Último discurso do líder chinês é uma repreensão às críticas internacionais a Pequim, afirma analista

Xi falou sobre cinco coisas "que os chineses nunca aceitarão", causando um alvoroço entre os internautas

Por Alex Wu

O líder do Partido Comunista Chinês (PCC), Xi Jinping, fez um discurso que causou polêmica na internet chinesa no dia 3 de setembro, no 75º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial.

Xi falou sobre cinco coisas “que os chineses nunca aceitarão”, causando um alvoroço entre os internautas que acreditavam que Xi não tinha o direito de falar em nome da população chinesa.

Enquanto isso, alguns comentaristas da China concluíram que Xi estava enviando uma mensagem sutil à comunidade internacional, em resposta às suas crescentes críticas ao regime chinês.

Em um evento comemorativo de aniversário, Xi disse: “O povo chinês nunca aceitará qualquer tentativa de qualquer pessoa ou força de distorcer a história do Partido Comunista da China e difamar a natureza e o propósito do Partido Comunista da China”.

No Sina Weibo, uma plataforma de mídia social semelhante ao Twitter, internautas chineses disseram que nunca foram questionados sobre sua opinião e, portanto, Xi não tinha o direito de representá-los. Um usuário escreveu: “Estou sendo ‘representado’ [sem consentimento] novamente!”

Outros comentaram que os chineses não ousariam discordar do Partido, dada sua tendência a reprimir a dissidência.

“Se eles discordarem, podem ser acusados ​​do crime de ‘causar problemas’”, comentou um usuário. Essa acusação vagamente definida é freqüentemente usada contra advogados de direitos humanos e dissidentes.

Alguns chineses, baseados fora da China, também participaram do Twitter. “Isso coloca o povo chinês como refém novamente”, postou um usuário de língua chinesa que, brincando com as palavras de Xi, lamentou a falta de liberdade na China: “Se você quer liberdade de expressão, [o PCC] nunca concordará . Se você quer a verdade histórica, nunca concordará. Se você quiser fazer uma eleição geral, ele nunca concordará. Se você quer uma verdadeira democracia, nunca concordará. Se você quiser que o PCC desista, ele nunca concordará”.

Mensagem para a comunidade internacional

Xi também disse que “o povo chinês nunca aceitará qualquer tentativa de qualquer pessoa ou força para separar o Partido Comunista da China do povo chinês e antagonizá-lo”.

Esta é uma resposta indireta ao recente discurso do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, de acordo com o comentarista de assuntos da China, Tian Yun.

Em um importante discurso político em 23 de julho, conclamando os governos a se unirem para se defenderem contra as ameaças de Pequim, Pompeo disse que “devemos também envolver e capacitar o povo chinês, um povo dinâmico e amante da liberdade, completamente diferente do Partido Comunista Chinês”. Após seu discurso, a agência de notícias estatal Xinhua publicou um artigo de 30.000 palavras atacando Pompeo. Isso mostra que as palavras de Pompeo atingiram o alvo e causaram medo no PCC, disse Tian em uma análise de notícias publicada no Epoch Times em chinês, acrescentando que a retórica recente de Xi parecia ser uma reação às palavras de Pompeo.

Xi também disse que “o povo chinês nunca concordará com ninguém ou qualquer força que tente impor sua vontade à China por meio da intimidação, mudar a direção do progresso da China e obstruir os esforços do povo chinês para criar sua própria bela vida”.

Tian escreveu que esta declaração foi uma distorção deliberada das recentes contra-medidas dos EUA contra a agressão do regime chinês, descrevendo as ações dos EUA como hostilidade ao povo chinês.

Ele acrescentou que as palavras de Xi também foram um aviso aos governos estrangeiros de que Pequim seguiria suas regras e que eles deveriam aceitar essa realidade.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas