Trump: “não vamos deixar o Irã ter arma nuclear”

Por Janita Kan

O presidente Donald Trump reiterou em 22 de junho que seu governo trabalhará para garantir que o Irã desista de suas metas de armas nucleares.

“Eles não vão ter uma arma nuclear. … Não vamos deixar o Irã ter arma nuclear. Quando eles concordarem com isso, eles terão um país rico. Eles ficarão muito felizes e eu serei seu melhor amigo. Espero que isso aconteça”, disse Trump a repórteres na Casa Branca pouco antes de embarcar no Marine One para Camp David.

Trump fez as declarações depois de ter sido perguntado por um repórter se a ação militar contra o regime ainda está na mesa.

“Está sempre na mesa até resolvermos isso”, disse o presidente em resposta.

Isso ocorreu depois que o Irã derrubou um avião não-tripulado da Marinha dos Estados Unidos, em 19 de junho, que sobrevoava o Golfo de Omã e o Estreito de Ormuz, no que os militares dos Estados Unidos descreveram como “ataque não provocado” em uma missão de espionagem sobre o seu território, mas o Pentágono respondeu que a aeronave estava no espaço aéreo internacional.

Este gráfico aponta dois locais onde o drone foi atingido. Um foi fornecido pelos EUA e outro pelo Irã revelando como os pontos estão conflitando na localização (U.S. Air Force; Iran Revolutionary Guard)
Este gráfico aponta dois locais onde o drone foi atingido. Um foi fornecido pelos EUA e outro pelo Irã revelando como os pontos estão conflitando na localização (U.S. Air Force; Iran Revolutionary Guard)

Restos do que a divisão aeroespacial da Guarda Revolucionária do Irã descreve como o drone dos Estados Unidos que foi abatido na quinta-feira é exibido em Teerã, Irã, sexta-feira, 21 de junho de 2019 (Borna Ghasemi / ISNA via AP)

Trump disse que decidiu desistir de um plano para realizar uma resposta imediata depois de saber que poderia custar a vida de 150 pessoas e disse que não achava que a resposta fosse proporcional.

“Eu não quero matar 150 iranianos … Eu não quero matar 150 de qualquer coisa ou ninguém, a menos que seja absolutamente necessário”, Trump reiterou na Casa Branca em 22 de junho, acrescentando que “qualquer coisa é muito quando eles derrubam um veículo não tripulado”.

Ele também disse que o Irã é “muito sábio” para tomar a decisão de não abater um avião espião americano que estaria voando perto do local onde o drone foi abatido.

“Havia um avião com 38 pessoas ontem, você viu isso? Eu acho que é uma grande história. Eles tinham isso em suas vistas e eles não o derrubaram. Eu acho que eles foram muito sábios em não fazer isso. E nós apreciamos que eles não fizeram isso. Eu acho que foi uma decisão muito sábia”, disse Trump.

O presidente Donald Trump fala aos repórteres no gramado sul da Casa Branca em Washington, sábado, 22 de junho de 2019, antes de embarcar no Marine One para a viagem a Camp David, em Maryland (Susan Walsh / AP)

Enquanto isso, Trump também disse que estava aberto a renegociar outro acordo com o Irã. O Irã está enfrentando uma forte pressão econômica depois que os Estados Unidos se retiraram do Acordo Nuclear do Irã em 2018 e voltaram a impor severas sanções contra o país islâmico.

“Irã agora é uma bagunça econômica. Eles estão passando pelo inferno. As sanções atingiram-nos com força. Mais sanções serão colocadas, muito mais ”, disse Trump. “Tudo que eu quero, é eles sem armas nucleares. … Nós poderíamos ter um acordo com eles muito rapidamente se quisessem. Cabe a eles”.

“Se o Irã quiser se tornar uma nação rica novamente, tornar-se uma nação próspera nós vamos dizer: “vamos tornar o Irã grande novamente”. Você entende? Torne o Irã grande novamente está ótimo para mim. Mas eles nunca farão isso se pensarem que daqui a cinco ou seis anos, eles precisam ter uma arma nuclear”, disse Trump aos repórteres.

Em 17 de junho, o regime iraniano anunciou que romperia um limite internacionalmente acordado em seu estoque de urânio de baixo enriquecimento, após 10 dias em meio à tensão crescente entre os Estados Unidos e o regime islâmico. Acrescentou que só permanecerá no acordo nuclear, que foi negociado pelo governo Obama em 2015, se os signatários europeus intervierem para ajudar o regime a contornar as apertadas sanções econômicas.

As tensões de longa data entre as duas nações tornaram-se mais proeminentes nas últimas semanas, depois que os Estados Unidos acusaram o Irã dos ataques de 13 de junho a um par de petroleiros no Golfo de Omã. A administração Trump apresentou evidências de vídeo que aparentemente implicam Teerã nos ataques, enquanto o Irã negou ter qualquer participação nos ataques.

O regime iraniano disse, em 22 de junho, que responderia firmemente a qualquer coisa que considere uma ameaça dos Estados Unidos, segundo a agência de notícias semi-oficial Tasnim, segundo a Reuters.

“Independentemente de qualquer decisão que eles tomarem [funcionários dos Estados Unidos] … nós não vamos permitir que nenhuma das fronteiras do Irã seja violada. O Irã enfrentará com firmeza qualquer agressão ou ameaça dos Estados Unidos”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Abbas Mousavi, à mídia local.

Trump está em Camp David neste final de semana para realizar reuniões e discutir a situação com o Irã.

Siga Janita no Twitter: @janitakan

 
Matérias Relacionadas