União Europeia “exige desnuclearização completa” e intensifica sanções contra Coreia do Norte

Por Jesús de León, Epoch Times

As sanções promovidas pelos Estados Unidos e aprovadas por unanimidade pelo Conselho de Segurança da ONU, incluindo a China e a Rússia, foram impostas à Coreia do Norte em dezembro de 2017 em resposta ao lançamento de um míssil balístico intercontinental com capacidade de chegar a qualquer ponto dos Estados Unidos.

A partir disso, as medidas anunciadas e que a União Europeia (UE) incorpora hoje à sua lista, requerem a restrição das exportações de produtos petrolíferos refinados, reduzindo de 2 milhões para 500 mil o número de barris de gasolina, diesel e outros combustíveis que podem ser exportados para aquele país.

Também limita as exportações para a Coreia do Norte de todos os tipos de máquinas industriais e veículos de transporte, bem como de ferro, aço e outros metais.

No que se refere às importações do país asiático, são proibidos alimentos e produtos agrícolas, máquinas, equipamentos elétricos, terra, pedra e madeira.

Também inclui outras medidas de restrição marítima contra navios quando houver motivos razoáveis para acreditar que o navio esteve envolvido no descumprimento das sanções da ONU, diz o texto da decisão.

Sabe-se que a Coreia do Norte emprega práticas de transporte enganosas que incluem fazer transferências de navio a navio, uma prática proibida pela Resolução 2.375 do Conselho de Segurança das Nações Unidas de 11 de setembro de 2017. Esta imagem, feita em 9 de dezembro de 2017, mostra as recentes tentativas do mesmo navio da Coreia do Norte de realizar uma transferência de navio a navio, possivelmente de petróleo, com o Koti panamenho (Departamento do Tesouro dos EUA)
Sabe-se que a Coreia do Norte emprega práticas de transporte enganosas que incluem fazer transferências de navio a navio, uma prática proibida pela Resolução 2.375 do Conselho de Segurança das Nações Unidas de 11 de setembro de 2017. Esta imagem, feita em 9 de dezembro de 2017, mostra as recentes tentativas do mesmo navio da Coreia do Norte de realizar uma transferência de navio a navio, possivelmente de petróleo, com o Koti panamenho (Departamento do Tesouro dos EUA)

Em relação à exigência de retorno no prazo de 24 meses de todos os trabalhadores da Coreia do Norte que trabalham no exterior e enviam dinheiro para a ditadura comunista de Kim Jong-Un, a medida também o inclui. Refere-se a cerca de 100 mil pessoas estabelecidas principalmente na China e na Rússia.

A proibição total de exportação de petróleo bruto prevista na resolução 2.397 (2017) já havia sido introduzida na UE em 16 de outubro de 2017.

O Conselho de Segurança da ONU reafirmou, em sua resolução 2.397 de 2017, que a proliferação de armas nucleares, químicas e biológicas constitui uma ameaça para a paz e a segurança internacionais.

“A UE implementa todas as resoluções do Conselho de Segurança da ONU adotadas em resposta aos programas nucleares da República Popular da Coreia do Norte (RPDC) e outras armas de destruição em massa e projetos de mísseis balísticos, e trabalha para garantir sua implementação efetiva por todos os Estados membros da ONU. Além disso, a UE impôs medidas restritivas independentes contra a RPDC, complementando e reforçando o regime de sanções da ONU”, afirmou o Conselho da União Europeia na comunicação do seu novo pacote de medidas.

 
Matérias Relacionadas