Urnas eletrônicas foram ‘feitas para serem manipuladas’, afirma testemunha na audiência eleitoral da Pensilvânia

Por Gary Du

Em uma audiência na Pensilvânia sobre as eleições, o coronel aposentado do Exército Phil Waldron disse que as urnas eletrônicas usadas nos Estados Unidos foram feitas para fraudar as eleições.

Waldron argumentou que até 1,2 milhão de votos poderiam ter sido adulterados na Pensilvânia e que uma análise especializada seria necessária para determinar o número exato.

“Os sistemas de votação nos EUA e na Pensilvânia foram fabricados para serem manipulados”, disse Phil Waldron, especialista em segurança cibernética com experiência em inteligência e guerra de informação por cerca de 30 anos, na audiência.

Waldron disse ao comitê que questionou pessoalmente o filho de um oficial de inteligência cubano a quem parentes de Hugo Chávez lhe disseram “para não se preocupar com a ameaça populista contra as eleições de Maduro na Venezuela” porque “estavam garantidas, seu pai investiu dinheiro para fazer o sistema de urna de votação SGO ”.

A advogada independente Sidney Powell disse à Fox News em 16 de novembro que a equipe jurídica do presidente Trump tem uma declaração de um alto funcionário venezuelano que testemunhou que o sistema de votação SGO é uma ferramenta de manipulação.

Waldron disse que os sistemas eleitorais dos EUA como o Dominion têm “um código semelhante e uma função semelhante”.

“Nossos especialistas e outros estudiosos acreditam que até 1,2 milhão de votos da Pensilvânia podem ter sido adulterados ou fraudados, isso é o que descobrimos nos últimos 22 dias”, mas que apenas uma análise detalhada de especialistas mostraria quantos votos da Pensilvânia foram adulterados, disse Waldron.

Waldron disse que sua equipe tem investigado problemas de adulteração do sistema de votação desde agosto e muitos outros relataram problemas semelhantes também.

“Há muitos, muitos mais times como o nosso, times pequenos se juntando a esta luta, e eles estão jogando a bandeira para a esquerda e para a direita, então há muitas pessoas que estão reconhecendo anomalias”, disse Waldron.

Depois que as acusações foram feitas, a Dominion divulgou um comunicado no final de 25 de novembro, dizendo que “a Dominion não tem laços com a Smartmatic ou a Venezuela”.

A Dominion disse que “as contagens de votos são conduzidas por funcionários eleitorais do condado e do estado, não pela Dominion. Nossos sistemas suportam tabulação apenas por esses funcionários” e os “servidores que executam o software Dominion estão localizados em escritórios eleitorais locais, não no exterior. Os dados nunca deixam o controle dos funcionários eleitorais locais.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas