Trump veta resolução para conter poderes de guerra do Irã: ‘Tomei uma ação decisiva’

Por Jack Phillips

O presidente Donald Trump vetou uma resolução na quarta-feira à tarde que restringiria os poderes de guerra de seu governo depois que a Casa Branca autorizou um ataque aéreo que matou Qassem Soleimani, um importante comandante iraniano.

O Senado aprovou a resolução pela primeira vez em fevereiro, antes que o projeto fosse aprovado pela Câmara. No Senado, oito senadores republicanos se uniram aos democratas na aprovação da medida: Mike Lee (Utah), Lamar Alexander (Tennessee), Bill Cassidy (Illinois), Jerry Moran (Illinois), Lisa Murkowski (Alasca), Todd Young (Indiana), Rand Paul (Indiana) e Susan Collins (Maine).

Veja também:

Nem a Câmara dos Deputados nem o Senado provavelmente terão uma maioria de dois terços para anular o veto de Trump. Foi estipulado que Trump só poderia realizar ações militares contra o Irã com a aprovação do Congresso.

Em um comunicado, Trump disse que a medida “foi uma resolução muito ofensiva, apresentada pelos democratas como parte de uma estratégia para vencer uma eleição em 3 de novembro ao dividir o Partido Republicano”, acrescentando que os membros do Partido Republicano que votaram com os democratas “caíram nas suas mãos”.

“Ao contrário da resolução, os Estados Unidos não estão envolvidos no uso da força contra o Irã”, afirmou. “Quatro meses atrás, tomei medidas decisivas para eliminar Qassem Soleimani enquanto ele estava no Iraque. O Irã respondeu lançando uma série de mísseis em nossas forças estacionadas no Iraque. Ninguém foi morto nesses ataques”.

O comandante da Força Quds da Guarda Revolucionária Iraniana, general Qassem Soleimani, é visto no Teerã em 14 de setembro de 2013 (Mehdi Ghasemi / ISNA / AFP via Getty Images)
O comandante da Força Quds da Guarda Revolucionária Iraniana, general Qassem Soleimani, é visto no Teerã em 14 de setembro de 2013 (Mehdi Ghasemi / ISNA / AFP via Getty Images)

A lei das potências de guerra foi aprovada no contexto de crescentes tensões entre os Estados Unidos e o Irã, que dispararam um chuveiro de mísseis nas bases iraquianas que abrigam as forças americanas, resultando em ferimentos leves. Dias após os ataques, Trump impôs mais sanções ao Teerã, enquanto grupos de milícias apoiados pelo Irã no Iraque lançavam foguetes esporadicamente em outras bases aéreas iraquianas.

O ataque que matou Soleimani, que estava no comando da sombria Força Quds e foi acusado por altas autoridades americanas da morte de centenas de tropas americanas no Oriente Médio, foi autorizado por lei, segundo o presidente. Antes disso, grupos de milícias apoiados pelo Irã tentaram invadir a embaixada dos Estados Unidos em Bagdá, incendiando suas estruturas.

Enquanto isso, a resolução prejudicaria bastante a capacidade de Trump de proteger o país e “implica que a autoridade constitucional do presidente para usar a força militar se limita a defender os Estados Unidos e suas forças contra um ataque iminente”.

“Vivemos em um mundo hostil de ameaças em evolução, e a Constituição reconhece que o presidente deve ser capaz de antecipar os próximos movimentos de nossos adversários e tomar ações rápidas e decisivas em resposta”, disse Trump.

Antes de sua aprovação em fevereiro, alguns senadores argumentaram que a medida não é necessariamente sobre Trump, mas que o Congresso reafirma seu poder constitucional de declarar guerra.

“Esta resolução é sobre o Congresso reivindicar seu papel legítimo nas decisões de guerra”, disse o senador Tim Kaine (D-Va.) na época. “Enquanto o presidente tem e deve sempre ter a capacidade de defender os Estados Unidos de um ataque iminente, o poder executivo para iniciar a guerra para por aí. Uma guerra ofensiva requer debate e votação no Congresso. Esta não deve ser uma proposição controversa. Está claramente estabelecido na Constituição”.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas