Twitter contrata especialista que ajudou Partido Comunista a censurar o Google na China

Fei-Fei Li possui ligações com o Partido Comunista Chinês e ajudou Google a "identificar conteúdo de ódio" - o eufemismo da moda para a censura chinesa

Por Leonardo Trielli, Senso Incomum

Twitter contratou a especialista em inteligência artificial, Fei-Fei Li, aumentando o esforço da Big Tech na identificação de “conteúdo racista e discurso de ódio”.

Não precisa ser um grande gênio para entender o que, na prática, isto significa: aumento do patrulhamento e da censura na rede.

Professora de Stanford, Li foi peça fundamental na criação do laboratório de inteligência artificial do Google na China.

O analista francês Wang Longmeng disse que contratar Li para trabalhar no Twitter foi como “contratar uma raposa para proteger o galinheiro.”

“Eles parecem ter ignorado a cooperação de Li com a China”, disse ele. “[Ela] discretamente se opôs à cooperação do Google com o Departamento de Defesa dos Estados Unidos (…) mas fez vista grossa ao Projeto Libélula, no qual o Google planejava ajudar o Partido Comunista Chinês a monitorar discursos online.”

Li também é consultora em inteligência artificial da Universidade Tsinghua da China. A I.A. foi considerada tecnologia militar chave no governo do presidente Xi Jiping.

A recém contratada pelo Twitter também tem ligações com o Future Forum, com sede em Pequim e organizado pela Associação de Ciência e Tecnologia da China, administrada pelo Partido Comunista Chinês. O Fórum discute o desenvolvimento de tecnologia móvel com um forte foco em 5G.

Com informações de The Gateway Pundit Radio Free Asia.

 

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas