Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo 3

Jiang Zemin se beneficiou muito ao longo do caminho por ser membro do PCC

Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês será preso. Jiang governou oficialmente o regime chinês por mais de uma década, e por outra década ele foi o mestre das marionetes nos bastidores que freqüentemente controlava os eventos. Durante essas décadas, Jiang causou danos incalculáveis à China. Neste momento, quando a era de Jiang está prestes a terminar, o Epoch Times republica em forma de série “Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin”, publicado pela primeira vez em inglês em 2011. O leitor pode vir a compreender melhor a carreira desta figura central na China de hoje.

Capítulo 3

Um chefe da seção em busca de promoção: um aproveitador calculista usa mentiras, ostentação e promessas vazias para subir na carreira (1956–1985)

1. A origem do apelido de Jiang que soa ocidental, “Kericon”

Em 1956, Jiang Zemin completou 30 anos. No início do ano, ele terminou seu treinamento na Stalin Automobile Works em Moscou e voltou para a cidade de Changchun, no nordeste da China, para se preparar para a construção da fábrica automotiva nº 1 de Changchun; a instalação estava programada para começar a operar oficialmente naquele verão. Jiang começou como chefe de seção do departamento de força motriz. Logo em seguida, após a produção do primeiro caminhão Liberation Brand, ele foi promovido a vice-diretor da divisão. Os superiores imediatos de Jiang eram um técnico soviético e um diretor, Chen Yunqu. Embora Chen fosse um especialista, ele não tinha as credenciais adquiridas ao se tornar um membro do PCC, e foi assim que Jiang, um membro de pleno direito do Partido, tornou-se secretário do ramo do Partido na divisão. 

Jiang Zemin se beneficiou muito ao longo do caminho por ser membro do PCC. Desde a chegada do PCC ao poder na China, os membros do Partido sempre, em questões de escolha de pessoal, eram privilegiados e eram colocados em posições importantes. Os não membros—sejam trabalhadores de colarinho branco ou azul—têm, por outro lado, sido recebidos com desconfiança. Jiang não tinha um histórico de “envolvimento revolucionário” nas atividades do PCC, sendo, em vez disso, um traidor que recebeu sua educação na Universidade Central fantoche e um homem que já havia trabalhado para o KMT (antes do PCC tomar Xangai). Em circunstâncias normais, tudo o que alguém com o perfil de Jiang poderia esperar seria ser alvo de uma “reforma” ou, na melhor das hipóteses, tornar-se um funcionário provisório. Assim, Jiang usou o status de mártir do PCC de seu tio, Jiang Shangqing, para garantir uma designação um tanto gloriosa, “o filho adotivo de um mártir”, e assim ele inventou uma história de adoção. Jiang, portanto, tornou-se um quadro no qual o PCC sentiu que podia confiar. Jiang era, então, uma descoberta rara para o PCC: um homem do Partido e alguém com boas habilidades técnicas.

Enquanto estava na fábrica, Jiang conheceu seu “conterrâneo” Shen Yongyan—um homem que, como Jiang, veio da região das províncias de Jiangsu e Zhejiang. Os dois se tornaram amigos e passavam o tempo ocioso à noite se reunindo e conversando. Durante as pausas do trabalho, eles costumavam jogar pingue-pongue. Diz-se que Jiang, depois de perder—um acontecimento supostamente frequente, — murmurou algumas palavras em russo e se sentou ao lado.

Em termos de habilidades técnicas de Jiang, seus colegas sabiam que ele não era bom em seu trabalho. Mas Jiang era bom em alguma coisa: conversar. Seu talento estava concentrado em sua boca. Seu relacionamento com o especialista soviético na fábrica era muito colegial, atingindo novos patamares sempre que as canções folclóricas russas entravam em cena. O forte de Jiang não era tanto resolver problemas técnicos, mas sim acompanhar as delegações que visitavam a fábrica. Seus colegas, assim, deram-lhe, em tom de brincadeira, um apelido que soava estranho, “kericon”—um nome sugestivo da época. Kericon é um personagem de um romance russo que faz afirmações falsas, exageradas e vazias, sendo uma pessoa sempre interessada em fazer as coisas para seu próprio benefício; ao assumir qualquer trabalho real, sua incompetência é exposta. O apelido Kericon não apenas se adequava à personalidade de Jiang, mas também se adequava aos padrões que o PCC usava para promover as pessoas.

O PCC surgiu com uma série de frases e ideias bastante ridículas ao longo dos anos, como, “um paraíso comunista na terra”, “as Quatro Modernizações”, “estar razoavelmente bem de vida” e “Três Representam”, entre outras. Mesmo agora, ainda tenta, em vão, convencer o povo da China de que vive em uma sociedade supostamente “harmoniosa”. Mas o PCC não está realmente muito envolvido na produção de coisa alguma, e quando encontra crises, simplesmente recorre a matar pessoas. Então, depois que a crise passou, ele continua a existir por meio de vanglória e engano. É por esta razão que consideram indispensáveis os quadros adeptos do exagero e da mentira. Durante o Grande Salto Adiante de Mao (1958–1962), o exagero e a mentira chegaram ao auge; uma rápida olhada nos noticiários oficiais daquele período dá uma ideia rápida das coisas.

Vale a pena relatar um caso. Em 8 de junho de 1958, os jornais noticiaram pela primeira vez que a produção de trigo no condado de Suiping, província de Henan, era de 1.052,5 quilos por ton. [1] Em 18 de setembro de 1958, o Diário do Povo informou que a produção de arroz na Cooperativa de Produtores Agrícolas da Bandeira Vermelha no condado de Huanjiang, província de Guangxi, chegou a 65.217 kg por ton. Em julho daquele ano, o boletim do Ministério da Agricultura afirmava que a produção de grãos de verão aumentou 69% em relação ao ano anterior, com a produção total até superando a dos Estados Unidos em 2 bilhões de quilos. Um “Grande Salto Adiante” teria suportamente ocorrido também na indústria automobilística. Em meio ano, mais de 200 tipos de automóveis foram projetados e fabricados. Além disso, o PCC alegou que a tecnologia avançada, como motores em V, equipamento de direção hidráulica e transmissões automáticas, estava sendo colocados nos novos veículos. Dizia-se que a indústria automobilística da China estava avançando rapidamente e ultrapassando outros países.

Um dos automóveis mais avançados teria sido supostamente criado por Jiang Zemin e seus colegas de trabalho. O novo automóvel empregava uma bomba de ar de madeira e um corpo de bambu. Jiang Zemin se formou em engenharia na escola, então, é claro, ele sabia que as “invenções” de seu grupo não eram de fato muito úteis, falando de maneira prática, embora fossem úteis em termos de impressionar as pessoas. Jiang percebeu que estava, por estar no espírito das coisas, mostrando que estava em sintonia com o Partido e que somente assim poderia continuar a subir na hierarquia. Depois de chegar a esse entendimento, Jiang sempre conseguia encontrar uma razão para seus subordinados completarem as tarefas atribuídas a eles pelo PCC, por mais absurdas que fossem.

Durante o Grande Salto Adiante—uma era em que uma pessoa poderia realizar pouco sem mentir—a fábrica automotiva nº 1 de Changchun passou por uma reorganização entre o final de 1958 e o início de 1959, quando a divisão de energia foi dividida e transformada em um ramo próprio. Foi então que Jiang Zemin, que vinha construindo suas credenciais ao seguir as ordens do PCC, de fato subiu outro degrau e foi nomeado chefe do ramo.

2. Uma época em que as pessoas morreram de fome

O Grande Salto Adiante trouxe problemas econômicos e uma fome de proporções desastrosas. Como os fazendeiros foram organizados à força em “Comunas do Povo” para fundir o aço, ninguém ficou para cultivar a terra ou colher os grãos. E os grãos que cada família economizava eram apreendidos e colocados nas cantinas das comunas, onde todos deveriam comer. Como resultado, algumas pessoas ficaram sem comida e a morte por fome começou a ocorrer nas áreas rurais. Em pouco tempo, a fome se espalhou por todo o país, incluindo cidades. Os especialistas estimam que de 1959 a 1961, entre 20 milhões e 50 milhões de pessoas morreram de fome. Em muitas áreas onde a fome foi particularmente severa, as pessoas até comeram os filhos de outras pessoas. Na área de Xinyang da província de Henan e no condado de Renshou da província de Sichuan, assim como em outras áreas, algumas famílias e vilas inteiras morreram de fome. Em algumas áreas, 9 entre 10 casas ficaram vazias.

O nordeste da China desfruta do benefício natural de ter muita terra e menos pessoas. Portanto, as condições lá eram um pouco melhores durante aquele período de três anos. Mesmo assim, os trabalhadores da fábrica automotiva não tinham o que comer. Mesmo os trabalhadores que faziam trabalho pesado recebiam racionamento de apenas 15 quilos de grãos por mês e tinham que comprá-los com seus cartões de racionamento. Jiang Zemin passou a não gostar de estar no nordeste cada vez mais.

Em 1956, logo depois de Jiang ter retornado da União Soviética, ele e sua esposa Wang Yeping e seus dois filhos se mudaram de Xangai para Changchun. Devido aos cargos que Jiang ocupou, as condições de vida de sua família eram muito boas em Changchun. Eles não só tinham a renda de Jiang, mas sua esposa também tinha um bom salário. A família de Jiang recebeu um apartamento de três quartos no quarto andar. O apartamento estava equipado com sistema de aquecimento central de estilo soviético, fogão a gás, banheiro privativo e janelas com vidros duplos, preferidos no frio severo do nordeste da China. A maioria dos chineses teria inveja dessas condições de vida. Embora os preços fossem muito baixos na época, o que a maioria das pessoas sonhava era conseguir encher o estômago com coisas como pão de milho cozido no vapor. Mas mesmo durante os anos de fome, Jiang Zemin queria comer frango todos os dias.

As condições em Changchun não eram agradáveis para a esposa de Jiang, que estava acostumada a viver na região ao sul do rio Yangtze. Em Changchun, ela só podia usar saias alguns dias por ano; na maior parte do tempo, ela tinha que se envolver em uma jaqueta de algodão grossa e pesada e calças acolchoadas de algodão. Então ela, como alguém que amava se vestir lindamente, foi amarga com Jiang Zemin e o culpou por ter mudado a família para um lugar tão gelado e frígido.

Wang Daohan, oficial do PCC, enviou Jiang Zemin para seu treinamento na União Soviética, desejando ajudá-lo a ganhar uma promoção no futuro. Mas, como consequência, Jiang acabou tendo que deixar Xangai para trabalhar em Changchun. Jiang odiava deixar a próspera Xangai e as margens do rio Huangpu, que o lembrava dos dias felizes de sua juventude. Mas, olhando as coisas de uma perspectiva de longo prazo, Jiang percebeu que mudar para Changchun acabaria pagando dividendos e gerando promoções.

A esposa de Jiang, Wang Yeping, cresceu em Xangai. Ela é sobrinha de Wang Zhelan, que é esposa de Jiang Shangqing—o tio martirizado de Jiang Zemin. Ela se formou no Shanghai Foreign Language Institute e é dois anos mais nova que Jiang Zemin. Depois que o caçador de saias Jiang foi transferido da Universidade Central fantoche dos japoneses em Nanjing para a Universidade Jiaotong de Xangai, ele visitou a família de Wang algumas vezes. Ele e Wang Yeping estavam um tanto interessados um no outro, embora nenhum dos dois tenha pensado muito nisso na época. Em 1949, quando era óbvio que o PCC logo tomaria o poder, Jiang teve uma ideia e começou a perseguir Wang Yeping.

Wang Zhelan tinha algum ressentimento em relação à família de Jiang Shijun (pai biológico de Jiang Zemin). Quando seu marido, Jiang Shangqing, faleceu, o PCC ainda era chamado de “bandidos comunistas”. Sendo um irmão mais velho, Jiang Shijun aconselhou Jiang Shangqing a deixar os bandidos comunistas, mas sem sucesso. Para evitar ser implicado, ele tentou não ter muito contato com o irmão. Quando Jiang Shangqing morreu, Jiang Shijun pensou que era culpa de seu irmão mais novo e, portanto, embora ele fosse do tipo que se entregava a gastos extravagantes, ele nunca deu à família de Wang Zhelan qualquer ajuda financeira. A viúva de 28 anos viveu uma vida difícil criando filhas de um e três anos. Quando Jiang Zehui, sua segunda filha, foi entrevistada por Kuhn, ela disse: “Nossa família tinha pouco para comer, às vezes nem tinha comida”. [2]

Depois que o PCC assumiu o poder, a situação se inverteu. Jiang Shijun baixou a cabeça e as coisas ficaram difíceis para seus filhos também. Jiang Zemin então começou a, a fim de solidificar o título de “filho adotivo do mártir” que tanto buscava, fazer esforços para estreitar seu relacionamento com a família de Wang Zhelan. Quando Wang Zhelan visitou a casa de seus pais em Xangai e viu que Jiang Zemin e sua sobrinha estavam namorando, Wang Zhelan não percebeu o que Jiang tinha em mente. Ela achava que Jiang era diferente de seu pai infeliz e desleal e, como tal, estava satisfeita com o relacionamento deles. Em dezembro de 1949, nem mesmo dois meses após a posse oficial do PCC, Jiang Zemin casou-se rapidamente com Wang Yeping. O casamento estampou de uma vez por todas o glorioso título de “filho adotivo de um mártir”, como se isso estivesse escrito na testa de Jiang.

Pouco depois, a tia Wang Zhelan encontrou um emprego em um banco em Xangai. Depois de se aposentar, ela foi cuidada por sua filha mais velha, Jiang Zeling, por mais de 20 anos. Cerca de um mês depois que Jiang Zemin se tornou prefeito de Xangai, ela morreu na cidade de Yangzhou aos 74 anos.

Índice

Introdução

Capítulo 1 – Adoção por um homem morto: a mentira que enganou o PCC

Capítulo 2 – Exibindo habilidades literárias, pai e filho ganham um favor especial

Capítulo 3  – Um chefe da seção em busca de promoção: um aproveitador calculista usa mentiras, ostentação e promessas vazias para subir na carreira (1956–1985)

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também

 

 

 

 
Matérias Relacionadas