação coletiva pagando US $92 milhões em fevereiro de 2021. A ação alegou que a plataforma coletou e compartilhou informações pessoais sem o consentimento dos usuários.

O TikTok não retornou um pedido de comentário do Epoch Times.

Para Fleming, as apostas são altas: “Temos que entender, como nação livre, o que estamos enfrentando. Estamos enfrentando uma guerra mundial novamente. Uma aliança da China, Rússia, Irã e Coreia do Norte contra o mundo livre. Os americanos precisam se tornar mais conscientes”, afirmou ele, “e abrir os olhos para o que está acontecendo”.

“Temos que fazer todo o possível para proteger nossos dados e nossa propriedade intelectual. Não dê seus dados. Sempre desative-os. E tire os aplicativos chineses de seus telefones e computadores.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas