Trump envia ‘soldados fortemente armados’ em Washington e promete acabar com os tumultos em todo o país

Por Allen Zhong

O presidente Trump anunciou segunda-feira à tarde que está destacando militares, juntamente com outros ativos federais, para impedir os violentos distúrbios em Washington, D.C.

“Enquanto falamos, estou enviando milhares de soldados fortemente armados, militares e policiais para interromper os distúrbios, saques, vandalismo, assaltos e a destruição indiscriminada de propriedades”, anunciou ele em entrevista coletiva.

Trump disse que o que aconteceu na capital do país na noite de domingo foi “vergonhoso”.

O presidente também disse que recomendou com urgência que os governadores mobilizassem um número suficiente da guarda nacional e dominassem as ruas.

“Prefeitos e governadores devem estabelecer uma presença esmagadora de policiais até que a violência seja reprimida”, afirmou. “Se uma cidade ou estado se recusar a tomar as medidas necessárias para defender a vida e a propriedade de seus residentes, implantarei o Exército dos Estados Unidos e rapidamente resolverei o problema para eles”.

Após seu discurso nacional, Trump visitou a Igreja Episcopal de São João, localizada do outro lado da rua da Casa Branca, conhecida como “A Igreja dos Presidentes”, que foi danificada por um incêndio que explodiu na noite de domingo.

“Temos o melhor país do mundo”, declarou Trump durante a visita. “Nós vamos mantê-lo seguro.”

A secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, disse na véspera que a Casa Branca está estabelecendo um centro de comando central para coordenar com os estados a resposta à crescente violência após os protestos.

O presidente do Conselho de Administração, general Mark Milley, o secretário de Defesa Mark Esper e o procurador-geral William Barr participarão do plano.

“Haverá mais ativos federais implantados em todo o país. Haverá um centro de comando central em conjunto com os governos estaduais e locais que incluirá o general Milley, o secretário Esper e FG Barr “, disse McEnany.

A morte de George Floyd, um negro que morreu no início desta semana enquanto estava sob custódia da polícia de Minneapolis, causou um alvoroço nacional. Mas os protestos inicialmente pacíficos, que expressavam dor e raiva contra a brutalidade policial, foram em muitos casos marcados por saques, violência e incêndio criminoso.

Os protestos continuaram em 30 de maio em dezenas de cidades em todo o país, incluindo Minneapolis, Washington, Nova Iorque, Atlanta, Detroit e Louisville, com saques ocasionais, incêndio criminoso e vandalismo.

Houve incêndios perto da Casa Branca, lojas foram saqueadas no sul da Califórnia e imagens perturbadoras de atos violentos inundaram as mídias sociais, incluindo uma máfia atingindo um idoso dono de loja em Rochester, Nova Iorque.

As janelas quebradas da loja Lululemon Athletica são vistas no SOHO após os violentos protestos na noite de 31 de maio de 2020 pela morte de George Floyd, em Nova Iorque, EUA, em 1º de junho de 2020 (EFE / EPA / JASON SZENES)
As janelas quebradas da loja Lululemon Athletica são vistas no SOHO após os violentos protestos na noite de 31 de maio de 2020 pela morte de George Floyd, em Nova Iorque, EUA, em 1º de junho de 2020 (EFE / EPA / JASON SZENES)

O Departamento de Polícia Metropolitana de DC disse na noite de domingo que estava respondendo a “múltiplos incêndios intencionais” pela cidade, incluindo um relatado na Igreja Episcopal de St. John.

De acordo com uma contagem compilada pela Associated Press, pelo menos 4.400 pessoas foram presas em todo o país.

Um vídeo divulgado mostrou Floyd deitado e algemado enquanto um policial branco se ajoelhava no pescoço do homem por quase nove minutos. As imagens mostravam Floyd dizendo aos policiais “Eu não consigo respirar” antes que seu corpo parasse.

De acordo com o relatório do Departamento de Bombeiros de Minneapolis (pdf), Floyd não respondeu e ficou “sem pulso” quando os paramédicos o transportaram para uma ambulância do local de sua prisão para o hospital.

O policial que foi visto ajoelhado no pescoço do homem, Derek Chauvin, foi demitido em 25 de maio, junto com outros três policiais. Chauvin foi acusado de assassinato em terceiro grau e homicídio em segundo grau em 29 de maio.

Na segunda-feira, um médico legista classificou a morte de George Floyd como um homicídio, dizendo que seu coração parou quando o policial o prendeu e o segurou pelo pescoço.

“O falecido sofreu uma parada cardíaca enquanto era detido por policiais”, diz o relatório.

Em “outras condições importantes”, ele disse que Floyd sofria de doenças cardíacas e hipertensão, listando o envenenamento por fentanil e o uso recente de metanfetamina.

A Associated Press e o jornalista do Epoch Times, Tom Ozimek, contribuíram para esta reportagem.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

 

Veja também:

O Método do PCC

 

 
Matérias Relacionadas