Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo 4

Jiang nunca toleraria ninguém que deixasse de cumprir suas exigências, muito menos estudantes que o tivessem desafiado e constrangido diante de uma multidão

Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês será preso. Jiang governou oficialmente o regime chinês por mais de uma década, e por outra década ele foi o mestre das marionetes nos bastidores que freqüentemente controlava os eventos. Durante essas décadas, Jiang causou danos incalculáveis à China. Neste momento, quando a era de Jiang está prestes a terminar, o Epoch Times republica em forma de série “Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin”, publicado pela primeira vez em inglês em 2011. O leitor pode vir a compreender melhor a carreira desta figura central na China de hoje.

Capítulo 4: 

Mareando as velas para lidar com a revolta dos estudantes de Xangai; bajulando o escalão superior para subir ainda mais (1985-1989)

1. Fazendo conexões e bajulando pessoas estratégicas para se tornar o líder de Xangai

É como se Jiang Zemin tivesse um vínculo indissolúvel com Xangai. Embora ele fosse um traidor na cidade de Nanjing, sua transferência para a Universidade Jiaotong de Xangai permitiu que ele escondesse seu passado de traição. Seu desempenho enquanto trabalhava no Ministério da Indústria Eletrônica foi apenas medíocre, mas ele se tornou Prefeito e Secretário do Comitê do Partido do Município de Xangai. Isso deu a Jiang a oportunidade de sentir o que era esmagar a dissidência com violência, enquanto reprimia os alunos que se manifestavam. Depois de ascender à posição de secretário-geral do PCC, Jiang não poupou esforços para estabelecer a apropriadamente chamada “Gangue de Xangai” para garantir a estabilidade de seu poder. De forma que, assim que a crise da SARS surgiu, Jiang recuou para Xangai e se escondeu.

A nomeação de Jiang Zemin para uma posição em Xangai em 1985 foi o resultado do forte endosso de Chen Guodong, o secretário do Comitê do Partido do município de Xangai e o prefeito de Xangai, Wang Daohan. Chen e Wang não agiram apenas para o bem do Estado, mas também para retribuir a boa vontade [do tio de Jiang] Jiang Shangqing.

Jiang Shangqing havia sido superior imediato de Wang Daohan. Durante o período inicial da Guerra de Resistência contra o Japão, Wang Daohan ocupou o cargo de Secretário do Comitê do PCC do Condado de Jiashan, na província de Anhui. Ele se reportava diretamente a Jiang Shangqing. Chen Guodong, entretanto, tornou-se magistrado do condado de Anhui Lingbi devido à forte recomendação de Jiang Shangqing.

Quarenta anos depois, aqueles dois quadros do PCC com histórico no sistema da China Oriental foram nomeados altos funcionários provinciais. Em gratidão, eles deram o apoio máximo a Jiang Zemin, o suposto filho adotivo do falecido Jiang Shangqing.

Quando olhamos as histórias das pessoas que apoiaram Jiang Zemin, podemos ver que não foi devido a suas habilidades que Jiang subiu ao poder, mas sim por sua conexão com um homem falecido que o teria adotado.

Todo inverno, os anciãos do PCC se retiram para Xangai. Esse fato deu a Jiang muitas chances de obter favores de autoridades influentes e chegar mais perto de realizar suas ambições políticas. As habilidades de Chen Yun e Li Xiannian de influenciar, respectivamente, o Comitê Central do PCC e os membros do Conselho de Estado, deram a Jiang a oportunidade de manobrar sua ascensão.

Chen Yun nasceu em Xangai. Após a Reunião de Zunyi, enquanto o Exército Vermelho estava fugindo para o Norte, Chen recebeu a ordem de restabelecer operações secretas do PCC em Xangai. Depois que o PCC assumiu o poder e estabeleceu seu governo, Chen, que ocupou simultaneamente o cargo de Secretário da Secretaria do Comitê Central e Vice-Premier do Conselho Administrativo do Estado (agora conhecido como Conselho de Estado), também foi nomeado diretor do Comitê Financeiro e Econômico. Praticamente todos os quadros intimamente associados a Chen e que apoiavam uma economia planejada eram os chamados “esquerdistas” e politicamente conservadores. O parente de Chen, Song Renqiong, que mais tarde ocupou o cargo de Ministro do Departamento de Organização do Comitê Central do PCC, junto com o aluno de Chen, Yao Yilin e os quadros do sistema da China Oriental, eram virtualmente todos da camarilha de Chen. A camarilha também incluía um apoiador de Chen, Zeng Shan, que era o Diretor do Comitê Financeiro e Econômico da região da China Oriental e pai de Zeng Qinghong, um atual membro do Comitê Permanente do Politburo. Outros que já estiveram no cargo de Chen Yun incluíram pessoas como Chen Guodong, Wang Daohan e o chefe do Departamento de Organização do Escritório da China Oriental, Hu Lijiao. Li Xiannian, no entanto, estava constantemente envolvido em conflitos com Deng Xiaoping, afirmando suas reservas sobre, e posteriormente rejeitando, as políticas de “reforma e abertura” econômicas de Deng.

Embora Deng Xiaoping fosse o líder central da liderança da segunda geração, Chen Yun e Li Xiannian o restrigiam constantemente enquanto lutavam pelo poder. Nenhum dos lados, entretanto, jamais alcançou uma posição absolutamente dominante. Jiang Zemin, que na época era prefeito de Xangai, atendeu e bajulou Chen e Li, elogiando seus planos econômicos. Mas, ao mesmo tempo, Jiang não se atreveu a ofender Deng Xiaoping. E na frente de Hu Yaobang e Zhao Ziyang, o conservador Jiang Zemin se transformaria em uma pessoa completamente diferente, pois ele sentia que era necessário concordar e expressar externamente um interesse pela reforma econômica.

2. A primeira sensação de sucesso após supressão da dissidência com violência

Jiang Zemin veio para Xangai numa época em que a reforma urbana estava apenas começando. Os cidadãos se depararam com preços de produtos alimentícios não básicos e outras necessidades básicas diárias que aumentaram inesperadamente 17% em apenas um ano. O PCC alegou que o aumento dos custos foi apenas um precursor de um avanço econômico. Não só não houve avanços no preço das mercadorias, mas os preços altos até levaram ao descontentamento público e deram origem a um movimento estudantil. Os estudantes exigiram que o governo resolvesse dois problemas: o aumento do custo de vida e a corrupção de funcionários públicos.

Naquela época, era Hu Yaobang quem presidia o Comitê Central do PCC, então, naturalmente, Jiang Zemin se apresentou como parte do campo reformista. Jiang foi a uma universidade para fazer um discurso para mais de 10.000 professores e alunos. Lá ele reconheceu que o aumento nos preços estava além das expectativas, mas explicou que a economia de mercado acabaria por estabilizar os preços, tornando-os razoáveis. Os alunos acreditaram em Jiang na época. Enquanto isso, longe, em Pequim, estava Hu Yaobang, que havia começado a pressionar ativamente por reformas políticas.

Uma série de eventos significativos ocorreu em 1986. Em julho, não muito depois de fazer um estudo de graduação na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, o vice-presidente da Universidade de Ciência e Tecnologia da China (na província de Anhui), Fang Lizhi, efetuou uma série de discursos que defendem os princípios democráticos. Em setembro, o primeiro partido de oposição de Taiwan, o Partido Democrático Progressivo (DPP), fundado 14 anos antes, venceu as eleições gerais e preparou o terreno para mudanças políticas na República da China (Taiwan). A notícia foi transmitida pela Voz da América e ouvida por muitos estudantes na China. Aqueles que foram inspirados pela ideia de democracia ficaram particularmente entusiasmados ao saber que Taiwan, tendo a mesma língua e origem racial da China Continental, poderia formar um partido de oposição.

O final de 1986 foi o ponto crítico que levou os alunos a começarem a protestar. Provocá-los foi uma estipulação do Comitê do Partido da Universidade de Ciência e Tecnologia de que estudantes de graduação e pós-graduação não podiam concorrer contra os candidatos designados para os cargos de Representante do Povo nas eleições na província de Anhui. No início de dezembro, mais de 10.000 estudantes da universidade foram às ruas duas vezes para protestar. A notícia se espalhou por Xangai, o que levou a uma expansão do movimento: estudantes da Universidade Shanghai Tongji e da Universidade Shanghai Jiaotong tomaram as ruas sucessivamente em resposta, clamando por democracia, liberdade, igualdade e a abolição da ditadura autocrática. O clamor mais tarde se espalhou por Pequim e por todo o país.

Os estudantes em Xangai exigiram diálogo com Jiang Zemin, bem como, entre outras coisas, reforma política, liberdade de imprensa e um afrouxamento dos controles governamentais. Em 8 de dezembro daquele ano, Jiang e o Ministro da Propaganda do Comitê do Partido Municipal de Xangai mantiveram um diálogo na Universidade Jiaotong de Xangai com os alunos. O que se sucedeu foi dramático em vários aspectos.

Jiang Zemin subiu ao pódio com uma folha de papel nas mãos. Ele colocou os óculos de lentes grossas, desdobrou o papel e começou a falar sobre as realizações dos planos econômicos de cinco anos. Os alunos, no entanto, estavam visivelmente desinteressados—os mais de 3.000 alunos vaiaram e assobiaram para Jiang. Um irado Jiang ergueu os olhos, sorriu com desprezo e encarou os alunos, tentando identificar os perpetradores. Os alunos continuaram vaiando, imperturbáveis. Alguns até gritaram: “Esse seu plano, temos lido sobre ele nos jornais e visto na TV todos os dias. Desta vez, você deve nos ouvir!” Outros alunos começaram a gritar slogans.

Jiang Zemin, com severidade em sua voz, apontou para o aluno mais barulhento e disse: “Zombar de mim não vai levar você a lugar nenhum. Deixe-me dizer a você, eu vi muita agitação! Qual o seu nome? Eu te desafio a subir ao pódio. Eu te desafio a fazer um discurso!”

Para a surpresa de Jiang, o aluno se levantou e subiu ao pódio. Ele pegou o microfone e começou a falar com confiança sobre seus pontos de vista sobre a democracia. Então, cerca de 10 outros alunos se levantaram e subiram ao pódio, ficando cara a cara com Jiang, prontos para o debate. As pernas de Jiang começaram a tremer conforme as coisas intensificaram. Os estudantes exigiram liberdade de imprensa, reportagens abertas e imparciais sobre suas marchas e manifestações e debates abertos na forma de grandes cartazes. O público direcionou sua atenção para os discursos dos alunos.

O mais chocante para Jiang foi que os alunos chegaram a fazer uma pergunta extremamente delicada: “Como você se tornou prefeito?” Jiang sorriu sem jeito em resposta enquanto recuava para a beira da plataforma. Quando as pessoas desviaram sua atenção dele, Jiang fez sinal ao Ministro da Propaganda, Chen Zhili, para tirar fotos de cada aluno que subisse ao pódio. Ele queria se vingar deles mais tarde. Depois dos discursos carregados de emoção dos alunos, finalmente foi a vez de Jiang falar. Ele disse: “Assim que entrei no campus, vi seus grandes pôsteres”. Jiang se esforçou ao máximo para forçar um sorriso e continuou dizendo: “Você quer estabelecer um governo ‘do povo, pelo povo e para o povo’. Isso é do discurso de Lincoln em Gettysburg, dado em 19 de novembro de 1863 para comemorar os mártires da Guerra Civil Americana. Agora eu quero perguntar a você, qual de vocês pode recitar o discurso palavra por palavra?”

Os alunos barulhentos ficaram em silêncio, imaginando que truques Jiang tinha na manga. Diante do silêncio dos alunos, Jiang, acostumado ao uso do exibicionismo para distrair de questões reais, recuperou a confiança. Ele criou coragem, pigarreou e começou a recitar em voz alta, em inglês, o preâmbulo da Constituição dos Estados Unidos e, em seguida, o discurso de Gettysburg de 1863 de Lincoln. Na noite anterior, ele havia ensaiado várias vezes, para memorizá-los.

Após a Revolução Cultural e no estágio inicial da reforma e período de abertura, a proficiência dos alunos em inglês era, com certeza, em geral não tão alta. Jiang Zemin tagarelou em sua recitação até não conseguir recitar mais. Com um olhar triunfante, ele perguntou: “Você entendeu isso? Eu lhe digo, a situação na China é diferente da situação da América…” Quando Jiang começou a divagar sobre como a liderança do Partido seria necessária para a democracia, um estudante gritou a plenos pulmões: “Queremos ter a liberdade de marchar e manifestar-se agora—como garante a Constituição! E ter notícias divulgadas livremente!” Jiang retraiu seu sorriso forçado. Com um olhar feroz que camuflou o coração fraco por dentro, Jiang acrescentou: “Quem bloqueia o tráfego e sabota a produção está obstruindo as reformas e, portanto, deve arcar com as consequências políticas!” Os alunos, não se curvando nem por persuasão nem por ameaças, permaneceram fervorosos em seu desafio a Jiang Zemin, embora tivessem perdido o microfone.

A reunião da tarde durou mais de três horas. À medida que a atmosfera ficava cada vez mais tensa, Jiang mentiu e disse que tinha um compromisso relacionado a relações exteriores e precisava sair. Em pânico e ansioso para escapar, ao sair, Jiang acidentalmente bateu com a cabeça em uma porta parcialmente aberta. Embora o corte não fosse profundo, sangrou muito. Jiang não suportava a ideia de esperar ali, na cena do crime, para curar seu ferimento, então ele usou as mãos para cobrir a testa, saiu apressado, entrou no carro e foi embora. A saída de pânico de Jiang foi por algum tempo a piada comum entre os alunos.

Era surpreendente que, como prefeito de Xangai, a primeira coisa que Jiang fez ao retornar ao seu escritório foi dar um telefonema para o secretário do Comitê do Partido da Universidade Jiaotong de Xangai, He Yousheng. Jiang instruiu He a ir até Chen Zhili e coletar as fotos dos alunos daquela tarde. Jiang o incentivou repetidamente a descobrir os nomes dos alunos e os anos de aula. He Yousheng percebeu a seriedade do assunto e garantiu repetidamente a Jiang que agiria de acordo.

Imediatamente depois, Jiang Zemin instruiu que, como a Xanghai Jiaotong University estava engajada na “liberalização burguesa”, ela deveria fechar todas as organizações e publicações estudantis; dali em diante, apenas festas dançantes seriam permitidas. Foi assim que Jiang distraiu as pessoas de suas preocupações com a democracia e os direitos humanos, satisfazendo seus desejos mais básicos—um método que ele continua usando até o presente. E a tática se mostrou bastante eficaz. Quando o movimento estudantil começou em 1989, estudantes em diferentes partes do país marcharam e se organizaram como um incêndio. Os alunos da Xanghai Jiaotong University, no entanto, fecharam suas portas e deram festas dançantes a noite toda, como já haviam feito antes. Só quando os estudantes de Pequim começaram uma greve de fome em 13 de maio de 1989, que muitos estudantes universitários em Xangai saíram para marchar e expressar apoio. Mas os alunos da Shanghai Jiaotong University, agora indiferentes, continuaram preocupados em promover festas dançantes diariamente. Foi só quando o governo impôs a lei marcial em 19 de maio de 1989, que os alunos da Universidade de Jiaotong saíram em massa para se juntar às marchas em grande escala.

No dia seguinte ao “diálogo” de Jiang Zemin em 1986 com os alunos da Universidade de Jiaotong, os alunos de Xangai saíram às ruas e se reuniram na Praça do Povo, marchando até o governo da cidade e exigindo mais diálogo com Jiang. O pedido foi atendido, mas a reunião, do início ao fim, não foi diferente da do dia anterior. Jiang aprendeu com o primeiro encontro e usou isso a seu favor na segunda vez. Ele rapidamente ordenou que 2.000 policiais ficassem parados na Praça e aguardassem seu comando. Jiang desta vez, desfrutando da proteção das forças armadas, não estava mais cheio de sorrisos forçados. Ele jogou duro e se recusou a ceder um centímetro—uma mudança camaleônica desde o dia anterior. O diálogo terminou em impasse e a polícia foi usada para dispersar os alunos à força; os mais rebeldes foram levados de ônibus. Os alunos se dispersaram em alvoroço. Para Jiang, o episódio foi uma amostra do doce sucesso—sucesso no uso do poder e da força política para suprimir os dissidentes.

O altamente vingativo Jiang nunca toleraria ninguém que deixasse de cumprir suas exigências, muito menos estudantes que o tivessem desafiado e constrangido diante de uma multidão. Os alunos cujas fotos foram tiradas por Chen Zhili não estavam no mesmo ano de aula e, portanto, se formaram em épocas diferentes. Naquela época, a China tinha um sistema pelo qual o governo alocava os graduados em diferentes locais. Jiang Zemin—o prefeito—envolveu-se pessoalmente desta vez no trabalho mesquinho de acompanhar para ver para onde os alunos eram enviados. Ele não ficou satisfeito até que cada um dos alunos que o haviam desafiado fossem mandados para as áreas mais remotas e pobres da China.

Introdução – Índice

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas