Uma nova teoria da consciência: a mente existe como um campo conectado ao cérebro

Funções extremamente rápidas do cérebro sugerem que ele processa informações por meio de um mecanismo ainda não revelado

Por Tara MacIsaac, Epoch Times

A relação entre a mente e o cérebro é um mistério fundamental na forma como entendemos nossa própria existência como seres sencientes. Alguns dizem que a mente é estritamente uma função do cérebro, ou seja, a consciência seria o produto da atividade dos neurônios. Mas alguns se esforçam para entender cientificamente a existência de uma mente independente, ou pelo menos em algum grau, separada do cérebro.

A revista científica especializada NeuroQuantology reúne neurociência e física quântica, uma interface que alguns cientistas usam para explorar esta relação fundamental entre mente e cérebro.

Um artigo publicado na edição de setembro de 2017 da revista NeuroQuantology examina e expande as atuais teorias da consciência que surgem desse encontro da neurociência e da física quântica.

O Dr. Dirk K.F. Meijer, professor da Universidade de Groningen, na Holanda, supõe que a consciência reside em um campo ao redor do cérebro. Este campo está em outra dimensão. Compartilha informações com o cérebro por meio do entrelaçamento quântico, entre outros métodos. E tem certas semelhanças com um buraco negro.

Dr. Dirk K.F. Meijer, professor da Universidade de Groningen, na Holanda (Dirk K.F. Meijer)
Dr. Dirk K.F. Meijer, professor da Universidade de Groningen, na Holanda (Dirk K.F. Meijer)

Este campo pode ser capaz de captar informações do campo magnético da Terra, energia escura e outras fontes. Em seguida, ele “transmite informações de ondas para o tecido cerebral, que… é fundamental para o processamento de informações conscientes e subconscientes em alta velocidade”, escreveu Dirk.

Em outras palavras, a “mente” é um campo que existe ao redor do cérebro; ela capta informações de fora do cérebro e as comunica ao cérebro em um processo extremamente rápido.

Ele descreveu esse campo alternadamente como “um campo holográfico estruturado”, um “espaço de trabalho mental receptivo”, um “domínio metacognitivo” e o “espaço de memória global do indivíduo”.

Há um mistério não resolvido na neurociência chamado de “problema da ligação“. Diferentes partes do cérebro são responsáveis por coisas diferentes: algumas partes trabalham no processamento da cor, outras no processamento do som, etc. Mas, de alguma forma, tudo vem junto como uma percepção unificada, ou consciência.

Funções extremamente rápidas do cérebro sugerem que ele processa informações por meio de um mecanismo ainda não revelado (HypnoArt)
Funções extremamente rápidas do cérebro sugerem que ele processa informações por meio de um mecanismo ainda não revelado (HypnoArt)

As informações se juntam e interagem no cérebro mais rapidamente do que pode ser explicado pelo nosso entendimento atual das transmissões neurais no cérebro. Assim, parece que a mente é mais do que apenas neurônios disparando no cérebro. Os neurocientistas ainda estão buscando um mecanismo para essa “ligação” de partes díspares do processamento de informações do cérebro. Meijer se voltou para emaranhamento quântico e tunelamento como partes da resposta. Emaranhamento quântico é um fenômeno no qual as partículas parecem estar conectadas a grandes distâncias. Quando as ações são realizadas em uma das partículas, as mudanças correspondentes são observadas nas outras simultaneamente.

O tunelamento quântico é um fenômeno no qual uma partícula percorre um túnel através de uma barreira de uma maneira que não seria possível nas leis da física clássica.

Esses fenômenos quânticos permitem processos tão rápidos que não podem ser explicados pela física clássica. Desta forma, eles podem ajudar a explicar processos mentais subconscientes ultrarrápidos.

Se a “mente” ou campo mental pudesse interagir com o cérebro dessa maneira, isso poderia ser um passo para explicar a rapidez dos processos mentais.

Meijer também usa a natureza onda-partícula da matéria na física quântica para explicar a relação entre o campo mental e o cérebro. Essencialmente, este princípio sustenta que elétrons e fótons existem na forma de ondas, mas também podem se comportar como partículas. De certa forma, eles são ondas e partículas.

Princípios da física quântica podem explicar como a mente processa informações (Geralt)
Princípios da física quântica podem explicar como a mente processa informações (Geralt)

Da mesma forma, Meijer disse que o campo mental é não-material e, ao mesmo tempo, uma parte física do cérebro: “O espaço de trabalho mental proposto é considerado não-material, mas, em relação ao cérebro individualmente, entretém uma onda/partícula não-dual de acordo com princípios físicos quânticos: ele é diretamente dependente da fisiologia do cérebro, mas não redutível a ele.”

A mente e o cérebro, de acordo com Meijer, estão conectados. Eles estão unificados, mas separados. Esse aparente paradoxo é característico da física quântica.

Meijer hipotetiza que o campo mental está em outra dimensão: “O fato de não podermos perceber diretamente esse aspecto da informação é tradicionalmente atribuído a uma quarta dimensão espacial oculta … que não pode ser observada em nosso mundo 3-D, mas pode ser derivada matematicamente.”

Ele esclareceu que essa quarta dimensão espacial não é o tempo (o tempo é comumente descrito como a “quarta dimensão”). Diferentemente, este é um conceito de espaço-tempo que inclui quatro dimensões espaciais, e mais o tempo (uma “estrutura espaço-temporal 4 + 1”).

Ele citou estudos que sugeriram que esse conceito de dimensões poderia conciliar as diferenças entre a física tradicional e a física quântica que assolam os cientistas hoje.

A mente pode residir em outra dimensão espacial (HypnoArt)
A mente pode residir em outra dimensão espacial (HypnoArt)

A mente existiria na quarta dimensão espacial

Meijer prevê uma espécie de tela ou limite entre o mundo exterior e o campo mental individual. Ele compara esse limite ao horizonte de eventos de um buraco negro.

“Supõe-se que a informação que entra em um buraco negro desde o exterior não está perdida, mas … está sendo projetada em sua tela externa, chamada de ‘horizonte de eventos'”, escreveu Meijer.

“A consciência é uma condição limítrofe entre uma singularidade (buraco negro) e o espaço dentro do cérebro.” O horizonte de eventos separa “um modelo mental de realidade para uso interno em cada indivíduo” de tudo o que existe fora dele. No entanto, está conectado a uma “matriz universal de informação”.

Meijer descreveu via e-mail como esse “limite holográfico dinâmico” coleta informações de dentro do cérebro, bem como dos “campos de informação nos quais nosso cérebro está permanentemente acoplado”. Ele disse: “Dessa maneira, ele está implicitamente conectado a uma matriz de informação universal.”

A forma geométrica conhecida como toroide é bem adequada para a natureza e funções que Meijer atribui ao campo mental.

Um toroide é descrito pelo dicionário Merriam Webster como sendo “uma superfície em forma de rosquinha, gerada pela rotação de uma curva plana fechada em torno de uma reta que fica no mesmo plano da curva [coplanar], mas não a intercepta [não secante]”.

Meijer apresentou várias razões dentro das teorias da física para escolher esta forma para seu campo mental hipotético. Uma razão está relacionada a uma teoria de como a atividade elétrica no cérebro oscila.

Esses ritmos foram comparados a características microscópicas do universo, como as descritas pela Teoria das Cordas. Meijer descreveu estes como “movimentos multidimensionais do toroide”.

A estrutura do toroide é encontrada na física desde a microescala até a macroescala extrema dos buracos negros e do universo como um todo, explicou Meijer. Essa estrutura poderia ser instrumental na integração dinâmica de informações na mente e no cérebro.

A mente poderia ser comparada ao buraco negro (Imonedesign)
A mente poderia ser comparada a um buraco negro (Imonedesign)

Meijer escreveu: “Nosso artigo, pode contribuir diretamente para uma resposta sobre a famosa questão do (cientista cognitivo e filósofo) David Chalmers…: como pode algo imaterial como a experiência subjetiva e a autoconsciência surgir de um cérebro material?”

A capacidade do campo mental de captar informações de outros campos, como concebida por Meijer, também poderia explicar alguns fenômenos anômalos, como a percepção extrassensorial, observou ele.

Em sua opinião, “a consciência pode ser considerada como o bloco de construção mais básico da natureza e, consequentemente, está presente em todos os níveis do tecido da realidade”.

Desde que a física quântica surgiu, os cientistas têm explorado sua capacidade de explicar a consciência. O trabalho de Meijer se encaixa nessa exploração.

A estrutura do hipotético campo mental poderia tomar a forma toroide | Forma geométrica (Domínio público); Pano de fundo (Felix Mittermeier)
A estrutura do hipotético campo mental poderia tomar a forma toroide | Forma geométrica (Domínio público); Pano de fundo (Felix Mittermeier)

Outra teoria chamada “redução objetiva orquestrada”, ou “Orch-OR”, foi desenvolvida pelo físico Sr. Roger Penrose e pelo anestesiologista Dr. Stuart Hameroff. Em seu website, Hameroff descreve a teoria: “… ela sugere que a consciência surge de vibrações quânticas em polímeros de proteína chamados microtúbulos dentro dos neurônios do cérebro.”

Como Meijer, Penrose e Hameroff disseram “há uma conexão entre os processos biomoleculares do cérebro e a estrutura básica do universo”. Eles também pediram uma mudança importante na maneira como os cientistas veem a consciência.

Hameroff disse em entrevista ao blog Singularity: “A maioria dos cientistas não consegue explicar a consciência no cérebro, então eles não podem dizer que a consciência fora do cérebro é impossível.”

A estrutura do toroide acoplado sugerida pelo Dr. Dirk Meijer para o campo mental conectado ao cérebro (Cortesia do Dr. Dirk Meijer)
A estrutura do toroide acoplado sugerida pelo Dr. Dirk Meijer para o campo mental conectado ao cérebro (Cortesia do Dr. Dirk Meijer)

Atualização: O Dr. Dirk Meijer forneceu ao Epoch Times uma atualização sobre seu artigo, esclarecendo que o tunelamento quântico e o entrelaçamento não são os métodos mais prováveis de transferência de informação entre o campo mental e o cérebro. Esses dois fenômenos demonstraram fornecer apenas uma correlação entre duas partículas, não necessariamente a transferência de informações (embora esse possa ser o caso por meio de novas pesquisas).

Em vez disso, a ressonância das ondas quânticas é um mecanismo mais provável do processamento de informações extremamente rápido no cérebro. Isso significa que, em vez de os sinais serem enviados entre os neurônios no cérebro, um padrão de onda que engloba todos os neurônios, assim como o campo mental, transmite as informações instantaneamente.

Imagine uma onda de vibração subindo e descendo em um padrão consistente e percorrendo todo o seu cérebro e até mesmo fora dele. Esse padrão comunica informações que podem ser compreendidas por receptores vibratórios em seu cérebro. Tudo isso está acontecendo em uma dimensão e em um nível microscópico não diretamente perceptível por meio da instrumentação científica convencional à nossa disposição hoje, mas pode ser inferida por meio da modelagem física e matemática.

 
Matérias Relacionadas