Twitter não baniu pornografia infantil por ‘não violar políticas’

Processo federal nos EUA afirma que Twitter se recusou a retirar imagens sexuais de criança de 13 anos por 'não violar políticas' da plataforma

Por Leonardo Trielli, Senso Incomum

Reportagem do NY Post denuncia que o Twitter se recusou a retirar imagens pornográficas e vídeos de um adolescente vítima de tráfico sexual, que foram amplamente compartilhados na plataforma, porque uma investigação interna “não encontrou uma violação” das “políticas” da empresa, alega um processo judicial.

O processo, aberto no Distrito Norte da Califórnia, na quarta-feira, 20, é movido pela vítima e sua mãe com o apoio do Centro Nacional de Exploração Sexual e dois escritórios de advocacia.

A ação alega que o Twitter ganhou dinheiro com os vídeos que mostravam um adolescente de 13 anos envolvido em atos sexuais.

Histórico

O adolescente – que agora tem 17 anos e mora na Flórida – é identificado apenas como John Doe e tinha entre 13 e 14 anos quando pedófilos se passaram por uma colega de escola de 16 anos e começaram a conversar com ele no Snapchat.

Doe e os pedófilos supostamente trocaram nudes antes que a conversa se transformasse em chantagem: se o menino não compartilhasse mais fotos e vídeos sexuais, as fotos dele seriam enviadas a seus “pais, treinador, pastor” e outras pessoas.

Coagido, Doe obedeceu e enviou vídeos de si mesmo realizando atos sexuais. O menino também foi instruído a incluir outra criança em seus vídeos.

A chantagem aparentemente cessou após Doe bloqueá-los. Mas os vídeos apareceram no Twitter, em meados de 2019, em duas contas que eram conhecidas por compartilhar material de abuso sexual infantil, alegam documentos do tribunal.

Os vídeos foram denunciados no Twitter pelo menos três vezes: primeiro em 25 de dezembro de 2019 – mas a Big Tech não fez nada a respeito.

Segundo o processo, Doe tomou conhecimento dos tweets porque eles foram amplamente vistos por seus colegas, o que o sujeitou a “provocações, assédio e bullying cruel” e o levou a pensar em suicídio.

Enquanto os pais de Doe entraram em contato com a escola e fizeram boletins de ocorrência na polícia, ele registrou uma queixa no Twitter, dizendo que havia duas postagens apresentando pornografia infantil em que ele era uma das vítimas. Sua mãe também fez denúncias para a plataforma.

Após uma semana sem se manifestar, o Twitter respondeu a ambos que não retiraria o conteúdo do ar.

“Agradecemos seu contato. Revisamos o conteúdo e não encontramos nenhuma violação de nossas políticas, então nenhuma ação será tomada neste momento ”, diz a resposta, de acordo com o processo.

“Se você acredita que há uma possível violação de direitos autorais, inicie uma nova denúncia. Se o conteúdo estiver hospedado em um site de terceiros, você precisará entrar em contato com a equipe de suporte desse site para denunciá-lo. Sua segurança é a coisa mais importante, e se você acredita que está em perigo, encorajamos você a entrar em contato com as autoridades locais. ”

Em sua réplica, Doe pareceu chocado.

“O que você quer dizer com não vê um problema? Nós dois somos menores agora e éramos menores na época em que esses vídeos foram feitos. Nós dois tínhamos 13 anos. Fomos perseguidos e ameaçados para fazer esses vídeos que agora estão sendo postados sem nossa permissão. Não autorizamos esses vídeos DE JEITO NENHUM e eles precisam ser retirados”, escreveu o adolescente ao Twitter.

O adolescente até incluiu o boletim de ocorrência, mas, ainda assim, a Big Tech de Jack Dorsey supostamente o ignorou.

O Twitter só removeu o material e suspendeu as contas após o envolvimento do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos no caso.

“Somente após a solicitação de um agente federal o Twitter suspendeu as contas de usuário que distribuíam o material e fez uma denúncia ao Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas”, afirma a ação.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas