Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo 17

Jiang toca sua própria corneta com as "Três Representações" e uma imolação encenada mascara um esquema terrível (2000-2001)

Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês será preso. Jiang governou oficialmente o regime chinês por mais de uma década, e por outra década ele foi o mestre das marionetes nos bastidores que freqüentemente controlava os eventos. Durante essas décadas, Jiang causou danos incalculáveis à China. Neste momento, quando a era de Jiang está prestes a terminar, o Epoch Times republica em forma de série “Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin”, publicado pela primeira vez em inglês em 2011. O leitor pode vir a compreender melhor a carreira desta figura central na China de hoje.

Capítulo 17:

Jiang toca sua própria corneta com as “Três Representações”; uma imolação encenada mascara um esquema terrível (2000-2001)

1. As “Três Representações”

No início de março de 2003, o jornal estatal People’s Daily publicou um editorial revelando uma nova doutrina chamada “Três Representações”, que consistia em três sentenças. Esta foi a primeira vez que a doutrina foi promulgada como “Teoria de Jiang Zemin”—como foi chamada—em escala nacional. A ampla promoção da doutrina rapidamente se tornou uma piada.

Inventando uma teoria

Como surgiu o fenômeno das Três Representações? Ninguém de fora soube a princípio. Isso mudaria, no entanto, quando, no auge da promoção da doutrina, Wang Huning não conseguiu guardar um segredo: foi ele, na verdade, o autor da doutrina. Compreensivelmente, a revelação foi chocante. Na época em que Jiang Zemin era secretário do Partido em Xangai, ele costumava recitar parágrafo após parágrafo dos artigos de Wang. Mais tarde, depois que Jiang assumiu seu posto em Pequim, Zeng Qinghong e Wu Bangguo imploraram repetidamente a Wang para ajudá-lo e mencionaram isso muitas vezes a Jiang. Wang foi então transferido para Zhongnanhai.

Foi na tarde de 25 de fevereiro de 2000 que Jiang começou a usar a nova doutrina de Wang. O cenário foi um encontro com líderes provinciais de Guangzhou no Zhudao Hotel em Guangzhou. Jiang apresentou as Três Representações recém-elaboradas, declarando: “O Partido Comunista deve sempre representar os requisitos do desenvolvimento das forças produtivas avançadas da China; a orientação do desenvolvimento da cultura avançada da China; e os interesses fundamentais da esmagadora maioria das pessoas na China”.

Mais tarde, Wang acrescentou mais algumas frases para Jiang. Em 14 de maio, em uma reunião em Xangai sobre o desenvolvimento do Partido, Jiang declarou que, “Manter sempre as Três Representações é a base da existência de nosso Partido, a base de nosso poder político e a fonte de nossa força”.

Examine todos os relatórios oficiais da mídia chinesa, se quiser, e descobrirá que nem uma única pessoa—incluindo o próprio Jiang, ao que parece—pode explicar em termos claros o que é as “três representações”. É claro que ninguém no escalão inferior do governo está prestes a se aprofundar no assunto. Em vez disso, as massas de funcionários corruptos estão diariamente preocupadas com pensamentos sobre comida e bebida, mulheres, jogos de azar, corrupção, prazer e propriedade. Quando são orientados a promover algo, eles seguem adiante; pouco se importam com o que estão promovendo.

A teoria das Três Representações equivale a pouco mais do que algumas palavras vazias. Uma pessoa com bom senso não se aventuraria a se gabar de tal coisa. Mas a teoria é muito importante para Jiang, pois uma doutrina, Jiang sabe, é necessária para um poder duradouro. Jiang há muito estava ansioso para marcar suas realizações e considerou quase todas as maneiras possíveis de se equiparar aos predecessores Mao Tsé-Tung e Deng Xiaoping. Ele precisava solidificar sua imagem como “autoridade teórica da Terceira Geração [comunista]”. Foi assim que uma doutrina vazia, por instrução de Jiang, foi levantada pela mídia estatal. Jiang esgotou sua inteligência tentando encontrar uma maneira de introduzir a doutrina na Constituição do Partido e na nação. E o resultado dos esforços de Jiang ainda pode ser sentido. Hu Jintao, o atual secretário-geral da China, presidente do Estado e chefe da Comissão Militar Central, é obrigado a defender as Três Representações. Da mesma forma, quase qualquer discurso que um oficial faça deve ser ancorado pela doutrina.

Reações mistas ao “estudar”

Apesar de Jiang pensar o contrário, apesar de toda a propaganda por meios de comunicação e apesar das inúmeras reuniões para estudá-la e implementá-la, a teoria das Três Representações não era algo que as pessoas levavam a sério.

Quando o estudo da doutrina das Três Representações na China atingiu o auge, [1] a CCTV realizou programas especiais diariamente. Uma característica da programação foram entrevistas encenadas com cidadãos sobre a teoria. Um fazendeiro idoso declarou: “Nosso vilarejo construiu uma ponte—graças às Três Representações”. Uma mulher disse: “Minha nora deu à luz um filho gordinho—graças as Três Representações”. Alguns pediram que banheiros públicos de primeira classe fossem construídos em nome das Três Representações. Na parede de um vilarejo rural foi colocada uma placa com as palavras: “Use a Três Representações para guiar nosso trabalho de abate [gado]”. Comentários enlatados de todo tipo podiam ser vistos.

Wang Bin, um repórter do jornal Epoch Times que viveu em Pequim e passou três anos difíceis em uma prisão do PCC (por suas reportagens francas), contou a seguinte história. Enquanto ele estava na prisão, as autoridades prepararam as coisas para que os prisioneiros ajudassem as autoridades a ter lucro. Alguns prisioneiros receberam a tarefa de montar e fazer literatura pornográfica, que depois foi vendida ao público. Naquela época, as Três Representações eram a palavra da moda no sistema legal politicamente sensível, e tudo tinha que estar conectado com a teoria de alguma forma. Quando os prisioneiros produziam materiais obscenos em quantidades além de uma determinada cota, eles diziam que seu vigor era o resultado da “orientação das Três Representações”.

Um secretário provincial do partido comentou: “Marcamos um horário para estudar [a doutrina]. Todos nós temos que dar um bom show e cumprir nossas obrigações para com nossos superiores. Caso contrário, como posso manter meu posto de secretário do partido? Todos deveriam cooperar”.

Alguém fez uma pergunta direta em resposta: “Mas a noção das Três Representações vai criar ciência e tecnologia de ponta, resolver problemas de desemprego e resolver o problema de ter centenas de milhões de trabalhadores excedentes no campo?”. A resposta era óbvia, pois a teoria tinha pouca relação com os desafios práticos, imediatos e reais que as pessoas enfrentavam.

Um líder de uma escola partidária provincial perguntou: “Se conseguirmos algo devido à teoria das Três Representações, então como vamos explicar os problemas e falhas em nosso trabalho? Estariam eles devendo, por sua vez, a problemas com a doutrina das Três Representações?”.

Outros avançaram na linha de questionamento, perguntando: “Por que não organizamos para que aqueles que se destacaram em aprender as Três Representações participem de eventos esportivos internacionais? Eles com certeza ganhariam medalhas de ouro, certo?”.

Rejeição

A teoria das Três Representações, apesar de toda a promoção por trás dela, foi amplamente criticada—tanto dentro quanto fora do Partido.

A Divisão de Ideologia do Qiushi Journal, o periódico oficial do Comitê Central do Partido Comunista Chinês, e o Instituto de Pesquisa Teórica da Escola do Partido do Comitê Central expressaram confusão sobre a origem das Três Representações, já que era desconhecida no círculo interno do Partido—um fato incomum para uma ideologia em nível nacional. Alguns no fórum compartilharam a opinião de que a doutrina era simplesmente para sustentar a imagem e o prestígio de Jiang. Outros comentaram que o alvoroço de “estudar” e “implementar” a teoria dentro do Partido foi um exercício de auto-ilusão que não alcançou nada de valor; era apenas como checar as coisas em uma lista de tarefas.

O ex-diretor do Instituto de Pesquisa da Reforma dos Sistemas Políticos do Comitê Central do PCC, Bao Tong, comentou que as Três Representações encapsulou a loucura e a inutilidade daqueles que a promoveram, já que “representar sempre todo o povo da China” é conversa fiada, “sempre representar a cultura avançada” é uma mentira, e “sempre representar a produtividade avançada” é basicamente igualar funcionários do governo a proprietários de empresas privadas.

Acadêmicos da Academia Chinesa de Ciências Sociais argumentaram que as Três Representações era vazia, ultrapassada e dogmática, e disseram que os comitês e governos locais do Partido estavam, em sua maioria, apenas dando andamento ao trabalho quando promoviam e estudavam a ideologia. Eles perguntaram: “Depois de três anos‘ implementando ’a doutrina, quantos problemas ela resolveu? O compromisso dogmático é prejudicial ao país e prejudicial ao povo”.

Alguns disseram que a “cultura avançada” e a “produtividade avançada” da teoria eram uma referência à chamada elite cultural—uma coleção heterogênea de acadêmicos que venderam sua integridade, proponentes da ditadura, funcionários que lucram com papéis ilícitos no comércio e empresários inescrupulosos—a mesma teoria capitalista do PCC tentava ser suplantada desde o início. Quanto aos “interesses fundamentais da esmagadora maioria das pessoas na China”, isso é um engano. Muitos dos agricultores chineses sobrevivem pelos meios mais desesperados, como vender seu sangue e órgãos e se prostituir. Depois que muitos foram infectados com AIDS, ninguém lhes deu apoio. [2] Quanto à classe trabalhadora, os “irmãos mais velhos”—como o PCC costuma chamá-los—pelo menos 30 milhões perderam seus empregos nos últimos anos, mas Jiang nunca fez qualquer esforço para representá-los.

Os planos para publicar um volume dos supostos escritos de Jiang—escritos Selecionados de Jiang Zemin sobre o Pensamento Militar—antes da 4ª Sessão Plenária encontraram obstáculos. Cerca de uma dúzia de generais do exército—entre os quais estavam Zhang Zhen, Hong Xuezhi e Yang Baibing—escreveram uma carta se opondo ao plano, dizendo que Jiang estava se posicionando de maneira inadequada. Yang chegou a declarar publicamente que as Três Representações eram lixo.

Em 2002, a realização do 16º Congresso Nacional do PCC foi adiada. De acordo com fontes internas, uma das principais razões para o atraso foi a considerável divergência de opiniões tanto dentro do Partido quanto do governo sobre o que fazer com as Três Representações e como, se for o caso, elas poderiam ser acionadas.

O alvo das piadas

O humor negro em torno das Três Representações circulou amplamente na China. Antes da recente guerra liderada pelos EUA no Afeganistão, uma piada política podia ser ouvida na China de que Bush tinha convidando Putin e Jiang para discutir como derrotar Osama Bin Laden. Bush expressou o desejo de usar mísseis; Putin disse que optaria por usar mulheres bonitas, seduzindo Bin Laden; Jiang disse que usaria as Três Representações para aborrecê-lo até a morte.

Em outra piada, Mao Tsé-Tung vê do submundo que Jiang começou a formar um culto à sua própria personalidade, então Mao ficou com um pouco de ciúme. Mao pergunta a seus compatriotas fantasmas quantos volumes a coleção de teorias de Jiang tem, aos quais eles respondem: “Não há material suficiente para preencher um volume—há apenas três discursos”. Mao então pergunta: “Quantos representantes do povo estão do lado de Jiang?”. Ao que eles respondem: “Nós contamos e recontamos, mas só pudemos encontrar  três representações”. [3]

Era evidente que as Três Representações haviam se tornado motivo de chacota—algo ridicularizado, rejeitado e detestado—na nação.

A ampla campanha promocional que iria reforçar a teoria superficial, portanto, falhou em trazer a Jiang a glória de ser “grande, visionário e extraordinário” como ele esperava. Não se pode deixar de lembrar as palavras de um antigo poeta chinês, que escreveu: “Embora alguns possam gravar seus nomes na pedra, na esperança de imortalidade, seus nomes apodrecem mais rápido do que seus cadáveres”. A tênue teoria de Jiang, alvo de piadas por toda parte, foi no final—por insistência de Jiang—adicionada à Constituição do Estado e à Constituição do Partido. Tornou-se mais um capítulo cômico da história do PCC, e talvez este tenha sido o único impacto real das Três Representações.

Índice – Introdução

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas