Twitter bloqueia conta de virologista chinesa que afirma que vírus do PCC foi criado em laboratório

Yan disse que a comunidade científica "se manteve em silêncio e trabalhou junto com o Partido Comunista Chinês" para censurar estudos que chegaram a conclusões semelhantes

Por Eva Fu

O Twitter suspendeu a conta de uma virologista chinesa que alegou ter provas de que o vírus do PCC foi criado em um laboratório.

A Dra. Yan Limeng, que fugiu de Hong Kong para os Estados Unidos em abril, publicou um estudo em 14 de setembro no qual afirmou que o vírus exibe “características biológicas que são inconsistentes com um vírus zoonótico de ocorrência natural” e, portanto “deveria ser um produto de laboratório”. O estudo não foi revisado por pares.

O Twitter bloqueou rapidamente a conta de Yan após seu tweet anunciando o estudo. A conta recente que Yan abriu no domingo reuniu mais de 59.000 seguidores em sua curta vida.

Yan disse que a comunidade científica “se manteve em silêncio e trabalhou junto com o Partido Comunista Chinês” para censurar estudos que chegaram a conclusões semelhantes. “Eles não querem que as pessoas saibam a verdade”, disse ela em entrevista à Fox na terça-feira. “É por isso que eu fui suspensa; eles me reprimiram; eu sou o alvo que o Partido Comunista Chinês quer desaparecer”.

O Epoch Times entrou em contato com o Twitter e Yan para um pedido de comentário, mas não recebeu uma resposta imediata.

O logotipo do Twitter no 2020 Consumer Electronics Show (CES) no Las Vegas Convention Center em Las Vegas, Nevada, em 5 de janeiro de 2020 (Robyn Beck / AFP via Getty Images)
O logotipo do Twitter no 2020 Consumer Electronics Show (CES) no Las Vegas Convention Center em Las Vegas, Nevada, em 5 de janeiro de 2020 (Robyn Beck / AFP via Getty Images)

Alguns cientistas chamaram o relatório de “infundado”. Pequim e um laboratório de alto nível em Wuhan, a cidade onde a pandemia eclodiu pela primeira vez, negam tais afirmações, que surgiram na mídia desde janeiro.

O governo dos EUA, citando inteligência, disse que o vírus ocorreu naturalmente, mas que “há evidências significativas” que sugerem que o vírus vazou de um laboratório de Wuhan. As autoridades criticaram Pequim por negar aos pesquisadores internacionais o acesso a dados cruciais sobre as origens do vírus.

No entanto, a censura do Twitter atraiu críticas de importantes críticos da China e da comunidade dissidente chinesa no exterior, que disseram que o Twitter pode estar ajudando o regime chinês a censurar tópicos dos quais não gosta.

“Por que o Twitter excluiria a conta da Dra. Yan?”, Perguntou o consultor econômico da Casa Branca, Peter Navarro, em um tweet.

“Uma cientista chinesa é chamada para investigar um vírus mortal em Wuhan, encontra fatos preocupantes, é reprimida pelo PCC, foge para os EUA para salvar sua vida, conta sua própria verdade e é reprimida pela mídia social ‘gratuita’ dos Estados Unidos. Onde está a indignação?” escreveu ele em um post posterior.

O senador Josh Hawley (R-Mo.), comentando sobre o assunto, disse: “Agora o Twitter está abertamente do lado de Pequim”.

Cai Xia, um professor chinês aposentado que foi recentemente punido pelo regime por comentários ofensivos ao Partido, disse que a decisão do Twitter é uma questão de liberdade de expressão.

Ela também questionou por que o Twitter agiu tão rapidamente contra Yan, mas ignorou os repetidos pedidos de Cai para deletar contas que se passavam por ela.

Han Lianchao, um dissidente chinês baseado em Washington, também pediu ao Twitter para explicar sua decisão.

“O que o Dr. Yan publicou foi um artigo científico, e pessoas que têm uma opinião diferente podem levantar questões e argumentos, mas bloqueá-la após alguns tweets é simplesmente confuso”, escreveu ele em um tweet. Ele acrescentou que redes sociais como o Twitter deveriam “ter regras abertas e transparentes para regular o comportamento da empresa, e não deveriam fazer o que desejam”.

Yan, uma virologista chinesa que anteriormente trabalhou em um laboratório afiliado à Organização Mundial da Saúde na Universidade de Hong Kong, fugiu para os Estados Unidos em busca de asilo em abril. Ela veio à tona pela primeira vez em julho, devido a alegações de que o regime chinês encobriu dados de vírus durante os estágios iniciais do surto.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas