Turquia não apoia adesão da Finlândia e Suécia à OTAN

"Estamos acompanhando os desenvolvimentos em relação à Suécia e Finlândia, mas não temos opiniões positivas"

Por Allen Zhong 

O Presidente turco Tayyip Erdogan jogou água fria em qualquer afiliação potencial à OTAN pela Finlândia e pela Suécia.

“Estamos acompanhando os desenvolvimentos em relação à Suécia e Finlândia, mas não temos opiniões positivas”, disse Erdogan a repórteres.

Ele criticou os países escandinavos como “casas de hóspedes” para organizações terroristas e deu a entender que alguns terroristas estão no parlamento em alguns países.

“Não é possível que sejamos a favor”, acrescentou.

Erdogan também disse que permitir a entrada da Grécia na Otan foi um erro que ele não quer repetir com a Finlândia e a Suécia.

A Turquia criticou repetidamente a Suécia e outros países da Europa Ocidental por lidarem com organizações consideradas terroristas por Ancara, incluindo os grupos militantes curdos PKK e YPG, e os seguidores do clérigo islâmico Fethullah Gulen, com sede nos EUA.

Ancara diz que os Gulenistas realizaram uma tentativa de golpe em 2016. Gulen e seus apoiadores negam a acusação.

As observações do líder turco podem representar um problema para a Suécia e a Finlândia, já que os novos membros da Otan precisam de um acordo unânime.

Em resposta, o ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto, pediu paciência e uma abordagem passo a passo em resposta à resistência turca. Ele também disse que deveria se encontrar com seu homólogo turco em Berlim no sábado.

Enquanto isso, a Suécia disse que continua confiante de que pode obter apoio unânime para qualquer pedido da Otan que possa apresentar.

Os Estados Unidos estão tentando esclarecer a posição da Turquia.

“Em termos dos comentários que o presidente Erdogan fez, estamos trabalhando para esclarecer a posição da Turquia”, disse Karen Donfried, secretária assistente para a Europa e Assuntos Eurasianos do Departamento de Estado, durante uma ligação com repórteres.

O tema será discutido na reunião ministerial da Otan no fim de semana, em Berlim, com a presença de ministros das Relações Exteriores da Turquia, Suécia e Finlândia, entre outros, disse Donfried.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e a primeira-ministra da Suécia, Magdalena Andersson, trocam documentos enquanto assinam uma declaração de solidariedade política na residência de verão do primeiro-ministro sueco em Harpsund, Suécia, em 11 de maio de 2022 (Jonathan Nackstrand/AFP via Getty Images)
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e a primeira-ministra da Suécia, Magdalena Andersson, trocam documentos enquanto assinam uma declaração de solidariedade política na residência de verão do primeiro-ministro sueco em Harpsund, Suécia, em 11 de maio de 2022 (Jonathan Nackstrand/AFP via Getty Images)

Finlândia e Suécia já são o parceiro mais próximo da OTAN, participando de muitas reuniões, recebendo regularmente informações sobre a situação na Ucrânia e participando de exercícios militares regulares com aliados da OTAN.

Grande parte de seu equipamento militar é interoperável com os aliados da OTAN.

No entanto, eles não podem se beneficiar da cláusula de defesa coletiva da OTAN até que se juntem à aliança.

A invasão da Ucrânia pela Rússia levou os dois países a buscarem mecanismos de defesa coletiva com a adesão à OTAN como uma opção.

Os dois países assinaram novos acordos de segurança com o Reino Unido na quarta-feira.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, prometeu apoiar as forças armadas de ambos os países caso sejam atacados.

A Reuters contribuiu para a reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas