Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo 21

Depois que Jiang Zemin foi processado em Chicago, ele ficou preocupado com a questão de como lidar com os esforços judiciais do Falun Gong

Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês será preso. Jiang governou oficialmente o regime chinês por mais de uma década, e por outra década ele foi o mestre das marionetes nos bastidores que freqüentemente controlava os eventos. Durante essas décadas, Jiang causou danos incalculáveis à China. Neste momento, quando a era de Jiang está prestes a terminar, o Epoch Times republica em forma de série “Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin”, publicado pela primeira vez em inglês em 2011. O leitor pode vir a compreender melhor a carreira desta figura central na China de hoje.

Capítulo 21: Ondas de litígio surgem ao redor do globo; pego na rede da justiça, Jiang não tem onde se esconder

Depois que Jiang Zemin foi processado em Chicago, ele rapidamente ficou preocupado com a questão de como lidar com os esforços judiciais do Falun Gong.

Foi dito que Jiang ordenou: “Tudo deve ser feito para evitar que o Falun Gong ganhe as ações judiciais”. O Falun Gong, portanto, tornou-se a primeira prioridade, tanto militar quanto economicamente. Jiang estava disposto a fazer enormes sacrifícios econômicos em troca da intervenção—ou ajuda, isto é—do governo dos Estados Unidos no litígio a que estava sujeito. Para esse fim, Jiang discretamente despachou uma equipe de 27 membros para a embaixada chinesa em Washington, DC. A missão da equipe era identificar os hobbies e interesses de congressistas e senadores para que Jiang pudesse, agindo de acordo com esses insights, ganhar seu apoio e fazê-los fazerem lobby em seu nome.

No entanto, no geral as coisas não correram como Jiang esperava. Em junho de 2005, 35 advogados de 29 países se reuniram para trabalhar como uma equipe para levar Jiang à justiça; até o momento, o grupo entrou com 16 ações judiciais contra Jiang em 15 países diferentes. Contando os casos contra Jiang e mais 22 processos contra oficiais do PCC, um total de 47 processos foram ajuizados em conexão com a repressão ao Falun Gong. Isso representa o maior esforço jurídico internacional de direitos humanos desde o rescaldo da Segunda Guerra Mundial.

À luz disso—tanto na medida em que afetaram e perturbaram Jiang quanto em sua estatura histórica internacional—os processos justificam um exame mais atento.

1. O primeiro processo judicial contra Jiang

Em agosto de 2000, Chu O-ming de Hong Kong e Wang Jie de Pequim enviaram uma carta de petição à Procuradoria Popular Suprema em Pequim, acusando Jiang, Lou Gan e Zeng Qinghong de banir e suprimir o Falun Gong ilegalmente. Este foi o primeiro processo contra Jiang. Depois que a Procuradoria recebeu a carta, os réus Jiang e Luo Gan emitiram pessoalmente uma ordem para prender os queixosos. Duas semanas após o envio da carta, os dois demandantes foram presos em Pequim. Entre eles, Wang Jie foi perseguido até a morte em 2001, e Chu O-ming foi condenado a cinco anos de prisão secretamente e desde então está preso na prisão de Tianjin Chadian.

Desde que a facção de Jiang começou a perseguir o Falun Gong de forma abrangente em 1999, Chu O-ming e Wang Jie compraram livros sobre a lei, em busca de disposições legais relevantes dentro deles, e posteriormente redigiram resumos detalhando a ilegalidade da perseguição à luz dos fatos e de suas pesquisas. Eles terminaram de escrever a carta de petição para a Procuradoria Popular Suprema em julho de 2000. A carta de petição acusava Jiang (então Presidente, Secretário Geral do Partido Comunista Chinês e Presidente da Comissão Militar Central), Luo Gan (então Conselheiro de Estado e Secretário do Comitê Político e Judiciário) e Zeng Qinghong (então membro do Politburo, chefe do secretariado do Comitê Central do PCC e Ministro da Organização) de perseguir o Falun Gong, alegando que eles “mancharam seriamente a reputação do Estado, a moralidade social e minaram as instituições, a constituição e a lei do Estado”. [1] Em 25 de agosto, Chu O-ming e Wang Jie enviaram a carta de uma agência dos correios localizada na Changan Street em Pequim.

Depois que Jiang e Luo Gan souberam disso, eles ficaram nervosos e exasperados e imediatamente ordenaram uma caça em massa como se fosse um grande incidente. Logo depois, descobriu-se que Chu O-ming já havia atuado como gerente do departamento de comércio internacional da Yanshan Petrochemical Company em Pequim. Seguindo essa pista, por volta das 23h no dia 7 de setembro, duas semanas após o envio da carta, mais de 20 policiais disfarçados dos distritos de Haidian e Fangshan cercaram o apartamento onde Chu O-ming e Wang Jie estavam temporariamente hospedados, e Wang e Chu foram presos.

Jiang e Luo Gan descarregam sua raiva pessoal

Depois que Chu O-ming e Wang Jie foram presos em 7 de setembro, não houve mais notícias sobre eles. Depois que seguidores do Falun Gong e amigos que se importavam com eles perguntaram sobre sua situação por vários canais, eles descobriram que os dois foram “presos por ordens diretas de Jiang e Luo” e que “ninguém tinha permissão para investigar este assunto ou interceder por eles”.

Depois que Chu O-ming e Wang Jie foram presos, Jiang e Luo Gan não tinham nada para interrogá-los, mas estavam determinados apenas a descarregar seu rancor pessoal. Portanto, os policiais não se preocuparam em interrogá-los, mas sim espancá-los e torturá-los. No entanto, ambos estavam decididos e firmes e preferiam morrer a se render. Como Wang Jie era cidadão chinês (Chu não), ele foi sujeito a métodos de tortura ainda mais horríveis.

Em 30 de novembro de 2000, o Hospital de Pequim de Medicina Chinesa e Ocidental escreveu no “Registro de Diagnóstico e Tratamento” de Wang Jie (registro médico nº 53791) “[Wang] foi tratado no hospital de 24 a 30 de novembro, um total de sete dias. O diagnóstico de alta foi insuficiência renal crônica, glomerulonefrite”. Naquela época, o peso de Wang Jie havia caído de 70 quilos antes de sua prisão para 50 quilos depois de sua prisão.

Em 30 de novembro de 2000, os parentes de Wang Jie foram notificados pelas autoridades para pagar a fiança de Wang e aguardar o julgamento. De acordo com fontes internas, na época Wang Jie estava completamente desorientado. Ele havia perdido o controle do intestino e da bexiga e precisava de diálise todos os dias. Repórteres viram outra declaração, onde se lia que Wang Jie foi tratado no Hospital da Amizade de Pequim, afiliado à Capital University of Medical Sciences, de 30 de novembro a 16 de dezembro (um total de 16 dias), com um custo total de 9.806,98 yuans (US$ 1.200 ) principalmente do custo da diálise.

Quando Wang Jie foi hospitalizado no Hospital da Amizade de Pequim, os policiais o vigiaram no hospital todos os dias. Sua saúde nunca melhorou e ele não disse uma palavra durante esse tempo. Posteriormente, os policiais permitiram que sua família o trouxesse de volta para casa para ser tratado pela medicina tradicional chinesa com a pré-condição de que ele deveria estar “aguardando julgamento”. A intenção deles era permitir que ele se recuperasse para que pudessem prendê-lo novamente e persegui-lo continuamente.

“O momento mais doloroso foi quando os policiais me deram uma joelhada nos rins”

Depois que Wang Jie foi trazido de volta para casa, seus sintomas foram melhorando. No entanto, ele ainda não conseguia mover seu corpo, para não mencionar andar. Quando seus familiares perguntaram por que tipo de sofrimento ele havia passado enquanto estava sob custódia policial, ele não respondeu, mas seus olhos se encheram de lágrimas.

No final de abril de 2001, Wang Jie foi trazido para o exterior com a ajuda de algumas pessoas muito gentis. Em 2 de maio, alguns praticantes do Falun Gong descobriram que Wang Jie apresentava sintomas de perda de memória, dificuldades respiratórias e fraqueza muscular extrema. Alguém trouxe artigos do site Minghui que descreviam situações muito difíceis (incluindo a terrível polícia despejando água fervente, queimando charutos, congelando e espancando) que os adeptos do Falun Gong sofreram e histórias de cultivo lendárias sobre a difícil jornada de vida de Buda Milarepa, tudo para encorajar Wang Jie. Um dia, Wang de repente começou a falar, dizendo: “Já passei por todas essas torturas”. Wang uma vez perguntou a um adepto ao lado dele: “Você já ouviu falar da Caverna Zhazi? Sofri torturas semelhantes às experimentadas na Caverna Zhazi”. O amigo perguntou: “Quando eles estavam batendo em você, você estava com medo?” Wang Jie, que era reservado por natureza, de repente abriu amplamente os olhos e disse: “Isso seria impensável!”.

A pele de Wang Jie ao redor de seus tornozelos estava desgastada até os ossos por ter ficado algemada por tanto tempo. As feridas não cicatrizaram por um longo tempo depois. Wang disse que um dos meios de tortura frequentemente usados pela polícia era envolver uma pessoa com uma camada de algo antes de espancá-la violentamente. Dessa forma, as feridas não seriam visíveis.

Certa vez, um amigo perguntou a Wang: “Qual foi o seu momento mais doloroso?” Wang respondeu: “O momento em que os policiais me deram uma joelhada nos rins”. Depois que Wang foi sequestrado no Centro de Detenção do Distrito de Fangshan, ele foi espancado pela polícia todos os dias. Os policiais receberam instruções de Jiang e Luo Gan e não tinham intenção de interrogá-lo, mas o espancaram constantemente, sem piedade. Depois que os cruéis policiais o acertaram com uma joelhada nos rins, Wang entrou em coma por um mês e só recuperou a consciência depois de ser resgatado.

Em seus últimos dias, Wang desenvolveu suores noturnos e hematêmese. Às vezes, depois de comer um ou dois bocados de comida, ele vomitava sangue violentamente, e o sangue era espesso e de aparência farinácea. Ao relembrar essa experiência, uma fonte disse que esse era um sintoma frequentemente associado a danos ao sistema nervoso central. Wang Jie na época estava extremamente fraco. Para manter a respiração durante o sono à noite, ele precisava remover lentamente a cueca para aliviar a pressão do elástico contra sua cintura. Mas ele suportou a dor silenciosa e firmemente. Na meia-noite de 18 de junho de 2001, Wang Jie caiu no chão do banheiro e nunca mais se levantou. Ele tinha 38 anos na época.

Em fevereiro de 2001, os familiares de Chu O-ming foram notificados pelas autoridades para irem ao distrito de Fangshan buscar Chu O-ming. No entanto, quando seus familiares chegaram ao distrito de Fangshan, os policiais alegaram que ele já havia sido preso, mas não divulgaram quem o pegou.

Em abril de 2001, os familiares de Chu foram notificados novamente e souberam que Chu foi secretamente condenado a cinco anos de prisão e transferido para a prisão de Tianjin Chadian. Os policiais o vigiavam de perto. Chu foi chamado de “o último na prisão”, pois não apenas se recusou a sofrer uma lavagem cerebral e transformação, mas também escreveu cartas de apelação todos os meses.

Os policiais disseram-lhe que enquanto ele redigisse uma das “quatro declarações” (declaração de garantia, declaração de arrependimento, declaração de separação, denúncia e declaração crítica), ele seria libertado. Mas Chu manteve sua crença e nunca fez concessões. Além disso, as autoridades prisionais nunca enviaram as cartas de apelo escritas por Chu aos escritórios designados.

A partir de agosto de 2001, os praticantes do Falun Gong em Hong Kong e na América fizeram muitos esforços para pedir a libertação de Chu O-ming, que é residente de Hong Kong. A mídia estrangeira, como a Associated Press, BBC, Agence France Presse, Apple Daily e assim por diante, relataram esta história.

Indice – Introdução

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 

 
Matérias Relacionadas