Uma recessão está chegando para 2022 ou 2023?

Muitos acreditam que até o final do ano a América estará em uma recessão

Por Chadwick Hagan 

Comentário 

Muitos acreditam que até o final do ano os Estados Unidos estarão em uma recessão. Em 31 de março, os rendimentos do Tesouro de 2 e 10 anos se inverteram, o que normalmente é um sinal de que uma recessão se aproxima. Embora um rendimento do Tesouro invertido certamente crie um grande efeito cascata entre os observadores da economia, a grande quantidade de dinheiro impressa nos últimos dois anos é realmente muito pior do que uma curva de rendimento invertida. Além disso, várias ações do S&P 500 acabaram de concluir seu pior trimestre de todos os tempos, e as ações de tecnologia perderam quase US $2 trilhões em avaliação de mercado.

Índice de Preços ao Consumidor para Todos os Consumidores Urbanos (2004–2022) (Gráfico de Chadwick Hagan)
Índice de Preços ao Consumidor para Todos os Consumidores Urbanos (2004–2022) (Gráfico de Chadwick Hagan)

A combinação de auxílios relacionados à COVID-19 e um aumento na oferta de dinheiro causaram um choque na economia dos Estados Unidos. A inflação por si só sufoca o crescimento, mas com o aumento dos preços das commodities, problemas de oferta e demanda e a guerra russo-ucraniana, você tem o potencial adequado para um desastre em suas mãos, quanto mais uma recessão.

A inflação já está fora de controle, atingindo 7% em alguns setores. O Federal Reserve Bank de San Francisco admitiu que a medida para combater a COVID criou mais inflação do que o Fed poderia lidar, afirmando em um comunicado de 28 de março: “As estimativas sugerem que as medidas de apoio fiscal projetadas para neutralizar a gravidade do efeito econômico da pandemia podem ter contribuído para essa divergência elevando a inflação em cerca de 3 pontos percentuais até o final de 2021”.

Bill Dudley, economista e ex-presidente do Federal Reserve Bank de Nova Iorque, sente que uma recessão é inevitável e escreveu recentemente na Bloomberg Opinion: “A situação atual é muito diferente. Considere os pontos de partida: a taxa de desemprego é muito menor (em 3,8%) e a inflação está muito acima da meta de 2% do Fed. Para criar folga econômica suficiente para conter a inflação, o Fed terá que apertar o suficiente para aumentar a taxa de desemprego. O que nos leva ao ponto-chave: o Fed nunca conseguiu realizar um pouso suave quando teve que aumentar significativamente o desemprego. Isso é lembrado na Regra de Sahm, que afirma que uma recessão é inevitável quando a média móvel de 3 meses da taxa de desemprego aumenta 0,5 ponto porcentual ou mais. Pior, recessões completas sempre foram acompanhadas por aumentos muito maiores: especificamente, nos últimos 75 anos, nada menos que 2 pontos percentuais”.

A Regra de Sahm sinaliza o início de uma recessão quando a média móvel de três meses da taxa de desemprego nacional aumenta 0,50 ponto percentual em relação à sua baixa nos 12 meses anteriores. Independentemente de uma recessão maior ou menor, está se tornando uma regra constante que leituras de 0,5 ou acima indiquem uma recessão.

No entanto, alguns discordam. Aneta Markowski, economista-chefe do banco de investimento americano Jefferies, declarou em uma carta aos clientes do family office: “No final das contas, as empresas estão atualmente enfrentando excesso de demanda, baixos estoques e muito poder de precificação. Isso cria um forte incentivo para investir e contratar. E, com margens historicamente altas e uma grande pilha de caixa nos balanços corporativos, eles certamente têm os meios para financiar novas expansões. Isso não parece uma economia de ciclo tardio. Parece mais uma economia de meio ciclo com mais espaço para rodar. Nossas probabilidades subjetivas de recessão são de -5% para este ano, -10-15% para 2022, -30% para 2024 e perto de 50/50 para 2025. Seria necessário um choque exógeno muito grande para comprimir esse cronograma.

Lisa Shalett, diretora de investimentos da Wealth Management do Morgan Stanley sente a mesma coisa. Ela diz que estamos longe de uma recessão nos EUA e cita algumas razões. Em uma carta recentemente publicada pelo Morgan Stanley, ela disse: “de todos os tipos de inflação, os aumentos baseados em commodities tendem a ser o tipo que se cura sozinho e, portanto, são temporárias. Normalmente, preços mais altos levam rapidamente a uma maior produção, que muitas vezes é atendida simultaneamente com uma demanda menor”.

Independentemente disso, os investidores estão preocupados. Uma curva de rendimento invertida significa que os investidores estão mais preocupados com o futuro imediato do que com o longo prazo. Embora isso não signifique que uma recessão esteja chegando ou que uma recessão esteja acontecendo, o que isso significa é que a classe de investidores profissionais está preocupada.

Além disso, a economia americana é impulsionada pelo sentimento e confiança. Os proprietários de pequenas e médias empresas adiam o investimento em empresas quando têm pouca confiança na economia. Isso cria um efeito dominó. Quando os empresários e investidores têm pouca confiança no curto prazo, menos dinheiro é aplicado em investimentos e empreendimentos, e o crescimento econômico fica estagnado.

Vale a pena notar que o National Bureau of Economic Research (NBER) considera recessão como “um declínio significativo da atividade econômica espalhada pelo mercado, com duração superior a alguns meses, normalmente visível no PIB real, renda real, emprego, produção e vendas no atacado e varejo”.

Simplificando, uma recessão é uma redução na atividade econômica durante um período de tempo. A inflação por si só pode causar uma recessão. Mais ventos contrários podem ser desastrosos, incluindo soluços de política, enquanto o Federal Reserve aumenta as taxas e simultaneamente tenta conter a inflação.

Em vez de austeridade fiscal ou controle de preços, talvez devêssemos acabar com tarifas e impostos desnecessários sobre certos itens, tornando-os mais baratos. Afinal, à medida que os preços sobem mais rápido do que os salários, as compras e os gastos param.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas