Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo 20

Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês será preso. Jiang governou oficialmente o regime chinês por mais de uma década, e por outra década ele foi o mestre das marionetes nos bastidores que freqüentemente controlava os eventos. Durante essas décadas, Jiang causou danos incalculáveis à China. Neste momento, quando a era de Jiang está prestes a terminar, o Epoch Times republica em forma de série “Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin”, publicado pela primeira vez em inglês em 2011. O leitor pode vir a compreender melhor a carreira desta figura central na China de hoje.

Capítulo 20: Correndo para evitar a SARS; tentando de tudo para manter o controle dos militares (2003)

1. SARS

Em 2003, a terrível epidemia de SARS varreu o mundo.

A SARS se espalhou por quase 30 países e infectou mais de 8.000 pessoas. Mais de 800 morreram como resultado. O prejuízo econômico foi estimado em US$ 30 bilhões. A China teve o maior número de infecções. O número de infecções em Hong Kong e na China continental representou 80% de todas as infecções em todo o mundo. Mas a comunidade internacional suspeitou que o PCC distorceu muito os números. O número real de infecções foi provavelmente muito maior.

Encobrindo a epidemia para permanecer no cargo

A SARS surgiu pela primeira vez no sul da China em novembro de 2002.

Aconteceu durante o 16º Congresso do PCC, e Jiang Zemin estava preocupado em manter sua posição como Presidente da Comissão Militar Central (CMC). A mídia chinesa foi obrigada a criar uma “boa atmosfera política” e repetir o slogan de Jiang de “estabilidade acima de tudo”. O memorando interno do PCC circulado pelo Ministério da Propaganda dizia explicitamente que a SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave), também chamada de “pneumonia atípica”, era uma das coisas que não deveria ser relatada publicamente.

Todas as outras comunidades de língua chinesa no mundo chamam a doença de “Síndrome Respiratória Aguda Grave” ou SARS. Apenas o Partido Comunista Chinês a chamou de “pneumonia atípica”, provavelmente para reduzir o nível de pânico entre o público. Mas uma ação real deveria ter sido tomada para realmente diminuir o pânico. Mudar o nome serviu apenas para baixar a guarda das pessoas. Quando o público não tem informações factuais, é mais provável que acredite em rumores e entre em pânico. O resultado final é que essa estratégia enganosa—renomear a doença—foi um produto da política de Jiang Zemin de “estabilidade acima de tudo”.

Quando o primeiro caso de SARS foi descoberto na China, o ramo de propaganda chefiado por Li Changchun, que era membro da facção de Jiang, membro do Comitê Permanente do Politburo e então secretário do Partido da província de Guangdong, fez o possível para encobri-lo. Então, a epidemia se espalhou gradualmente para outras províncias. Quando Li Changchun deixou Guangdong, opiniões divergentes começaram a surgir entre as autoridades da província de Guangdong. Quando alguns jornais locais noticiaram a SARS, Jiang Zemin nomeou rapidamente o então secretário do Partido para a província de Zhejiang, Zhang Dejiang, como secretário do Partido para a província de Guangdong. Zhang tornou-se o supervisor imediato do Diretor do Departamento de Propaganda da Província de Guangdong, Zhong Yangsheng, e proibiu repetidamente a mídia de noticiar a SARS. No final de fevereiro e início de março, o Departamento de Propaganda da Província de Guangdong chegou a supervisionar a reorganização dos principais jornais. Após a reorganização, a mídia de Guangdong caiu nas mãos de membros da facção de Jiang no Ministério da Propaganda. De repente, todos os relatórios sobre SARS pararam.

Esconder o desenvolvimento da SARS foi como um avestruz enterrando a cabeça na areia. Embora uma tampa pudesse ser colocada nas notícias, não era assim com o próprio vírus. A SARS se espalhou rapidamente em Guangdong. Desde o momento em que a SARS estourou globalmente em fevereiro de 2003, quase todos os dias, a mídia em todo o mundo relatou novas infecções e mortes. Ainda assim, na China, a fonte da SARS, a mídia oficial do governo ficou em silêncio.

No início de março de 2003, quando o Congresso Nacional do Povo e a Conferência Consultiva Política se reuniram em Pequim, uma notícia chocante estourou. Um médico de Guangdong estava tão doente que foi levado a Hong Kong para tratamento. Ele morreu pouco depois de chegar a Hong Kong. A mídia de Hong Kong de repente percebeu que a SARS estava muito perto deles, mas já era tarde demais. Desde então, a SARS começou a se espalhar em Hong Kong. Imediatamente, o mundo inteiro entrou em pânico. Hong Kong é importante para a economia global. É também um importante centro de transporte de pessoas e mercadorias. Todos os dias, inúmeros voos chegam e partem de Hong Kong; inúmeras pessoas vêm e vão. Era impossível rastrear e investigar todos. Depois de infectado, alguém poderia ser rastreado, mas não havia como descobrir sobre aqueles cujos casos da doença ainda estavam latentes. A Organização Mundial da Saúde solicitou que o PCC informasse imediatamente sobre as infecções de SARS e sua disseminação na China.

Em 26 de março, Zhang Wenkang, que era médico particular de Jiang Zemin, membro da facção de Jiang e ministro da Saúde da China, reconheceu publicamente a disseminação da doença pela primeira vez sob pressão da OMS. No entanto, disse que apenas 792 foram infectados em Guangdong e 31 morreram, sem mencionar a situação da epidemia nas outras províncias. Hu Jintao tentou exigir que as autoridades do governo local relatassem sobre a propagação da doença todos os dias, sem demora, omissão ou fraude. Zhang discutiu abertamente com Hu e disse que a China não tinha nenhuma lei exigindo que a situação dessas doenças fosse relatada todos os dias. Muitos observadores acreditaram que o encobrimento intencional resultou diretamente na disseminação da doença fora de controle. Da província de Guangdong, no sul da China, a SARS se espalhou para mais de 20 cidades e províncias, incluindo a capital Pequim e o complexo do governo central de Zhongnanhai. À medida que as pessoas entravam e saíam da China, a SARS rapidamente se espalhou para muitos outros países e regiões.

A New Tang Dynasty Television, uma estação de televisão independente em língua chinesa com sede na América do Norte, começou a emitir avisos e acompanhar a história já em fevereiro de 2003. Por causa da censura de notícias na China continental, o público não tinha como saber sobre esta importante notícia que poderia ameaçar sua própria existência.

Em vez disso, em 2 de abril daquele ano, a mídia estatal da China publicou um artigo intitulado “A situação da pneumonia atípica está sob controle efetivo”. No dia seguinte, o Ministro da Saúde Zhang Wenkang disse a repórteres chineses e estrangeiros em uma coletiva de imprensa: “Posso dizer com boa consciência que é seguro trabalhar, viver e viajar na China”.

Mas a essa altura, a China estava de fato em pânico generalizado. Alimentos e medicamentos que se acreditava curar ou prevenir a SARS, como a fórmula à base de ervas chinesas Banlangen, feijão Meng, vinagre branco e sal, estavam sendo adquiridos rapidamente nas grandes cidades. Os preços de muitas fórmulas de ervas chinesas dispararam. Muitas pessoas começaram a usar máscaras nas ruas. Alguém escreveu uma sátira imitando um poema de Mao Tsé-Tung: “Através dos ventos e das chuvas, a primavera chegou. SARS anunciou a primavera. Embora o cenário da primavera seja esplêndido, precisamos usar máscaras faciais grossas. Mesmo as máscaras não nos trazem segurança, então consumimos grandes quantidades de fórmulas de ervas chinesas. Quando as ervas chinesas acabam, os comerciantes astutos sorriem [já que podem ter lucro]”.

Em meio à crise, as reações do público demonstraram o grau de confiança na propaganda do governo. Embora a facção de Jiang tenha jurado que a SARS estava sob controle, um grande número de trabalhadores e estudantes migrantes em Pequim decidiu fugir para suas cidades natais. Funcionários de empresas estrangeiras também deixaram Pequim. O Washington Post relatou que um repórter local de Pequim estimou que quase um milhão de pessoas deixaram Pequim por causa da SARS. O relatório também disse que o aeroporto e as estações de trem de Pequim estavam lotados, cheios de pessoas que se preparavam para fugir de Pequim. Os campi da faculdade estavam cada vez mais vazios. Dois terços dos alunos da Universidade Central para Nacionalidades deixaram Pequim. Esse êxodo em massa espalhou ainda mais a SARS de Pequim para outras partes do país.

Quando o governo de Pequim disse repetidamente que a SARS estava sob controle na China, o Dr. Jiang Yanyong, um cirurgião aposentado do Hospital 301 do Exército de Libertação do Povo, escreveu um comunicado à mídia acusando o sistema de saúde chinês de ocultar a verdade.

O Dr. Jiang disse que, até 3 de abril, o Hospital 309 em Pequim (designado pelo Departamento de Logística Geral do PLA como o hospital especial da SARS) sozinho aceitou 60 pacientes com SARS, pelo menos seis deles morreram. Porém, de acordo com estatísticas publicadas pelo Ministro da Saúde Zhang Wenkang em 3 de abril, houve apenas 12 casos relacionados à SARS em Pequim, incluindo três mortes. O Dr. Jiang, de 71 anos, que foi contratado de volta pelo Hospital 301 como consultor após se aposentar, disse que ele e muitos médicos e enfermeiras com quem trabalhava estavam enfurecidos com a subnotificação.

Duas semanas depois, Zhang foi demitido. O público ficou indignado com tudo o que aconteceu.

A facção de Jiang continuou a tentar esconder o desenvolvimento da SARS, mas a doença permaneceu impiedosa. Em meados de abril, o SARS entrou em Zhongnanhai, o complexo central do PCC, e infectou dois membros do Comitê Permanente do Politburo: Luo Gan e Wu Guanzheng. Wu Guanzheng não foi visto em Zhongnanhai por muito tempo depois de 1º de abril. Luo Gan desapareceu dos olhos do público por vários meses depois de 12 de abril. Quando a notícia se espalhou—era ultrassecreta—Jiang Zemin ficou ansioso. A cada poucos dias, a mídia oficial do governo dizia que Luo e Wu estavam visitando este ou aquele lugar. A verdade é que os dois estavam lutando dolorosamente com o vírus SARS.

Como as notícias e declarações censuradas pelo governo do PCC escondiam a verdadeira situação da doença, medidas preventivas foram tomadas mais tarde do que deveriam, resultando na disseminação da SARS ao redor do mundo. E mais de 90 países pararam de emitir vistos para cidadãos chineses.

As consequências do silêncio inicial do PCC e seu bloqueio de informações sobre notícias relacionadas à SARS foram desastrosas. O mundo inteiro sofreu pesadas perdas econômicas e de vidas humanas. O mundo estava em choque.

Indice – Introdução

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

https://rejectccp.org/pt/

 
Matérias Relacionadas