UE aprova resolução condenando extração forçada de órgãos pelo regime chinês

“O Parlamento expressa séria preocupação com os relatos de extração de órgãos pelo Estado, de prisioneiros na China e, mais especificamente, de praticantes de Falun Gong”

Por Eva Fu 

O Parlamento Europeu adotou uma resolução expressando “sérias preocupações” sobre a extração forçada de órgãos do regime chinês, ao mesmo tempo em que insta seus estados membros a condenar publicamente a violação.

“O Parlamento expressa séria preocupação com os relatos de extração de órgãos persistentes, sistemáticos, desumanos e sancionada pelo Estado de prisioneiros na China e, mais especificamente, de praticantes de Falun Gong”, diz um comunicado datado de 5 de maio após a adoção do texto.

Os membros do Parlamento “consideram que a prática de extração de órgãos de prisioneiros vivos no corredor da morte e prisioneiros de consciência na China pode constituir crimes contra a humanidade”, lê-se.

Um painel independente de 2019, chamado Tribunal da China, descobriu que o regime chinês há anos mata prisioneiros de consciência por seus órgãos para transplante em escala substancial, uma prática que ainda está acontecendo. Concluiu que tais ações constituíam crimes contra a humanidade e que as principais vítimas eram praticantes de Falun Gong detidos.

Falun Gong é uma prática espiritual que consiste em exercícios meditativos e ensinamentos morais baseados nos princípios de verdade, compaixão e tolerância. Em 1999, os adeptos tornaram-se alvo de uma ampla campanha de perseguição por parte de Pequim, depois que a vasta popularidade da prática foi percebida como uma ameaça ao controle autoritário do regime comunista sobre a sociedade. Milhões de praticantes do Falun Gong detidos em todo o país foram essencialmente transformados em um grande banco de órgãos involuntário para o faminto sistema de transplante de órgãos do regime chinês.

Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril de 10.000 praticantes de Falun Gong em Pequim, em Flushing, NY, em 23 de abril de 2022 (Chung I Ho/Epoch Times)
Praticantes de Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 23º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril de 10.000 praticantes de Falun Gong em Pequim, em Flushing, NY, em 23 de abril de 2022 (Chung I Ho/Epoch Times)

Desde que relatos da extração forçada de órgãos surgiram em meados dos anos 2000, o regime chinês negou repetidamente as alegações, mas também recusou o acesso externo a instalações médicas e de detenção para verificar suas alegações.

A resolução da UE observou que o regime se recusou a testemunhar perante o Tribunal da China.

A resolução denunciou ainda a falta de supervisão independente sobre se os detidos deram consentimento à doação de órgãos e o silêncio das autoridades chinesas sobre relatos de que famílias estavam sendo impedidas de reivindicar os corpos de entes queridos que morreram na detenção.

A resolução de quatro páginas, adotada por levantamento de mãos em 5 de maio, foi a primeira declaração pública da União Europeia sobre o assunto desde 2013, quando o Parlamento Europeu notificou Pequim pela primeira vez de que a prática de extração forçada de órgãos era inaceitável.

Além de condenar a violação em público, a resolução diz que a UE e seus estados membros devem levantar a questão da extração de órgãos “em todos os Diálogos de Direitos Humanos”, levantar a questão no envolvimento com parceiros e tomar as medidas necessárias para impedir que seus cidadãos participem do turismo de transplante na China. Instituições relevantes, disse, devem reconsiderar sua colaboração com colegas chineses em medicina de transplante, pesquisa e treinamento.

Direitos humanos ‘não são uma opção’

A aprovação da resolução veio três dias antes da viagem planejada da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, à China, e o Parlamento Europeu na resolução instou o órgão de direitos humanos a investigar a questão durante a visita.

O principal funcionário de política externa da UE, Josep Borrell, um dia antes, destacou a questão durante um debate parlamentar, dizendo que o bloco de 27 membros “condena nos termos mais fortes possíveis a prática criminosa, desumana e antiética de extração forçada de órgãos”.

“O respeito pelos direitos humanos não é uma opção, mas uma exigência em todas as áreas, inclusive na desafiadora área médica e ética da doação e transplante de órgãos”, disse em declarações preparadas por Jutta Urpilainen, comissária de parcerias internacionais, em seu nome.

Um estudo médico de abril publicado no American Journal of Transplantation identificou dezenas de publicações chinesas onde os médicos retiraram os corações e pulmões de pessoas para transplante sem seguir o protocolo padrão para estabelecer a morte cerebral. Isso efetivamente significou que os pacientes foram mortos por seus órgãos e que as centenas de profissionais médicos envolvidos estavam agindo como “carrascos” para o estado, disseram os autores.

O discurso de Borrell foi aplaudido pelo deputado norte-americano Gus Bilirakis (republicano da Flórida), que atua como co-presidente do Congresso Internacional de Liberdade Religiosa do Congresso.

“O histórico abominável de direitos humanos da China, incluindo a prática desumana de extração de órgãos de minorias étnicas e religiosas, não será mais varrido para debaixo do tapete”, disse ele ao Epoch Times. “É imperativo que os Estados Unidos e seus aliados enviem uma mensagem forte e inabalável em defesa dos direitos humanos básicos e proteções para todas as pessoas”.

Outros acreditam que a medida ainda está longe de resolver o problema.

Torsten Trey, diretor executivo do grupo de defesa da ética médica “Doutores Contra a Extração Forçada de Órgãos”, observou o prolongado silêncio da comunidade internacional sobre o assunto.

“Três anos se passaram desde que o Tribunal da China concluiu que a China está matando pessoas por seus órgãos. Por mais de duas décadas, a China perseguiu os praticantes de Falun Gong e provavelmente matou mais de um milhão deles, provavelmente mais do que [as fatalidades] na Ucrânia até hoje”, disse ele ao Epoch Times.

Comparada com a resposta do mundo à guerra na Ucrânia, a resolução foi “um fraco apelo a um regime comunista que apoia a Rússia em sua agressão”, disse ele.

“Precisamos de ações na China, não de pedidos. A China ouviu esses apelos por duas décadas e os ignorou”, disse ele.

“Neste ponto, a Europa está sendo desafiada pelo PCCh: a Europa fará dos direitos humanos básicos e valores uma condição inegociável para a parceria, ou ignorará a prática horrível de extração forçada de órgãos de praticantes de Falun Gong vivos na China?”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas