Trump revela que altos funcionários do FBI e DOJ politizaram investigação em favor de Clinton

Pouco antes da publicação hoje de um memorando secreto sobre a espionagem do governo tendenciosamente motivada, o presidente norte-americano Donald Trump acusou a liderança do Departamento Federal de Investigação (FBI) e do Departamento de Justiça (DOJ) de politizar investigações em favor dos democratas.

“Os principais Líderes e Investigadores do FBI e do Departamento de Justiça politizaram o sagrado processo de investigação em favor dos democratas e contra os republicanos, algo que teria sido impensável pouco tempo atrás”, escreveu Trump numa mensagem no Twitter no início da manhã de sexta-feira, 2 de fevereiro. “Os funcionários em geral são ótimas pessoas!”

Um memorando de poucas páginas que tem sido o grande assunto de conversa na cidade de Washington por semanas e foi divulgado ao público hoje. A aprovação de Trump era necessária para que o documento pudesse ser desclassificado e sexta-feira, 2 de fevereiro, marca o último dia em que o presidente poderia fazê-lo.

Leia também:
• Casa Branca publica memorando que revela escandalosa espionagem do governo
• EUA: por que o memorando é tão significante
• Altos funcionários do FBI discutem ‘sociedade secreta’ trabalhando contra Trump

O conteúdo do memorando expõe como um grupo politizado dentro do FBI e do DOJ usou um dossiê anti-Trump não verificado e compilado por um ex-espião britânico, e que foi pago em parte por Hillary Clinton, para obter um mandado de vigilância contra um ex-assessor de campanha da Trump, Carter Page.

Pelo menos 190 legisladores viram o documento desde que ele foi previamente disponibilizado aos membros da Câmara em 18 de janeiro. Aqueles que viram seu conteúdo descreveram-no como “pior do que o caso Watergate” e traçaram paralelos com a famosa agência de espionagem soviética, a KGB.

O tema central do documento é que pessoas diretamente ligadas a Hillary Clinton conscientemente usaram alegações não verificadas para espionar a equipe de Trump durante sua campanha presidencial, de acordo com fontes governamentais que falaram com John Solomon, do The Hill.

Estados Unidos, Donald Trump, Fusion GPS, dossiê, Hillary Clinton, Barack Obama - Um gráfico que mostra a rede de conexões para prevenir Trump de se tornar presidente. Para ver a imagem ampliada, clique aqui (The Epoch Times)
Um gráfico que mostra a rede de conexões para prevenir Trump de se tornar presidente. Para ver a imagem ampliada, clique aqui (The Epoch Times)

“O fato de que metade ou três quartos das evidências que o FBI usou para desencadear os mais impressionantes poderes de vigilância contra o círculo interno de Donald Trump veio de fontes vinculadas diretamente ao seu adversário democrata deve nos preocupar a todos, especialmente quando isso ocorreu durante uma eleição”, disse um republicano sênior diretamente familiarizado com o documento, e antes de sua publicação, a Solomon, informou The Hill.

“O FBI permitiu-se ser usado por partidários de [Hillary] Clinton para compactuar com provas unilaterais, principalmente não verificadas, numa investigação de contrainteligência com deficiências claras que não foram divulgadas”, acrescentou a fonte.

O dossiê anti-Trump foi compilado pelo ex-oficial da inteligência britânica Christopher Steele, que foi contratado pela Fusion GPS, que por sua vez foi contratada e paga por Hillary Clinton e pelo Comitê Nacional Democrata por meio do escritório de advocacia Perkins Coie. Enquanto Steele compilava o dossiê, a Fusion GPS também recebeu dinheiro do governo russo.

Numa mensagem de Twitter de acompanhamento, Trump citou Tom Fitton, do grupo de vigilância governamental Judicial Watch, vinculando Hillary Clinton, o Partido Democrata e a gestão Obama à uma operação de espionagem contra a equipe de Trump.

O segundo no comando do FBI, o vice-diretor Andrew McCabe, renunciou ao cargo na segunda-feira, logo após seu chefe, o diretor do FBI, Christopher Wray, visitar o Capitólio para ver o memorando, e antes de o Comitê de Inteligência da Câmara votar pela divulgação pública do memorando.

O memorando é uma das várias preocupações de alto perfil para a liderança do FBI e DOJ. Na quarta-feira, o presidente do Comitê de Segurança Interna do Senado, Ron Johnson, requisitou que o DOJ transfira todas as comunicações de 16 altos funcionários, incluindo o ex-diretor do FBI, James Comey, e o ex-vice-diretor do FBI, Andrew McCabe.

Johnson está investigando como o DOJ e o FBI trataram a investigação do uso indevido por Hillary Clinton de um servidor privado e inseguro de e-mail para enviar documentos confidenciais do governo enquanto ela era secretária de Estado na gestão Obama. Dois altos funcionários do FBI no centro da investigação, Peter Strzok e Lisa Page, trocaram milhares de mensagens de texto demonstrando um nítido preconceito contra o Trump e favoritismo por Clinton. Strzok foi o investigador principal nos inquéritos de Clinton e Trump. Ele foi removido da investigação sobre Trump quando as mensagens de texto foram descobertas.

NTD Television

Leia também:
• Agentes do FBI veem demissão do vice-diretor como desvencilhar agência da política
• CEO do Comitê Nacional Democrata renuncia em meio à reestruturação e pobre financiamento
• Donald Trump Jr. responde à participação de Hillary Clinton na premiação do Grammy
• Por que organizações de mídia não podem abandonar narrativa falsa sobre colusão russa
• Trump alerta sobre a ‘enfermidade’ nas instituições dos EUA
• Hillary Clinton enfrenta agora três investigações, e pode ser parte de uma quarta
• New York Times aparece no topo da lista de Trump sobre Notícias Falsas

 
Matérias Relacionadas