Europa receosa: um terço dos patrocinadores do Euro 2020 são empresas chinesas

Por Alex Wu

O Campeonato da Europa de Futebol do UEFA 2020 começou em 11 de junho em Roma, Itália, após ter sido adiado um ano devido à pandemia COVID-19. O evento vai até 11 de julho. Um terço dos patrocinadores do torneio são empresas chinesas, o que está causando preocupação na Europa.

Quatro grandes empresas chinesas, incluindo Hisense, Alipay, Vivo e Tiktok, estão entre os 12 patrocinadores da Eurocup, tornando a China o maior financiador do evento, seguido pela Rússia. Outros patrocinadores são empresas dos Estados Unidos e do mundo árabe. A Volkswagen é a única empresa europeia entre os patrocinadores.

O euro tem um grande público na Europa e na Ásia. O patrocínio ajuda empresas chinesas menos conhecidas a ganhar visibilidade no cenário internacional, já que seus pôsteres estão por toda parte e seus anúncios são constantemente exibidos nos estádios e na televisão durante o evento.

A mídia do regime chinês considera uma vitória da China. “A COVID-19 e a geopolítica não impedirão as marcas de se tornarem globais por meio de patrocínios”, afirmaram.

No entanto, patrocínios corporativos de Estados autoritários estão causando preocupação na Europa. A mídia suíça noticiou que as ações europeias não estão sendo representadas pelas empresas patrocinadoras do evento. “A UEFA já está longe dos seus espectadores”, disse o profissional de comunicação social de Düsseldorf, Thomas Koch.

Por outro lado, as empresas chinesas e russas são questionáveis, mas a União das Associações Europeias de Futebol (UEFA) está essencialmente aceitando “dinheiro sujo” delas. Tanto a Hisense quanto a Vivo são acusadas de lucrar com o uso de trabalho forçado por uigures em Xinjiang.

A UEFA afirma que não é político, mas aceita a melhor oferta do mercado ao escolher os seus patrocinadores.

No entanto, o comissário federal alemão para a criação de novas empresas avisou que “ainda se trata de futebol. Para alguns dos patrocinadores, por exemplo, da China e da Rússia, os aspectos políticos e estratégicos também poderiam estar em primeiro plano ”.

Há também uma cláusula nos contratos que se refere à responsabilidade social, notou a mídia suíça, mas a UEFA parece não estar aplicando nem mesmo o padrão mínimo para patrocinadores.

A China também foi o maior patrocinador da Copa do Mundo de 2018, apesar do fato de que a seleção chinesa não se classificou para participar do evento.

ntre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Twitter.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas