Trump promete ‘transição ordenada’ após Biden ser certificado como presidente eleito

“Embora eu discorde totalmente do resultado das eleições e os fatos me apoiem, haverá uma transição ordenada em 20 de janeiro. Sempre disse que continuaremos nossa luta para garantir que apenas os votos legais sejam contados”

Por Zachary Stieber

O presidente Donald Trump prometeu na quinta-feira que a transição de poder do presidente eleito Joe Biden seria ordenada e ele prometeu continuar lutando para melhorar os Estados Unidos.

“Embora eu discorde totalmente do resultado das eleições e os fatos me apoiem, haverá uma transição ordenada em 20 de janeiro. Sempre disse que continuaremos nossa luta para garantir que apenas os votos legais sejam contados”, disse Trump em um comunicado.

“Embora isso represente o fim do melhor primeiro mandato da história presidencial, é apenas o começo de nossa luta para tornar os Estados Unidos grandes novamente!”

O Congresso certificou Biden como presidente eleito por volta das 3h45.

A sessão conjunta para contagem dos votos foi interrompida por vários manifestantes que invadiram o Capitólio, causando um longo atraso. Um grupo reforçado de agentes das forças de segurança, que incluía reforços do United States Marshals Service, FBI e outras agências, expulsou os manifestantes e permitiu que os legisladores se reunissem novamente e contassem os votos eleitorais.

Veja também:

Objeções foram apresentadas a dois estados, Arizona e Pensilvânia, com o apoio necessário, mas acabaram sendo rejeitadas.

Biden recebeu 306 votos eleitorais contra 232 de Trump.

Trump pediu aos republicanos que se opusessem aos votos dos estados pendulares nos quais a fraude foi alegada ou comprovada. Entre eles estavam Geórgia, Michigan e Wisconsin. As objeções exigem o apoio de pelo menos um senador e os senadores apoiaram apenas as objeções de dois estados.

O presidente eleito Joe Biden faz um discurso em Wilmington, Delaware, em 6 de janeiro de 2021 (Chip Somodevilla / Getty Images)
O presidente eleito Joe Biden faz um discurso em Wilmington, Delaware, em 6 de janeiro de 2021 (Chip Somodevilla / Getty Images)

A equipe de Biden já havia criticado objeções antecipadas contra os votos eleitorais. Depois que o Senado votou 93-6 para rejeitar a objeção à certificação do Arizona, Ronald Klain, o novo chefe de gabinete de Biden, chamou a votação de “uma rejeição esmagadora da objeção infundada e não democrática da vontade dos eleitores do Arizona”.

Trump, durante um comício na manhã de quarta-feira, acusou os democratas de roubar a eleição e a “mídia falsa” por apoiá-los.

“Isso é o que eles têm feito e o que estão fazendo. Nós nunca desistimos. Nunca desistiremos, isso não acontece. Não é concedido quando há um roubo envolvido”, disse ele a uma multidão em Washington perto do Capitólio.

Trump disse que o vice-presidente Mike Pence deveria, por causa de seu papel como moderador na sessão conjunta, rejeitar votos eleitorais de alguns dos estados em disputa. Pence disse em um comunicado que acredita não ter “autoridade unilateral” para fazê-lo.

Biden foi um dos que culpou o presidente pela violência ocorrida no Capitólio.  Quatro pessoas morreram no terreno do Capitol.

O que aconteceu “não é um protesto; é uma insurreição”, disse Biden em um discurso à nação.

“A América é sobre honra, decência, respeito, tolerância. Isso é o que somos. Sempre fomos assim. A certificação de voto do Colégio Eleitoral é considerada um ritual sagrado, o que afirmamos, seu propósito é afirmar a majestade da democracia americana. Mas o doloroso lembrete de que a democracia é frágil e que para preservá-la são necessárias pessoas de boa vontade, líderes que tenham coragem de se levantar, que se dediquem, não à busca do poder ou de seus interesses pessoais, a busca do próprio interesse egoísta a qualquer custo, mas para o bem comum”, acrescentou.

Siga Zachary no Twitter: @zackstieber 

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas