Quase 300 mil sírios voltam para casa após operações militares da Turquia

Mais de 3,5 milhões de refugiados sírios estão abrigados na Turquia

Por Reuters

ISTAMBUL (Reuters) – Quase 300 mil sírios retornaram ao seu país depois das duas operações transfronteiriças da Turquia no norte da Síria, disse o ministro do Interior, Suleyman Soylu, em 22 de dezembro.

A Turquia realizou duas operações, apelidadas de “Escudo do Eufrates” e “Ramo de Oliveira”, contra a milícia curda YPG e o grupo terrorista ISIS no norte da Síria. Ancara considera o YPG apoiado pelos Estados Unidos como uma organização terrorista.

A Turquia abriga mais de 3,5 milhões de refugiados sírios que fugiram do conflito em sua terra natal. Alguns turcos os vêem como um fardo econômico e uma ameaça aos seus empregos.

“O número de sírios que retornaram ao país após as operações do Escudo do Eufrates e do Ramo de Oliveira é de 291.790”, relatou a agência de notícias estatal Anadolu à agência de notícias Soylu.

Os militares turcos entraram no noroeste da Síria em duas ofensivas, formando uma zona tampão de facto.

O primeiro, “Escudo do Eufrates” em 2016, expulsou o ISIS do território ao longo da fronteira. O segundo, “Ramo de Oliveira”, lutou contra a região de Afrin que estava nas mãos das forças curdas da Síria nesta primavera.

Soylu também disse que mais de 250.000 migrantes ilegais foram capturados na Turquia em 2018, sem especificar suas nacionalidades, acrescentando que isso mostrou um salto de mais de 50% em relação ao ano anterior.

Ele disse que os esforços intensificados da polícia turca e das forças de segurança e da guarda costeira para reprimir a migração ilegal restringiram o fluxo de migrantes para países da Europa Ocidental.

A Turquia tornou-se um dos principais pontos de partida para mais de um milhão de imigrantes ilegais do Oriente Médio e da África que estão tomando a rota marítima para o território da União Europeia em 2015.

O afluxo de migrantes ilegais foi drasticamente reduzido por um acordo de 2016, entre Ancara e a União Européia, para fecharem a rota de imigração depois de centenas de pessoas terem morrido na travessia para as ilhas gregas.

O presidente Tayyip Erdogan disse na sexta-feira que a Turquia adiaria uma operação militar planejada contra combatentes sírios curdos no nordeste da Síria, enquanto “cautelosamente” acolhia a decisão de Washington de retirar suas tropas na área.

Por Ali Kucukgocmen

 
Matérias Relacionadas