Publicado em - Atualizado em 09/03/2012 às 0:00

Tulsi, a rainha das ervas

Ocimum tenuiflorum, também conhecido como tulsi ou manjericão sagrado. (Wikimedia)A tulsi, ou manjericão sagrado, também conhecida como “a rainha das ervas” (Ocimum sanctum), é muito apreciada entre os indianos devido a seu efeito calmante e capacidade de promover o bem estar.

A tulsi é um arbusto que floresce em vermelho, branco e roxo, e é considerada a erva mais importante da medicina natural ayurvédica indiana. Ela diminui inflamações e infecções, baixa níveis de colesterol, limpa toxinas do corpo, tem propriedades antibacterianas e ajuda a digestão.

Esta erva também fortalece o sistema imunológico e promove a concentração.

Diz-se que um lar hindu não está completo sem esta planta crescendo no jardim ou pátio. Indianos mais crentes acreditam que ela pode proteger a casa e a família. Muitas casas ostentam a planta crescendo à entrada. Elas podem também ser encontradas nos templos indianos e nepaleses. Seu nome, traduzido do sânscrito, significa “A Incomparável”.

Esta erva conquistou as casas de chá da Alemanha, onde a tulsi é servida combinada com outras misturas aromáticas. Tomado quente ou frio, o chá preparado com a tulsi é igualmente saboroso. Recentemente, provei um chá excelente feito de tulsi e rooibos verde, camomila e flores de rosa.

Histórico

A tulsi é conhecida por diversos nomes, incluindo tulassi, manjari, krishna tulsi, trittavu, tulshi, thulsi, manjericão real e manjericão sagrado.

A tulsi tem muitos ramos e cresce até cerca de 73 a 91 cm. A planta tem folhas ovais de até 5 cm de comprimento. Existem dois tipos de tulsi: a de folha verde é chamada shri tulsi, e a de folha vermelha é chamada krishna tulsi. Suas sementes são lisas e sua cor vai do amarelado ao avermelhado. As folhas de tulsi contem óleo essencial.

Outros parentes da planta são Ocimum Canum (ram tulsi ou kali tulsi), Ocimum Basilicum, Ocimum Kilmand e Ocimum Scharicum.

A tulsi é cultivada em larga escala no Gir Wildlife Santuary e no Sasan Gir National Park na Índia, mas também cresce livremente nos trópicos e regiões quentes.

As sementes de tulsi germinam facilmente e a planta é principalmente colhida na primavera. As sementes regadas regularmente germinam em uma ou duas semanas. A tulsi prefere solos ricos e luz solar direta.

Usos medicinais

A tulsi é tomada como chá infuso. O óleo extraído da tulsi é usado principalmente em produtos de higiene. Contudo, seu óleo também é usado para mordidas de inseto e infecções bacterianas na pele. A rama tulsi é um eficaz remédio para síndrome respiratória aguda. O sumo de suas folhas alivia constipação, febre, bronquite e tosses.

A tulsi também é usada em gotas paras os ouvidos e ajuda no tratamento da malária. Ela é muito eficaz para indigestão, dor de cabeça, histeria, insônia e cólera. Milhões de pessoas consomem folhas frescas de tulsi todos os dias.

A madeira de tulsi é considerada mais poderosa que qualquer pedra para proteger uma pessoa de influências negativas. Assim, muitas pessoas usam camas de tulsi, pois é dito que possuem certas propriedades físicas e medicinais. Uma pessoa pode comprar diversas peças de joalheria feitas à mão a partir da madeira de tulsi.

Importância cultural

A tulsi é considerada uma planta sagrada no subcontinente indiano, e é estimada pelo senhor Vishnu. Ela simboliza a pureza.

A tulsi deve seu nome a Tulasi Devi que foi uma das eternas consortes do senhor Krishna. Na Índia, as pessoas cultivam a tulsi para propósitos religiosos e a veneram. Suas folhas são usadas nos templos para adoração e em ocasiões especiais tais como casamentos.

Mesmo hoje, as pessoas na Índia possuem tulsi em vasos. Os ramos, as folhas, as sementes e até o solo onde a tulsi se encontra é considerado sagrado. De acordo com os textos antigos, a tulsi é glorificada por aproximar as pessoas do divino.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016