Trump pede aos aliados europeus que repatriem terroristas do ISIS capturados para julgamentos

Trump avisou que os terroristas podem acabar sendo libertados quando as forças dos Estados Unidos saírem da região

Por Ivan Pentchoukov

O presidente Donald Trump pediu às nações europeias, em 16 de fevereiro, para repatriar e processar centenas de combatentes do grupo terrorista ISIS que foram capturados pelos Estados Unidos e seus aliados na Síria.

Trump avisou que os terroristas podem acabar sendo libertados quando as forças dos Estados Unidos saírem da região.

“Os Estados Unidos estão pedindo à Grã-Bretanha, França, Alemanha e outros aliados europeus que levem de volta mais de 800 combatentes do ISIS que foram capturados na Síria e os direcione a julgamentos. O califado está pronto para cair. A alternativa não é boa, pois seremos forçados a libertá-los”, escreveu Trump no Twitter.

“Os Estados Unidos não querem ver como esses combatentes do ISIS permeiam a Europa, que é onde eles esperam ir”, continuou o presidente. “Fazemos muito e gastamos muito – tempo para que os outros se levantem e façam o trabalho que eles são capazes de fazer. Estamos recuando após 100% de vitória sob o califado! ”

Trump ordenou a retirada das forças dos Estados Unidos da Síria após a derrota do ISIS na região. Em 16 de fevereiro, as forças apoiadas pelos Estados Unidos estavam prestes a capturar o último pequeno enclave mantido pelo grupo terrorista ao longo do rio Eufrates.

Jiya Furat, o comandante das forças apoiadas pelos Estados Unidos, disse em 16 de fevereiro que o Estado Islâmico foi preso em um bairro na vila de Baghouz, perto da fronteira com o Iraque, e sob fogo de todos os lados.

“Nos próximos dias, em um tempo muito curto, vamos espalhar as boas novas para o mundo do fim militar do [ISIS]”, disse Furat.

A derrota marca o fim de cinco anos de terror e caos alimentados pelo Estado Islâmico. O chamado califado começou em uma mesquita em Mosul, no Iraque, onde Abu Bakr al-Baghdadi aproveitou-se do tumulto regional para se declarar o governante, ou califa, do povo muçulmano. No seu auge, o califado governou mais de 2 milhões de pessoas.

Jiya Furat, comandante do ataque ao último enclave jihadista no leste da Síria, durante uma coletiva de imprensa perto de Baghouz, província de Deir Al Zor, Síria 16 de fevereiro de 2019 (Rodi Said / Reuters)

Milhares de pessoas, incluindo muitos cidadãos de países europeus, viajaram para a Síria para se juntarem ao ISIS durante o conflito; centenas foram capturadas e mantidas em prisões de curdos. Uma vez que os Estados Unidos deixar da região, os curdos poderão não ter recursos para proteger as prisões, o que resultaria no retorno dos prisioneiros aos seus respectivos países.

Autoridades curdas disseram que os membros da família dos prisioneiros podem ultrapassar 4.000.

Trazer os combatentes do ISIS de volta para suas nações de origem é complicado. De acordo com Shiraz Maher, diretor do Centro Internacional para o Estudo da Radicalização, há “problemas reais com a admissibilidade de provas no campo de batalha” nos tribunais ocidentais que podem dificultar os processos.

Combatentes da coalizão curda-árabe apoiada pelos EUA das Forças Democráticas da Síria (SDF) descansam durante uma operação para expulsar os jihadis do ISIS de seu último bastião, em Baghouz, na província síria oriental de Deir Al Zor, em 16 de fevereiro de 2019 (Delil Souleiman / AFP / Getty Images)

“Então, o que acontece de fato? Esses combatentes são repatriados e depois libertados; Ninguém quer isso. Ou eles serão julgados por crimes menores com penas mais curtas e estarão fora da cadeia em um período relativamente curto. Novamente, isso não é o ideal ”, escreveu Maher no Twitter.

Enquanto isso, as autoridades locais precisam resolver a questão de onde abrigar os prisioneiros. Colocá-los com a população em geral pode radicalizar outros prisioneiros, enquanto a criação de instalações especiais pode custar muito caro.

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

 
Matérias Relacionadas