Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo 5

Quando Jiang Zemin fechou o Herald ele estava estabelecendo as bases para obter a mais alta autoridade possível dentro do Partido Comunista Chinês

Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês será preso. Jiang governou oficialmente o regime chinês por mais de uma década, e por outra década ele foi o mestre das marionetes nos bastidores que freqüentemente controlava os eventos. Durante essas décadas, Jiang causou danos incalculáveis à China. Neste momento, quando a era de Jiang está prestes a terminar, o Epoch Times republica em forma de série “Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin”, publicado pela primeira vez em inglês em 2011. O leitor pode vir a compreender melhor a carreira desta figura central na China de hoje.

Capítulo 5: Ao fechar o Herald antes do Massacre do Tiananmen, Jiang encontra o caminho mais rápido para Pequim (1989-1990)

De todos, Jiang Zemin foi o que mais se beneficiou do Massacre do Tiananmen. No entanto, as opiniões variam sobre como Jiang, que estava prestes a se aposentar como secretário do Partido na cidade de Xangai, tornou-se o “núcleo” do PCC, controlando os três poderes—o Partido, o governo e o exército. As respostas para esse quebra-cabeça podem ser encontradas na biografia bajuladora de Jiang de Robert Kuhn, The Man Who Changed China. A “biografia” é, claro, mais ficção política do que qualquer coisa, visto que todos os entrevistados de Kuhn foram cuidadosamente selecionados. Felizmente, para os chineses que viveram sob a tirania por tantos anos, distinguir o fato da fantasia não é tão difícil. Pode-se dizer que é uma habilidade nascida da “cultura do Partido Comunista” da China e, portanto, um traço exclusivo desse ambiente.

1. O estopim – a morte de Hu Yaobang

Quando Jiang Zemin fechou o jornal liberal World Economic Herald, com sede em Xangai, ele estava estabelecendo, sabendo ou não, as bases para obter a mais alta autoridade possível dentro do Partido Comunista Chinês. Foi assim que Kuhn escreveu detalhes sobre o evento do Herald.

No início de 1989, as reformas econômicas impulsionadas por Deng Xiaoping deram novo fôlego à China, mas criaram, ao mesmo tempo, alguns fenômenos perturbadores. Embora a economia nacional tenha crescido continuamente e cada vez mais produtos tenham aparecido no mercado, a receita tributária do governo central proveniente das províncias da China foi reduzida em um terço. A taxa de inflação começou a se aproximar de 20%. Os preços em alta e as compras decorrentes do medo tornaram-se parte da vida urbana. Cada vez mais empresas estatais (SOEs) sofreram perdas e falências, deixando milhares de trabalhadores SOE desempregados. Os conflitos entre os interesses velados do novo sistema econômico e os do antigo tornaram-se mais pronunciados. Todos sabiam que alguns empresários enriqueceram, enquanto muitos trabalhadores e técnicos de uma estatal perderam seus benefícios trabalhistas e pensões. O número de desempregados tornou-se enorme—tão grande que se poderia dizer que uma nova classe surgiu. A diferença de renda entre ricos e pobres estava aumentando rapidamente.

Durante aquele período, o que as pessoas mais odiavam era a especulação oficial. Por volta de 1985, a China começou a adotar um “sistema duplo de preços” para os preços de compra de produtos agrícolas, preços de atacado dos principais produtos industriais e bens que estavam em falta. Ou seja, os produtos que estavam dentro do plano do Estado foram comprados a preços estipulados pelo Estado, enquanto os produtos que iam além do plano do estado foram comprados a preços de mercado muito mais elevados do que os preços do Estado. O objetivo era resolver o problema do enorme excesso de demanda por produtos materiais e garantir que os planos estaduais obrigatórios fossem executados a baixo custo. No entanto, os “aproveitadores oficiais”, como ficaram conhecidos, que possuíam “documentos oficiais” compraram bens que estavam em falta—como o aço—a preços de estado e depois os venderam a preços de mercado. Os preços de mercado podem ser várias vezes mais altos do que os preços estatais.

Com uma frequência cada vez maior, os oficiais do governo do PCC estavam usando suas posições e poder para encher seus próprios bolsos e aumentar seu prestígio. E isso foi feito, dessa forma, sem envolvimento em negócios reais. Em vez disso, deram projetos de negócios lucrativos e recomendações em áreas que exigiam cotas para seus parentes e amigos. Muitos dos escritórios de representação e hotéis de primeira classe em Pequim, por exemplo, têm um grupo único de indivíduos. Esses indivíduos, que têm milhões de yuans em mãos, fixam seus olhos nas autoridades de Pequim de vários ministérios. O objetivo é gastar dinheiro com eles em troca de licenças de importação e várias cotas. Assim que obtêm esses documentos, eles os usam para ganhar dezenas de milhões de yuans ou mesmo centenas de milhões. A reforma unidimensional do PCC criou, assim, um sistema bastante deformado, que fomentou um excelente ambiente para funcionários do governo conspirarem com empresários. Esses funcionários sujos, interessados em lucro, fariam qualquer coisa imaginável às custas do público, pois no final as margens nasceriam do mesmo modo pelo povo. Em 1988, impressionantes 356,9 bilhões de yuans foram gerados pela diferença de preços criada pelo sistema de preços duplos, que representou 30% do PIB naquele ano. Abusando de suas posições e poder, filhos e parentes da elite dominante enriqueceram da noite para o dia com a venda de seus documentos oficiais.

O próprio termo “especulação oficial” reflete a corrupção do PCC. O desejo do povo por uma reforma abrangente, como uma corrente oculta, estava se espalhando pela sociedade. A qualquer momento, uma faísca poderia ter desencadeado uma série de explosões.

Em 15 de abril de 1989, Hu Yaobang, um reformista de mente aberta que havia sido virtualmente destituído do cargo de Secretário Geral do PCC, sofreu um ataque cardíaco repentino em uma reunião do Politburo do Partido. Uma semana depois, Hu faleceu. Sua morte encheu os corações das pessoas de tristeza e perda. Muitos nutriam até mesmo um profundo ressentimento, sentindo que as perspectivas de uma reforma democrática seriam agora severamente afetadas.

Naquela mesma noite de abril, os alunos da Universidade de Pequim começaram a fazer coroas de flores no campus em homenagem à sua morte; grandes cartazes com letras podiam ser vistos em todos os lugares, inclusive nas paredes e nas árvores. Entre 15 e 17 de abril, a poesia comemorativa aparecendo em grandes cartazes com letras salpicou os campi da Universidade de Pequim, da Universidade Qinghua, da Universidade do Povo, da Universidade Normal de Pequim, da Universidade Chinesa de Ciência Política e Direito e de muitas outras escolas, cada uma delas desejando marcar a morte de Hu. Na segunda-feira, 17 de abril, vários milhares de alunos deixaram seus campi e caminharam até a Praça Tiananmen. Eles colocaram coroas de flores ao pé do Monumento Memorial do Povo, seguraram faixas com os dizeres “Em memória de Hu Yaobang” e gritaram slogans como “eliminar a corrupção”, “governar o país pela lei” e “abaixo à burocracia!” Enquanto isso, estudantes de todo o país ecoaram suas ações com manifestações em grande escala, assembleias e atividades de petições. Em poucos dias, o movimento estudantil cresceu ainda mais, clamando por um diálogo entre os líderes do país e os estudantes. O objetivo agora era promover reformas políticas e fazer com que o país fomentasse a democracia e o Estado de direito.

Na noite de 25 de abril, a China Central Television (CCTV) transmitiu várias vezes, em seu programa nacional de notícias na TV, um editorial do Diário do Povo intitulado “Devemos nos opor inequivocamente ao tumulto”. O editorial condenou as ações dos alunos e afirmou que eles tinham “perturbado a ordem social”. Eles também alegaram que a natureza das ações dos alunos era “ilegal” e pediram o fim da comoção. No dia seguinte, o editorial real foi publicado no Diário do Povo.

O editorial declarou que, “Isso é uma conspiração”, “Seu propósito é desmoralizar o povo e desorganizar todo o país” e que “Seu objetivo final é negar fundamentalmente a liderança do Partido Comunista Chinês, negar todo o sistema socialista”, entre outras afirmações bizarras.

O editorial de 26 de abril descreveu o movimento estudantil como uma “turbulência”, uma designação que os alunos acharam terrivelmente enfadonha. Com a aproximação de 4 de maio —uma data que geralmente lembra os protestos estudantis históricos (de 1919) que galvanizaram o patriotismo chinês logo após o Tratado de Versalhes—, o movimento estudantil mais uma vez se expandiu. Vários dias antes, houve uma marcha liderada por vários professores mais velhos. Eles seguravam uma faixa branca com as palavras de um conhecido autor dizendo: “Tendo ficado ajoelhado por tanto tempo, levante-se e ande por aí”. Muitos dos idosos começaram a refletir sobre as últimas décadas, sobre tempos cheios de tumulto. Foi uma época em que os intelectuais chineses se ajoelharam diante do Partido, e foram forçados a louvá-lo. Eles não tiveram chance de se levantar e projetar uma voz de consciência independente. Na verdade, foram os professores seniores que estiveram na frente da marcha. Como algo assim nunca havia acontecido durante todo o reinado do PCC, isso foi percebido como algo ameaçador.

Em 13 de maio, os estudantes fizeram greve de fome na Praça Tiananmen para pedir um diálogo em igualdade de condições entre o governo e os estudantes. A esperança deles era que o governo tomasse medidas concretas para resolver os problemas do país. Enquanto isso, milhares de civis de Pequim, funcionários do governo e jornalistas saíram às ruas para apoiar os estudantes.

Paralelamente ao editorial do Diário do Povo de 26 de abril, houve uma campanha de “limpeza” contra o World Economic Herald, liderada por Jiang Zemin. A ação adicionou lenha ao fogo. Jiang, como secretário do Partido em Xangai, pressionou muitos dos anciões do Partido a usar a força e o derramamento de sangue para alcançar a “estabilidade”.

2. O evento Herald

O regime do PCC carece de qualquer legitimidade e, como tal, está perpetuamente preocupado em como manter o poder. O comportamento, pensamentos e ações de Hu Yaobang e Zhao Ziyang—que foram vistos como “insatisfatórios” pelo Comitê Central do Partido—apenas exacerbaram essas preocupações. Tornou-se crítico que o PCC encontrasse um secretário-geral qualificado para o Partido. A maneira como Jiang Zemin lidou com todo o fechamento do Herald ganhou a confiança dos membros seniores do PCC, e logo eles acreditaram que ele deveria ser o sucessor de Hu.

No início do movimento estudantil de 1989, a participação era limitada a alunos e alguns professores. O ponto de virada que transformou um pequeno movimento estudantil em um nacional mais amplo foi a campanha de Jiang para “limpar”, como ele via, o World Economic Herald em Xangai.

Como muitos devem saber, a morte de Hu Yaobang desencadeou o evento do Herald. O fundador e editor-chefe do World Economic Herald foi Qin Benli, um intelectual na casa dos setenta anos que os editores de notícias tinham em alta consideração. Sua publicação promoveu ideias democráticas e conquistou a confiança de mais de 300.000 leitores com alto nível educacional, tendo um peso significativo na definição do tom das discussões nacionais.

No quarto dia após a morte de Hu Yaobang (19 de abril), os editores do Herald realizaram um fórum. Qin achava que o fórum deveria abordar questões sociais e políticas pertinentes, em vez de apenas seguir os movimentos usuais de homenagear o falecido líder. A sugestão de Qin foi aceita por todos os participantes. No fórum, outra figura, Dai Qing, falou sobre a história de 70 anos do PCC e o destino de seus antigos secretários gerais. Ela argumentou que nenhum secretário-geral do Partido teve um bom final; todos foram substituídos por meio de uma “transição de poder” não processual.

Em 20 de abril, o Departamento Municipal de Propaganda de Xangai foi informado de que o Herald publicaria uma coluna especial em luto pelo camarada Hu Yaobang. Chen Zhili, que era Chefe do Departamento de Propaganda (agora Ministro da Educação), relatou isso imediatamente a Jiang Zemin. (Isso irritou Jiang e outras autoridades porque Hu Yaobang havia caído em desgraça com o Partido). Na tarde de 21 de abril, Jiang enviou Zeng Qinghong, Secretário Municipal Adjunto do Partido, junto com Chen Zhili para falar com Qin Benli, o editor-chefe. Qin Benli os informou que o Herald realmente publicaria em sua próxima edição várias páginas do fórum de 19 de abril que ocorreu em Pequim; o fórum foi organizado conjuntamente pelo Herald e pela New Observation Press em homenagem ao camarada Hu Yaobang. Zeng e Chen pediram a Qin que enviasse prontamente uma cópia da próxima edição do Herald para que eles pudessem examiná-la antes da publicação. Às 8h30 da noite seguinte, durante uma discussão sobre cópia da edição 439 do Herald, Zeng exigiu que Qin reduzisse a coluna em cerca de 500 palavras. O conteúdo a ser descartado foi principalmente discursos de Yan Jiaqi e Dai Qing.

Qin Benli se manteve firme, porém, enfatizando que o governo havia aprovado a implementação de um sistema que deu a um editor-chefe a palavra final sobre o conteúdo de seu jornal. Ele prosseguiu: “Se algo der errado, assumirei a responsabilidade por isso. De qualquer forma, o camarada Jiang Zemin ainda não leu a cópia, e nem o município nem o Departamento de Propaganda devem assumir a responsabilidade por quaisquer consequências decorrentes de sua publicação”.

Zeng Qinghong respondeu com raiva: “Agora, a questão não é quem será responsável por isso, mas como isso afetará a sociedade como um todo”. Qin insistiu que a decisão fosse deixada para ele e, no final, não concordou em cortar nada. Incapaz de persuadir Qin, Zeng relatou a Jiang Zemin o que havia acontecido.

Jiang não tinha imaginado que Qin Benli seria tão teimoso, nem mesmo que Zeng Qinghong deixaria de persuadi-lo. Então ele conversou com Wang Daohan, o presidente do Herald, sobre o assunto. Com Wang atrás dele, Jiang exigiu que Qin, em termos severos, fizesse alterações na versão final. Wang usou ainda a lógica do Partido para persuadir Qin. Jiang e Wang foram além de pressionar Qin por revisões para, por meio de palavras açucaradas, tentar convencê-lo a remover a versão final por completo. Àquela altura, porém, mais de 100.000 exemplares do jornal já haviam sido impressos, com 400 entregues a varejistas privados. O mesmo volume de jornais foi enviado diretamente para Pequim. Embora 20.000 cópias tenham sido retiradas de circulação, o impacto já havia sido feito. O artigo havia sido impresso na íntegra.

Na manhã de 22 de abril, o funeral de Hu Yaobang foi realizado no Grande Salão do Povo. O presidente Yang Shangkun foi o anfitrião do funeral, que contou com a presença de altos funcionários. Embora Jiang Zemin, que estava em Xangai, se opusesse ao funeral, ele enviou uma coroa de flores a Pequim em sinal de “luto”.

Na noite após o Diário do Povo ter publicado seu editorial, “Devemos inequivocamente nos opor à turbulência”, Jiang organizou uma reunião de emergência dos secretários municipais do Partido que durou até 1h. Ele pediu que medidas rápidas e drásticas fossem tomadas. Mais cedo naquele dia, em uma grande reunião com a presença de 14.000 membros do PCC, Jiang anunciou a demissão de Qin Benli de seu cargo e a reestruturação do World Economic Herald.

Em 27 de abril, Jiang enviou Liu Ji e Chen Zhili, os líderes do Grupo de Liderança na Reestruturação da Cidade de Xangai, para assumir o comando do Herald. Chen, tão implacável quanto Jiang, seguia todas as ordens de Jiang. Chen demitiu todos os funcionários do Herald e proibiu todos os seus editores de trabalhar em qualquer mídia.

Chen, uma associado leal de Jiang, foi visitar Qin durante os últimos dias de vida dele. Na época, Qin estava sofrendo de câncer e estava acamado. Chen inicialmente parecia gentil e agradável. Embora as pessoas inicialmente pensassem que ela devia ter pelo menos um ou dois traços de sentimento humano, para sua surpresa, o que Chen fez foi ler em voz alta para o moribundo Qin uma nota disciplinar do PCC contra ele. Seu objetivo não poderia ter sido mais claro: ela queria que Qin não apenas morresse, mas que morresse sem paz.

Os esforços reformistas dos editores do Herald acabaram conquistando o apoio e a admiração de muitas pessoas, tanto na China como fora dela. No entanto, na biografia de Kuhn de Jiang, o incidente do Herald foi completamente retrabalhado e reembalado de acordo com a agenda de Jiang. Qin e os outros editores são descritos por Kuhn como “dúbios”, [1] como “providos de fingimento”, [2] como tendo feito “um argumento que desafiava a lógica” [3] e tendo perpetrado um “ato explícito de provocação”[4] contra Jiang. Na versão de Kuhn da história, Jiang, no mais improvável dos giros, é retratado como a vítima,e seu grupo tendo sido de alguma forma “enganado”. [5]

Introdução – Índice

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas