Um em cada seis eleitores de Biden mudariam voto se conhecessem escândalos omitidos pela mídia

Enquete foi realizada pelo Media Research Center, o maior centro de análise independente da mídia americana. Escândalos de Biden são ignorados por seu eleitorado

Por Leonardo Trielli, Senso Incomum

Uma pesquisa encomendada pelo Media Research Center feita pela The Polling Company mostra que todo o trabalho de censura das Big Tech e a não cobertura da mídia sobre os escândalos de Joe Biden poderiam ter mudado o resultado das eleições.

Os resultados da enquete mostram que 17% dos eleitores de Biden não teriam votado na chapa Biden-Harris se tivessem conhecimento de pelo menos uma das notícias que não saíram na imprensa oficial ou foram censuradas pelas Big Tech.

De acordo com a pesquisa, mais de um terço dos eleitores de Biden (35,4%) não sabia que o seu candidato foi acusado de assédio sexual por uma ex-funcionária sua. Destes, 8,9% disseram que teriam votado em Trump se soubessem.

Sobre o escândalo de corrupção envolvendo seu filho Hunter Biden, o número é ainda maior: 45,1% não tinham conhecimento das denúncias e, destes, 9,4% mudariam o seu voto.

As posições ideológicas mais à esquerda da candidata a vice, a senadora pela Califórnia, Kamala Harris, eram ignoradas por 25,3% dos entrevistados. Ao serem informados de que Harris tinha o histórico mais à esquerda do que qualquer outro senador em 2019 – ainda mais do que o autodenominado socialista Bernie Sanders -, 4,1% dos eleitores também teriam mudado o candidato em quem votaram.

A mídia também impediu que muitos eleitores de Biden soubessem de notícias positivas nos meses que antecederam a eleição.

  • 39,4% dos entrevistados não sabiam que 11 milhões de empregos foram recuperados nos cinco meses antes da eleição, quando a economia dos EUA voltou a crescer no pós-pandemia. Destes, 5,4% disseram que votariam em Trump se soubessem dos números.
  • 49% não tinham ideia que os EUA haviam registrado crescimento de 33,1% em relação ao ano anterior (os dados consideraram o período de out/10 a out/20). De posse dessa informação, 5,6% disseram que teriam mudado seu voto.
  • 43,5% dos eleitores de Biden não tinham conhecimento de que Donald Trump recebeu 3 indicações para o Prêmio Nobel da Paz, graças às negociações de paz com Israel e seus vizinhos árabes. A informação teria levado 5% dos eleitores entrevistados a mudar seu voto.
  • 36,1% dos eleitores de Biden disseram não saber sobre o papel do governo na promoção da pesquisa de vacinas por meio da Operação Warp Speed. Se soubessem, 5,3% disseram que teriam abandonado Biden.

“Isso não é casualidade. Isso não é coincidência. Isso não é descuido e não foi apenas um engano”, disse o presidente e fundador do Media Research Center, Brent Bozell, em uma entrevista coletiva na terça-feira.

“Essas foram decisões deliberadas [da grande imprensa e das Big Tech], feitas milhares de vezes, literalmente milhares de vezes, para distorcer ou não cobrir tudo [sobre os escândalos de Joe Biden].”

A pesquisa foi feita online com 1750 pessoas que votaram em Biden, e englobou sete estados (Arizona, Geórgia, Michigan, Nevada, Carolina do Norte, Pensilvânia e Wisconsin). A margem de erro é de 2,34% para mais ou para menos e possui 95% de confiabilidade, segundo o instituto.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas