UE fecha melhores acordos com China, incluindo subsídios industriais

Por Reuters

BRUXELAS – O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, prometeu à União Européia, em 9 de abril, que Pequim deixaria de forçar as empresas estrangeiras a compartilhar know-how quando operassem na China e estava pronto para discutir novas regras comerciais globais sobre subsídios industriais.

Marcando uma mudança significativa, o compromisso de Li na reunião anual dos líderes UE-China segue ofertas semelhantes para os Estados Unidos e potencialmente sinaliza uma abertura pela qual as companhias europeias há muito fazem lobby.

A China enfrentou uma Europa mais assertiva, mesmo com o diálogo a abordagem preferida.

O consentimento da China a um comunicado de sete páginas seguiu-se a meses de intensa diplomacia européia contra o pano de fundo das negociações comerciais dos Estados Unidos com a China e do que o presidente francês, Emmanuel Macron, chamou de “fim da ingenuidade” sobre o poder chinês.

Muitos governos europeus sentiram frustração com o que dizem ser o fracasso da China em manter sua promessa de se abrir, e seus líderes realizaram uma cúpula em março para discutir a China pela primeira vez em muitos anos.

Destacando as diferenças em relação ao comércio e investimento com Pequim, as negociações da UE com a China em um comunicado final, um guia para políticas futuras, se arrastaram por 10 dias antes do encontro de 9 de abril, que também incluiu o presidente da Comissão Européia, Jean-Claude Juncker.

Autoridades da UE acusaram Pequim de querer apenas uma reunião de cúpula, enquanto Bruxelas buscou mostrar uma frente comum e abordar preocupações crescentes sobre as empresas estatais chinesas e sua aquisição de importantes ativos europeus.

Li vai agora para a Croácia para outra cúpula europeia em 11 e 12 de abril, desta vez com os países do centro e leste, 11 dos quais são membros da UE.

Parte de investimento, questões de direitos

A declaração conjunta, apenas aceita por Li em seu avião antes de sua chegada em Bruxelas, disse que a UE e a China cooperariam na reforma da Organização Mundial do Comércio e intensificariam as discussões sobre as regras que governam os subsídios industriais.

“É um avanço. Pela primeira vez, a China concordou em engajar a Europa nessa prioridade chave para a reforma da OMC ”, disse o presidente da cúpula, Donald Tusk.

Os dois lados concordaram, ainda, que não deveria haver transferência forçada de tecnologias como um preço para investimento.

Os governos ocidentais reclamam há muito tempo que suas empresas são pressionadas a entregar know-how tecnológico a parceiros, autoridades ou reguladores chineses como condição para fazer negócios na China.

Essa tecnologia é frequentemente usada por concorrentes chineses, prejudicando as empresas ocidentais, diz a União Européia, que teme o domínio chinês em setores estratégicos.

A China e a UE também estabeleceram uma meta para concluir um pacto de investimento em 2020. Lançada em 2013 e com uma rodada de conversas em 20 de fevereiro, ela visa melhorar o acesso ao mercado e acabar com a discriminação contra investidores estrangeiros.

Em uma reunião privada, Tusk também levantou com Li o encarceramento do que o Ocidente diz ser centenas de milhares de muçulmanos na região de Xinjiang, oeste da China, disseram diplomatas da UE.

Especialistas da ONU dizem que os centros de detenção chineses detêm mais de um milhão de uigures e outros muçulmanos. Tusk também levantou os direitos humanos de forma mais geral na plenária principal da cúpula, buscando mais liberdade religiosa para grupos minoritários na China.

Por Philip Blenkinsop e Robin Emmott

 
Matérias Relacionadas