UE reforça pedido para que China liberte prisioneiros políticos no aniversário do massacre da Praça da Paz Celestial

Por Nick Gutteridge, especial para o Epoch Times

BRUXELAS – A União Europeia pediu à China que liberte imediatamente prisioneiros políticos presos por causa dos protestos na Praça da Paz Celestial e que levante o véu de sigilo em torno do número de mortos e feridos.

Bruxelas fez o novo apelo à transparência para marcar o 30º aniversário do massacre, que ocorre em um momento em que as relações entre a UE e a China estão cada vez mais tensas em relação aos atritos comerciais, à Huawei e às violações dos direitos humanos em Pequim.

Em uma declaração expressa em nome das 28 capitais europeias, a chefe de relações exteriores da UE, Federica Mogherini, disse que o bloco ainda “condenou veementemente a brutal repressão” que ocorreu.

As tropas chinesas abriram fogo contra manifestantes na Praça da Paz Celestial, em Pequim, em 4 de junho de 1989, que pediam por democracia e mais liberdade de expressão.

Muitos dos detalhes, incluindo o número de mortos, feridos e prisioneiros, foram suprimidos pelo regime chinês. O número de mortos foi estimado independentemente entre várias centenas e alguns milhares.

“Trinta anos depois, a União Europeia continua a lamentar as vítimas e oferece suas condolências às suas famílias”, disse Mogherini. “O reconhecimento desses eventos e dos mortos, detidos ou desaparecidos em conexão com os protestos da Praça da Paz Celestial é importante para as gerações futuras e para a memória coletiva”.

Mogherini acrescentou que a UE espera a libertação imediata dos defensores dos direitos humanos e dos advogados que foram detidos pelo regime chinês. Ela destacou os ativistas Gao Zhisheng, Chen Jiahong, Huang Qi, Ge Jueping, Xu Lin e o pastor Wang Yi como prisioneiros políticos que a UE deseja urgentemente que sejam libertados.

Gao Zhisheng
Geng He, esposa do dissidente chinês Gao Zhisheng, participa de uma coletiva de imprensa no Capitólio, em Washington, no dia 18 de janeiro de 2011 (Tim Sloan / AFP / Getty Images)

Gao, uma vez elogiado pelo Ministério da Justiça da China como um dos 10 melhores advogados da China, entrou em conflito com o regime comunista quando começou a fornecer assistência legal e a escrever cartas abertas em apoio aos adeptos do Falun Dafa, uma disciplina espiritual que é perseguida pelo regime comunista chinês. Chen, também advogado de direito, foi detido por criticar a liderança do Partido Comunista Chinês (PCC).

Huang e Ge são defensores dos direitos humanos que foram perseguidos pelo regime chinês por seu ativismo. Xu, escritor, compositor e ativista, foi alvo do PCC por escrever canções consideradas críticas do regime. Wang, pastor de uma das mais proeminentes igrejas não autorizadas da China, está enfrentando acusações de incitação à subversão.

A UE expressou crescente preocupação com os abusos dos direitos humanos da China nos comunicados recentes. Mogherini prometeu que o bloco continuará a pressionar Pequim sobre o assunto em todas as formas de comunicação.

“Hoje, continuamos a observar a repressão à liberdade de expressão e reunião e a liberdade de imprensa na China”, disse Mogherini.

Guy Verhofstadt, líder do grupo liberal europeu, disse: “A China é hoje uma potência econômica e militar, mas não uma democracia. É essa ferida aberta que impede a China de se tornar um líder global. Espero que o povo chinês tenha a liberdade que merece. Sua luta continua”.

Ele acrescentou que a famosa imagem do “homem-tanque” – um estudante de pós-graduação da Universidade de Atletismo de Pequim e que media quase 1,80 metros chamado Fang Zheng– foi o “ato mais corajoso que já vi”.

Um relatório recente da BBC descobriu que, embora a foto tenha se tornado uma das imagens definidoras do protesto fora da China, muitos cidadãos chineses nunca a viram por causa do blecaute de informações efetivo do estado.

Em abril, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução expressando “profunda preocupação com o regime cada vez mais repressivo” enfrentado por grupos perseguidos na China, incluindo uigures, adeptos do Falun Dafa, tibetanos e cristãos.

 
Matérias Relacionadas