Trump sugere “ir ao repórter” para encontrar fonte do vazamento no caso Roe vs. Wade

“A Suprema Corte dos EUA deve encontrar, revelar e punir quem vazou a decisão”

Por Rita Li

O ex-presidente Donald Trump disse que a Suprema Corte deveria investigar o repórter que revelou a possível decisão que criminalizaria o aborto nos Estados Unidos.

Um vazamento para a imprensa no início de maio do que parecia ser um projeto de opinião da maioria da Suprema Corte indicou que isso poderia anular o caso Roe vs. Wade, uma decisão histórica que tornou o aborto um direito constitucional em todo o país em 1973.

O Chefe de Justiça John Roberts logo depois confirmou a autenticidade do vazamento e instruiu o comissário do Tribunal a investigar o vazamento incomum.

“A Suprema Corte dos EUA deve encontrar, revelar e punir quem vazou a decisão”, escreveu Trump em um uma publicação de 22 de junho em seu site de mídia social, Truth Social. “Vá até o repórter que recebeu o vazamento”, disse o ex-presidente, descrevendo o evento como “um assunto tremendamente sério, e algo que nunca havia acontecido antes, nem remotamente, neste nível”.

O ex-presidente nomeou três juízes conservadores para a alta corte durante sua presidência.

Embora uma decisão final da Suprema Corte sobre o caso seja esperada em breve, o furo, escrito pelos repórteres do Politico Josh Gerstein e Alexander Ward, desencadeou um terremoto político em todo o país.

Os congressistas republicanos denunciaram o delator desconhecido e exigiram que ele fosse encontrado e punido, enquanto o presidente Joe Biden e líderes democratas denunciaram a tentativa de derrubar as proteções legais ao aborto.

Desde o lançamento do projeto de decisão, ativistas pró-escolha se reuniram na porta do tribunal, em igrejas católicas e nas casas dos juízes. Um relatório recente revela que mais de 40 ataques contra indivíduos e organizações pró-vida foram registrados.

Trump havia negado anteriormente que a divulgação, que ele diz “desprezar o tribunal”, terá um grande impacto nas eleições de meio de mandato de 2022.

Apesar de sua afirmação de que as autoridades devem “ir ao repórter”, revelar a identidade de uma fonte confidencial sem seu consentimento pode sujeitar o jornalista à responsabilidade civil. A maioria dos estados também tem leis de proteção para proteger os jornalistas da divulgação forçada de informações confidenciais, incluindo fontes anônimas e histórias não publicadas.

O projeto de parecer atinge quase 100 páginas, incluindo 67 do parecer e 31 de um apêndice.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas