‘Uma questão de importância nacional’: 23 Procuradores-gerais escrevem à Suprema Corte dos EUA em apoio aos praticantes de Falun Gong

Por Gary Bai e Eva Fu

Vinte e três procuradores-gerais (PGs) dos Estados Unidos apresentaram um “Amicus curiae” ou “amigo da corte” (pdf) perante a Suprema Corte, apoiando uma petição de alto nível feita pelo Falun Gong sobre liberdade religiosa.

Os PGs pediram que a mais alta corte revertesse uma decisão de primeira instância que estava “errada em uma questão de importância nacional presente no centro de nossa tradição constitucional”, segundo um comunicado da imprensa do gabinete do procurador-geral do Texas, Ken Paxton, na quarta-feira.

A ação foi movida em 2015 por 13 moradores de Flushing, em Nova Iorque, um bairro de maioria chinesa, contra a Aliança Mundial Anti-Culto Chinesa (CACWA) em uma tentativa de impedir, no que eles descreveram, uma campanha de seis anos que os atingiu com espancamentos, assédio e ameaças de morte em sua comunidade.

A denúncia descreve cerca de 40 incidentes de ameaças ou agressões físicas contra eles, por participarem de desfiles representando o Falun Gong, distribuindo panfletos sobre o Falun Gong ou gerenciando um estande com literatura relacionada ao Falun Gong. Com relação a um incidente em julho de 2011, duas vítimas descrevem com detalhes gráficos um ataque de Li Huahong, chefe da CACWA. De acordo com ambas as testemunhas, uma multidão de 20 a 30 pessoas cercou os dois praticantes do Falun Gong. Uma delas ficou ali detida por cerca de 30 minutos até a chegada da polícia, enquanto o grupo gritava “mate-a” e “espanque-a até a morte”.

“Neste caso, um grupo religioso conhecido como Falun Gong, originário da China, sofreu perseguição e assédio em solo americano”, disse Paxton.

Os praticantes do Falun Gong os processaram sob a lei federal e estadual, incluindo “uma alegação que afirmava que eles eram vítimas de ameaças ou atos de violência destinados a reprimir seu direito da Primeira Emenda à exercerem a religião gratuitamente”, acrescentou o procurador-geral do Texas. Como observou o advogado principal, várias outras reivindicações seguirão para julgamento, independentemente da Suprema Corte conceder ou não a ‘certiorari’.

Os PGs são acompanhados pelo First Liberty Institute, com sede no Texas, pelo professor de direito e religião na Universidade de Washington em St. Louis, John D. Inazu, e pelo escritório de advocacia sem fins lucrativos Becket Fund for Religious Liberty, com sede em Washington.

Falun Gong é uma prática espiritual que consiste em exercícios meditativos e ensinamentos morais centrados nos princípios de verdade, compaixão e tolerância. Ela se tornou amplamente popular na China na década de 1990. Em 1999, o regime comunista, percebendo essa popularidade como uma ameaça, iniciou uma perseguição nacional contra a prática e seus adeptos.

Desde então, milhões de praticantes foram mantidos em centros de detenção, prisões e campos de trabalho em toda a China, onde são submetidos a tortura física, trabalho forçado e extração forçada de órgãos.

‘Uma questão de importância nacional’

Os PGs, em seu “amigo da corte”, disseram que a decisão de um tribunal inferior que arquivou o caso é “errada em uma questão de importância nacional centrada em nossa tradição constitucional” – ou seja, a liberdade religiosa.

“O compromisso da América com a liberdade religiosa é ‘essencial’”, disseram os PGs. “Constitui ‘um dos nossos direitos constitucionais mais preciosos e zelosamente guardados’”.

A Lei de Liberdade de Acesso a Entradas em Clínicas torna crime federal para qualquer pessoa, “pela força ou ameaça de força ou por obstrução física”, ferir, intimidar, ou interferir com qualquer pessoa que exerça legalmente ou procure exercer a liberdade religiosa “em um local de culto religioso”.

Epoch Times Photo
Pessoas praticam os exercícios do Falun Dafa em um parque em Sydney, na Austrália, em 26 de junho de 2017 (EMMA MORLEY)

Mas o Tribunal de Apelações dos EUA para o Segundo Circuito de Cortes em Nova Iorque negou aos requerentes a proteção do estatuto ao interpretar estritamente o termo “local de culto religioso” como locais “principalmente” dedicados à atividades religiosas.

Ao fazê-lo, o tribunal “restringiu indevidamente um estatuto destinado a barrar os piores atos de violência em muitos dos lugares sagrados da América”, disseram os procuradores-gerais. Paxton afirmou que a decisão do tribunal inferior “resultou em proteção insuficiente da liberdade religiosa do Falun Gong”.

“Os peticionários são exatamente o tipo de adoradores que se poderia esperar encontrar segurança em um estatuto como este. Eles praticam o Falun Gong, o que os coloca no ‘terceiro maior grupo’ daqueles que sofrem restrições de liberdade de religião ou liberdade de crença em todo o mundo”, disseram os PGs no “amigo da corte”, citando um relatório de abril de 2022 dos EUA da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional.

Segundo o Minghui.org, um site com sede nos EUA que documenta a perseguição ao Falun Gong, houve quase 6.000 prisões e 10.527 casos de assédio em 2021 visando adeptos da fé na China.

Epoch Times Photo
Praticantes do Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim, no Flushing, NY, em 23 de abril de 2022 (Chung I Ho/Epoch Times)

“O grupo começou na China sob um regime comunista hostil ao pluralismo religioso”, disseram os PGs. “Muitos praticantes do Falun Gong fugiram para a América. No entanto, mesmo depois de chegar aqui, os peticionários continuam enfrentando perseguição e abuso de simpatizantes comunistas”.

Erping Zhang, porta-voz do Centro de Informações do Falun Dafa, disse que o Partido Comunista Chinês “não poderia estar mais errado” por supor que pode atropelar a liberdade religiosa nos Estados Unidos.

“A liberdade religiosa é fundamental para uma América livre. O Partido Comunista Chinês assume que pode atropelar esse direito sagrado dos americanos com suas campanhas de perseguição religiosa no exterior”, disse ele ao Epoch Times. “Mas ele não poderia estar mais errado.”

“Com o apoio de 23 procuradores-gerais nos Estados Unidos e vários outros dossiês de grande importância, a Suprema Corte pode concordar em ouvir o caso. Além disso, acreditamos que o sistema legal americano vai entregar justiça no final e proteger os interesses fundamentais dos americanos”, acrescentou Zhang.

Os PGs que apresentaram o “amigo da corte” são de Virgínia do Oeste, Alabama, Arizona, Arkansas, Flórida, Indiana, Kansas, Kentucky, Louisiana, Mississippi, Missouri, Montana, Nebraska, New Hampshire, North Dakota, Ohio, Oklahoma, Carolina do Sul, Dakota do Sul, Tennessee, Texas, Utah e Virginia.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas